Atividades físicas no contexto urbano saudável: a experiência de Conchal [SP]

Palavras-chave: Atividades físicas. Planejamento urbano. Cidade saudável.

Resumo

Na Carta Magna do Brasil, a Constituição Brasileira (1988) traz premissas para o desenvolvimento urbano através da função social da cidade proporcionado assim, uma vida saudável e digna de ser vivida. Relatar a implantação de um Projeto de Atividades Físicas em um município de pequeno porte pertencente a Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis (RMPS para promover o urbano saudável. A metodologia é descritiva, sendo um estudo de caso a partir de iniciativas da Política Nacional da Promoção da Saúde (PNaPS) do Brasil de 2014 com a coleta dos resultados nos anos de 2010 a 2018 no Departamento Municipal de Saúde do município de Conchal [SP, Brasil]. A implantação de projetos de Atividades Físicas foi realizada através da criação de um Comitê Local, baseado na metodologia da RMPS, que proporcionou o mapeamento das ações desenvolvidas no território desse município e a gestão saudável do repasse federal do Ministério da Saúde (MS) desde 2010 destinado para implantação e implementação de projetos de promoção da saúde no combate ao sedentarismo. O projeto proporcionou o envolvimento, participação e comprometimento dos gestores locais e o empoderamento da comunidade, através das políticas de Promoção da Saúde vigentes com enfoque no urbanismo saudável. A participação do município na RMPS contribui no que diz respeito à promoção de saúde e trocas de experiências com outros municípios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jussara Conceição Guarnieri, Universidade Estadual de Campinas
Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Unicamp. Encarregada do Setor de Reabilitação da Prefeitura Municipal de Conchal, coordenadora do Polo academia da Saúde e responsável pelo Setor de Promoção da Saúde/Saúde do trabalhador e ouvidoria do Cemec (Centro de Especialidades Médicas de Conchal/SP).

Referências

Akerman et al. (2002). Avaliação em promoção da saúde: foco no município saudável. Revista Saúde Pública, 36(5): 638-46, Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000600016. Acesso em 25 nov. 2018.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado.

Brasil (2001). Lei 10.257 de 10 de julho de 2001, o “Estatuto das Cidades”, regulamenta o capítulo "Política Urbana" da Constituição brasileira.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde (2006). Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília, DF. 60p. (série B. Textos Básicos de Saúde) (Série Pactos pela Saúde , 7).

Brasil (2016). Portaria 1.707 de 23 de setembro de 2016. Recuperado de:

http://www.brasilsus.com.br/index.php/legislacoes/gabinete-do-ministro/9218-portaria-n-1-707-de-23-de-setembro-de-2016.

Brandão, I. R. (2010). Na trilha do município saudável. In: Organização Pan-Americana da Saúde, A. Sperandio et al. (org.). Políticas Integradas em Rede e Construção de Espaços Saudáveis: boas práticas para a iniciativa dos rostos, vozes e lugares (p.37). Brasília: OPAS.

Franscisco Filho, L. L. (2010). In: Políticas Integradas em Rede e Construção de Espaços Saudáveis: boas práticas para a iniciativa dos rostos, vozes e lugares (p.159). Brasília: OPAS.

Franklin, T. et al. (2004). Walkable streets. New Urban Futures, 10: 5–7. July.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Contagem Populacional.

Malta, D. C. et al. (2009). A Política Nacional de Promoção da Saúde e a agenda da atividade física no contexto do SUS. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 18, pp. 79-86, jan./mar.

Malta, D. C. et al. (2009) Padrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 18, pp. 7-16, jan./mar.

Oehlschlaeger, M. H., Pinheiro, R. T., Horta, B., Gelatti, C., & Santana, P. (2004). Prevalência e fatores associados ao sedentarismo em adolescentes de área urbana. Revista Saúde Pública, 38, pp. 157-163.

OPAS. Organização Pan-Americana de Saúde (2008). Gestão em rede na OPAS/OMS Brasil. Conceitos, práticas e lições aprendidas. Brasília: OPAS.

RMPS. Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis (s./d.). Disponível em: www.redemunicipiosps.org.br. Acesso em: 25 nov. 2018.

Sperandio, A. M. G., & Malo, M. (2006). Relembrando os princípios da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis. O plano diretor: uma ferramenta para o desenvolvimento das políticas públicas de um município potencialmente saudável. Campinas: Universidade de Campinas, Departamento de Medicina Preventiva; & Organização Pan-Americana da Saúde.

Sperandio A. M. G. (2010). A promoção da saúde construída em Rede. In: A.M.G. Sperandio, D. G. Marchín, M. A. B. Fortunato (orgs.). Políticas Integradas em Rede e a Construção de Espaços Saudáveis: boas práticas para a Iniciativa do Rostos, Vozes e Lugares. Organização Pan-Americana da Saúde. Org. Sperandio, A.M.G.; Marchín D.G; Fortunato M.A.B. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Sperandio A. M. G., Veríssimo, L. C. G., & Palácios A. L. O. (2011). O processo de desenvolvimento de políticas públicas saudáveis integradas em rede: a experiência de Maringá - PR. Ano VII [Nº 015] abr./jun. pp. 10-28.

WHO. World Health Organization (2010). Global recommendations on physical activity for health. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/en/. Acesso em: 12 mar. 2017.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Guarnieri, J. C. (2018). Atividades físicas no contexto urbano saudável: a experiência de Conchal [SP]. Labor E Engenho, 12(4), 533-539. https://doi.org/10.20396/labore.v12i4.8654140
Seção
Artigos