Conexões entre o planejamento urbano e a cidade saudável

  • Ana Maria Girotti Sperandio Universidade Estadual de Campinas
  • Rafael Negrin Moreira Universidade Estadual de Campinas
  • Fernanda Bernardino Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Planejamento urbano. Cidade potencialmente saudável. Participação social.

Resumo

Uma cidade para ser saudável deve considerar sua história, as gerações futuras, as potencialidades e necessidades locais através da valorização da participação social para o desenvolvimento de estratégias intersetoriais promovidas pelo planejamento urbano visando à melhoria da qualidade de vida de seus habitantes. Por meio da abordagem qualitativa e descritiva, foi possível realizar um percurso metodológico na cidade potencialmente saudável de Conchal, interior de São Paulo, proposto pela disciplina de Planejamento Urbano como Promotor da Cidade Saudável, da FEC/UNICAMP, com intuito de conhecer a horta comunitária, a academia da saúde e a central de reciclagem e desenvolver um ensaio sobre princípios, valores e impactos para o planejamento de tais cidades. A pesquisa permitiu identificar por meio das evidências e eficácia destes projetos, o bem-estar e a felicidade da comunidade.  Neste sentido, conclui-se com este estudo de caso que o senso de pertencimento, fortalecimento da participação social, políticas públicas inclusivas, governança, ações interdisciplinares e intersetoriais e a equidade, são fatores significativos para a promoção das cidades saudáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Girotti Sperandio, Universidade Estadual de Campinas

Professora Doutora Colaboradora da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp e Pesquisadora do Laboratório de Investigações Urbanas (LABINUR).

Rafael Negrin Moreira, Universidade Estadual de Campinas
Arquiteto e Urbanista Estudante Especial do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Tecnologia e Cidades, na UNICAMP.
Fernanda Bernardino, Universidade Estadual de Campinas
Arquiteta Urbanista com especialização em Gestão de Projetos e Estudante Especial do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Tecnologia e Cidades, na UNICAMP. 

Referências

Barten, F., Akerman, M., Becker, D. et al. (2011). Rights, Knowledge, and Governance for Improved Health Equity in Urban Settings. Journal of Urban Health: Bulletin of the New York Academy of Medicine, Vol. 88, No. 5.

Brandão, I. R. (2010). Na Trilha do Município Saudável. In: A.M.G. Sperandio, D.G. Machín, & M.A.B. Fortunato (orgs.), Políticas Integradas em Rede e Construção de Espaços Saudáveis: Boas Práticas para a Iniciativa dos Rostos, Vozes e Lugares (pp. 31-57). Brasília: OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde.

Brasil. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os art. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Diário Oficial da União, jul. 2001.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspon-dentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990.

Brasil. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/index.php/legislacoes/gabinete-do-ministro/1049-2446. Acesso em 25 nov. 2018.

Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano – artes de fazer. Petrópolis: Editora Vozes.

Conchal. Lei complementar n.º 157 de 10 de outubro de 2006. Dispõe sobre o Plano Diretor Estratégico do Município de Conchal, SP – PDEC e dá outras providências. Recuperado de: http://www.conchal.sp.gov.br/source/orgaos/planejamento/planoDiretor.

Corbrun, J. (2017). Equitable and Healthy City Planning: Towards Healthy Urban Governance In the Century of the City. In: E. de Leeuw & J. Simos (editores). Healthy Cities: The Theory, Policy, and Practice of Value-Based Urban Planning. Springer.

IPEA (2015). Desenvolvimento de metodologia de avaliação pós-ocupação em unidades habitacionais na cidade de Uberlândia, pertencentes à primeira fase do MCMV, enfocando aspectos funcionais, comportamentais e ambientais. Governo Federal, Rio de Janeiro. Recuperado de: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7477/1/RP_Desenvolvimento_2015.pdf.

Leeuw, E. de, & Green, G. (2017). The Logic of Method for Evaluating Healthy Cities. In: E. de Leeuw, & J. Simos (editores), Healthy Cities: The Theory, Policy, and Practice of Value-Based Urban Planning. Springer.

Lopes, A. A. (2000). Medicina Baseada em Evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Rev Ass Med Brasil, 46(3): 285-8. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ramb/v46n3/3089.pdf.

RMPS — Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis, Recuperado de: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=167:rede-de-municipios-potencialmente-saudaveisrmps&Itemid=875.

Robinson, J. (2016). Thinking cities through elsewhere: Comparative tactics for a more global urban studies. Progress in Human Geography, 40 (1) pp. 3-29. Recuperado de: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0309132515598025.

Robinson, J. (2016). Ciudades en un mundo de ciudades: el gesto comparativo Andamios. Revista de Investigación Social, 13(32), septiembre-diciembre, pp. 163-210 Universidad Autónoma de la Ciudad de México Distrito Federal, México. Recuperado de: https://www.redalyc.org/pdf/628/62847468008.pdf.

Robinson, J. (2018). Comparando a mobilidade das políticas públicas: processos de urbanização, instâncias repetidas e topologias. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/74660/71501.

Sperandio, A.M.G. (2018). Direito à cidade saudável: estratégias convergentes de promoção da saúde e planejamento urbano. Revista Intellectus, 45(1).

Sperandio, A. M. G., Francisco Filho, L. L., Guarnieri, et al. (2016). A interdisciplinaridade e o desenvolvimento de uma cidade saudável. In: Anais PLURIS, 2016. Maceió, AL, Brasil.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Sperandio, A. M. G., Moreira, R. N., & Bernardino, F. (2018). Conexões entre o planejamento urbano e a cidade saudável. Labor E Engenho, 12(4), 482-494. https://doi.org/10.20396/labore.v12i4.8654239
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)