O patrimônio industrial no Brasil no século XXI: um estudo bibliométrico do estado da arte

Palavras-chave: Patrimônio industrial, Arqueologia industrial, Patrimônio cultural, Estado da arte, Estudo bibliométrico.

Resumo

O cenário de formação de estudos sobre patrimônio industrial no Brasil como foco do trabalho visa apresentar, de maneira preliminar, o atual estágio do estado da arte no País. O envolvimento de acadêmicos, grupos de trabalho e demais pesquisadores determina um conjunto de trabalhos acadêmicos e científicos que tragam a temática à discussão atual e construam um corpus teórico e práticas cuja atenção se centra na temática. A partir dessa ideia constrói-se a base metodológica de pesquisa, como um estudo bibliográfico cujos binômios “patrimônio industrial” e “arqueologia industrial” definem uma rede de correlação e seus preditores. Como campo de pesquisa tem-se os encontros nacionais e internacionais do período de 2004-2018, além das bases de dados de portais acadêmicos no Brasil: o Portal de Periódicos (CAPES/MEC), a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD/IBICT) e o Portal Domínio Público (MEC). O cruzamento das informações determinou uma análise em relação dos campos de pesquisa e áreas pesquisadas ao patrimônio industrial. Assim, busca-se avaliar o campo teórico-prático construído, além de compreender sua inserção em diferentes cenários a partir da segunda década do século XXI. A sua concepção pretende trazer à discussão a importância dos espaços industriais segundo sua importância na formação do patrimônio e da sociedade brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo André Rodrigues da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutor em História pela Universidade do Minho. Professor Adjunto I da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Referências

Bergeron, L. & Dorel-Ferré, G. (1996). Le patrimoine industriel. Un nouveau territoire. Paris: Liris.

Carvalho A. M. F. de C. & Gouveia, F. C. (2017). Repositórios institucionais de acesso aberto: adequação às novas métricas da web. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 11, 1-14. Recuperado de: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1420/pdf1420.

Dorel-Ferré, G. (1995). Arqueología industrial, pasado y presente. Entrevista a Louis Bergeron, presidente del International Committee for Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH). Revista de Historia Industrial, 7, 169-195. [Barcelona].

Gouveia, F. C. (2013). Altmetria: métricas de produção científica para além das citações. LIINC em Revista, 9 (1), 214-227. [Rio de Janeiro]. Recuperado de: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3434/3004

Hudson, K. (1965). Industrial archaeology. London: Methuen; University Paperback.

Hudson, K. (1979). World industrial archaeology. New York: Cambridge University Press.

Lopes Cordeiro, J. M. (1986). Algumas questões para a salvaguarda do patrimônio industrial. In Anais do 1º. Seminário Nacional de História e Energia. São Paulo: Departamento de Patrimônio Histórico.

Lopes Cordeiro, J. M. (2011). Desindustrialização e salvaguarda do patrimônio industrial: Problema ou oportunidade? Oculum Ensaios, 13.

Minchinton, W. (1983). World industrial archaeology: a survey. World Archaeology, 15 (2), 125-136.

Palmer, M. & Neaverson, P. (1998). Industrial archaeology: principles and practice. Londres: Routledge.

Priem, J. et al. (2010). Altmetrics: a manifesto. Altmetrics, 1. Recuperado de: http://altmetrics.org/manifesto.

Ramos, P. O. (2017). A expressão ‘arqueologia industrial’: um tema para uma viagem no espaço e no tempo. In: II Congresso Internacional sobre Património Industrial: Património, Museus e Turismo Industrial: Uma Oportunidade para o Século XXI. Porto: Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR); Escola das Artes; Universidade Católica Portuguesa.

Rodrigues da Silva, R. A. (2017). Cidade, cultura e memória: uma perspectiva sob a óptica da arqueologia e do patrimônio industriais. Tese de Doutoramento, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Rodrigues da Silva, R. A. & Lopes Cordeiro, J. M. (2017). Reflexões acerca do conceito de patrimônio cultural sob a ótica do patrimônio industrial e da arqueologia industrial. Faces da História, 4, 7-29.

Silva, I. C. O., Fernandes, T. B. O., & Souza, C. M. (2016). Análise de “sitações” dos programas de pós graduação stricto sensu em ciência da informação do Brasil. In: Anais do 5º. Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria, São Paulo, SP, Brasil. USP, A52. Recuperado de: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/46372.

The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (2003). Carta de Nizhny Tagil para o Património Industrial. Recuperado de: http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf.

The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (2011). Princípios de Dublin. Recuperado de: http://ticcih.org/about/about-ticcih/dublin-principles/.

Trinder, B. (1992). The blackwell encyclopaedia of industrial archaeology. Londres: Blackwell.

Van Eck, Nees Jan; Waltman, Ludo (2019). VOSviewer Manual. Recuperado de: http://vosviewer.com/manual.pdf.

Vanti, N. A. P. & San-Casado, E. (2016). Altmetria: a métrica social a serviço de uma ciência mais democrática. Transinformação, 28 (3) 349-358. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/tinf/v28n3/0103-3786-tinf-28-03-00349.pdf.

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 31 (2) 152-162. Recuperado de: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/970/1007.

Publicado
2019-10-09
Como Citar
Silva, R. A. R. da. (2019). O patrimônio industrial no Brasil no século XXI: um estudo bibliométrico do estado da arte. Labor E Engenho, 13, e019010. https://doi.org/10.20396/labore.v13i0.8655823
Seção
Artigos