Evidências de métodos participativos para o planejamento urbano da cidade saudável

Palavras-chave: Planejamento urbano, Cidade saudável, Promoção da saúde, Evidências.

Resumo

Estudar e pesquisar princípios, valores e características de uma cidade saudável é um processo que demanda imersão. É necessário um entendimento do que é saudável ou ainda percorrer um caminho investigativo do que poderia ser o oposto disso, a fim de esclarecer a definição e aproximar da complexidade do conceito de saúde. Notando que o ambiente urbano é de considerável multiplicidade, as diversas instâncias que compõem a cidade saudável podem ser analisadas simultaneamente. Este artigo tem como objetivo apontar métodos participativos e as suas respectivas evidências para subsidiar as tomadas de decisões dos gestores públicos, no seu cotidiano, para o desenvolvimento da cidade saudável. A metodologia para tal apontamento baseou-se em revisões bibliográficas em relação aos temas, em leitura com profundidade dos documentos gerados nas cidades, após desenvolvimento dos projetos com atuação da academia, gestão pública e  comunidade, diálogos das visitas técnicas realizadas nas cidades e registros fotográficos. Como resultados, o LABINUR/FEC/UNICAMP, a partir do monitoramento das experiências, tem obtido elementos para a formulação de uma metodologia do Planejamento Urbano Baseado em Evidências para a Cidade Saudável que poderá ser indicada para os gestores públicos com o intuito de relacionar a escolha ideal das iniciativas a serem postas em prática e trazer a participação social para o processo de tomada de decisões. Concluiu-se que o monitoramento dos métodos participativos permite aproximar da realidade social vivenciada em micro espaços e identificar evidências que podem ser significativas no processo de construção de políticas públicas para a cidade saudável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Girotti Sperandio, Universidade Estadual de Campinas

Ortoptista Sanitarista, Professora Plena da Pós-Graduação em Arquitetura, Tecnologia e Cidade da
(FEC/UNICAMP) e Pesquisadora Colaboradora do LABINUR/FEC/UNICAMP.

         
Rodrigo Brandini Bloes, Universidade Estadual de Campinas

Engenheiro Civil (UNICAMP) Mestrando em Arquitetura, Tecnologia e Cidade (UNICAMP) Laboratório de
Investigações Urbanas – LABINUR (UNICAMP).

     
Pamela Shue Lang Lin, Universidade Estadual de Campinas

Arquiteta e Urbanista (UNICAMP) Mestranda em Arquitetura, Tecnologia e Cidade (UNICAMP) Laboratório
de Investigações Urbanas – LABINUR (UNICAMP).

     

Referências

Atallah, A. N. (2018). Medicina baseada em evidências. Revista Diagnóstico & Tratamento, 23, ed. 2, pp. 43-44, 2018. São Paulo. ISSN 1413-9979.

Barten, F., Akerman, M., Becker, D., Friel, S., Hancock, T., Mwatsama, M., Rice, M., Sheuya, S., & Stern, R. (2011). Rights, Knowledge, and Governance for Improved Health Equity in Urban Settings. Journal of urban health: Bulletin of the New York Academy of Medicine, 88 (5), pp. 896-905. https://doi.org/10.1007/s11524-011-9608-z.

Corburn, J. (2017). Equitable and Healthy City Planning: Towards Healthy Urban Governance in the Century of the City. In: DE LEEUW, E. & SIMOS, J. Healthy Cities. New York: Springer.

De Leeuw, E. (2017). From Urban Projects to Healthy City Policies. In: DE LEEUW, E. & SIMOS, J. Healthy Cities. New York: Springer.

Domhardt, K. S. (2012). The garden city idea in the CIAM discourse on urbanism: a path to comprehensive planning. Planning Perspectives, 27 (2), pp.173-197, DOI: 10.1080/02665433.2012.646768.

El Dib, R. P. (2007). Como praticar a medicina baseada em evidências. Jornal Vascular Brasileiro, 6 (1), pp.1-4. https://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492007000100001.

Freire, M. S. M., Salles, R. P. D., & Franco de Sá, R. M. P. (2016). Mapeando iniciativas territoriais saudáveis, suas características e evidências de efetividade. Ciência & Saúde Coletiva, 21 (6), pp. 1757-1766. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015216.08172016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019). População estimada. IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1º de julho de 2019. Cidades e Estados. Recuperado em 07 março, 2019, de https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/sp/conchal.html?.

Lei n. 1761, de 24 de setembro de 2010. Instituiu o programa de Políticas Públicas Saudáveis no Município de Conchal,. Recuperado em 04 de março de 2019, de https://consulta.siscam.com.br/camaraconchal/arquivo?Id=3000.

Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001, Estatuto da Cidade e Legislação Correlata (2001). Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas. Recuperado em 04 de março de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10257.htm.

Lopes, A. A. (2000). Medicina Baseada em Evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Revista da Associação Médica Brasileira, 46 (3), pp. 285-288. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302000000300015.

Ministério da Saúde (2002). As Cartas da Promoção da Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Projeto Promoção da Saúde. Brasília : Ministério da Saúde.

Política Nacional de Promoção da Saúde, Revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006 (2014). Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Brasília. Recuperado em 04 de março de 2019 de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf.

Prefeitura Municipal de Conchal (2018). Ata Reunião Horta Comunitária de 25 de janeiro de 2018. Conchal: Departamento de Saúde da Prefeitura Municipal de Conchal.

Rheingantz, P. A., Azevedo, G. A., Brasileiro, A., Alcantara, D. & Queiroz, M. (2009). Observando a qualidade do lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Rogers, R. G., & Gumuchdjiam, P. (2001). Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Gustavo Gili Brasil.

Snowden, D., & Boone, M. (2007). A Leader's Framework for Decision Making. Harvard business review. 85. 68-76, 149. ISSN: 0017-8012.

Sperandio, A. M. G. (2010). A promoção da saúde construída em rede (pp. 19-21). In : Sperandio, A. M. G., Machin, D. G., & Fortunato, M. A. B. (Orgs.), Políticas Integradas em Rede e a Construção de Espaços Saudáveis: boas práticas para a Iniciativa do Rostos, Vozes e Lugares. Brasília: Organização Pan Americana da Saúde.

Sperandio, A. M. G., Francisco Filho, L. L., Favero, E., Ribeiro, M. M., & Manfrinato, T. (2015). Ocupação de vazio urbano como promotor do planejamento para cidade saudável. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, 6 (3), pp. 205-215. https://doi.org/10.20396/parc.v6i3.8635018.

Sperandio, A. M. G., Malek-Zadeh, M. U., Arêas, J. L. de S., & Francisco Filho, L. L. (2019). Mapa dos desejos locais como uma ferramenta para promoção do diálogo e do desenvolvimento de cidades saudáveis. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, 10, e019002. https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8652312.

Sperandio, A. M. G., Moreira, R. N., & Bernardino, F. (2018). Conexões entre o planejamento urbano e a cidade saudável. Labor & Engenho, 12(4), pp. 482-494. https://doi.org/10.20396/labore.v12i4.8654239.

Sperandio, A. M. G., Rosa, A. A. C., & Carvalho, B. G. (2017). Reverberação Política e Educativa para Cidade Saudável. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 17 (2), p. 26. DOI 10.5935/cadernosarquitetura.v17n2p26-51.

Streck, D. R. (2016). Metodologias participativas de pesquisa e educação popular: reflexões sobre critérios de qualidade. Interface — Comunicação, Saúde, Educação, 20(58), 537-547. Epub March 01, 2016.https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0443.

Weiss, M. C. (2017). Os desafios a gestão das cidades: uma chamada para a ação em tempos de emergência das cidades inteligentes no Brasil. Direito da Cidade, 9 (2), pp. 788-824. [s. l.]. DOI: 10.12957/rdc.2017.27493.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Sperandio, A. M. G., Bloes, R. B., & Lin, P. S. L. (2019). Evidências de métodos participativos para o planejamento urbano da cidade saudável. Labor E Engenho, 13, e019024. https://doi.org/10.20396/labore.v13i0.8657594
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)