Dinâmica do uso e ocupação da terra na bacia hidrográfica do Rio Fruteiras, Estado do Espírito Santo, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8659875

Palavras-chave:

Geoprocessamento, Mitigação, Impactos ambientais, Monitoramento ambiental, Planejamento territorial

Resumo

Estudos de uso e ocupação de terras são de extrema importância na mitigação e atenuação dos impactos ambientais negativos à superfície do solo. O objetivo deste trabalho foi avaliar o uso e ocupação da terra na bacia hidrográfica do Rio Fruteiras, na área rural da mesorregião Sul do Estado do Espírito Santo, como forma de subsidiar melhorias quanto ao planejamento territorial e ambiental aliado ao crescimento econômico. Os procedimentos foram executados no programa ArcGIS®, considerando um conjunto de dados geográficos. Foi delimitada a bacia para, em seguida, serem adquiridas feições de uso e ocupação acerca de dois mapeamentos: o primeiro, nos anos 2007-2008; e o segundo, de 2012 a 2015. As feições foram editadas de modo com que as classes de uso e ocupação fossem identificadas, quantificadas e mapeadas, permitindo análises quantitativas e espaciais das principais classes. A vegetação nativa apresentou os maiores percentuais. Isso significa que essas áreas são capazes de fornecer muitos serviços ecossistêmicos. A elevada presença da cafeicultura e pecuária indicam a necessidade de um manejo correto. A silvicutura do eucalipto, embora em percentuais ainda baixos, foi a classe que teve maior crescimento de área, justificado pela preferência por essa atividade em detrimento à agropecuária. A macega também representou valores expressivos, indicando um problema quanto ao planejamento das terras, pois essas áreas poderiam ser melhor aproveitadas. Tal problema também foi evidenciado no mapeamento, pois a vegetação nativa esteve parcialmente fragmentada e foi vista presença de macega ao lado da vegetação nativa. A bacia estudada possui problemas quanto ao planejamento de suas terras e o crescimento do eucalipto requer atenção especial por provocar impactos positivos e negativos. É relevante a atuação correta dos comitês de bacias hidrográficas, gestores públicos e produtores rurais, para haver um planejamento ambiental adequado associado à execução correta das atividades humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Henrique Ungarato Fiorese, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestrando em a Agroquímica - Química Ambiental (Centro de Ciências Agrárias e Engenharias) - Universidade Federal do Espirito Santo.

Referências

AMDA – Associação Mineira de Defesa do Ambiente. (2017). Mata Atlântica é hotspot mundial. Recuperado 12 de fevereiro de 2020, de https://www.amda.org.br/index.php/comunicacao/informacoes-ambientais/5229-mata-atlantica-e-hotspot-mundial

ANA – Agência Nacional de Águas. (2020). Encontre mapas interativos, conjuntos de dados geográficos, imagens de satélite e outros serviços. Recuperado 10 de março de 2020, de https://metadados.ana.gov.br/geonetwork/srv/pt/main.home

Andreoli, C. V., Andreoli, F. de N., Piccinini, C., & Sanches, A. da L. (2014). Biodiversidade: a importância da preservação ambiental para a manutenção da riqueza e equilíbrio dos ecossistemas. Recuperado 1 de março de 2020, de http://www.agrinho.com.br/site/wp-content/uploads/2014/09/28_Biodiversidade.pdf

ArcGIS. (2020). ArcGIS: software. Recuperado 10 de janeiro de 2020, de http://www.esri.com/software/arcgis/ind ex.html

Brasil. (2007). Ministério da Educação. Rochas ornamentais. Recuperado 10 de abril de 2020, de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/publica_setec_rochas.pdf

Brasil. (2010). Mata Atlântica: manual de adequação ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 96 p.

Braz, A. M.; Águas, T. De A.; Costa, K. C. & Garcia, P. H. M. (2014). Geotecnologias aplicadas ao mapeamento de uso e ocupação da terra na bacia hidrográfica do Córrego Fundo – Três Lagoas/MS 2011/12. Recuperado 20 de fevereiro de 2020, de https://www.unifal-mg.edu.br/simgeo/system/files/anexos/Adalto%20Moreira%20Braz.pdf

Davesac, A. B. (2010). O impacto das APP’s no contexto fundiário e econômico na agricultura familiar, dentro da microbacia hidrográfica da comunidade São José do Umbu, município de Victor Graeff (RS). Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão do Agronegócio). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Deus, R. M. de., & Bakonyi, S. M. C. (2012). O impacto da agricultura sobre o meio ambiente. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 7 (7), 1306-1315.

EDP. (2014). Peixes do Rio Fruteiras (bacia do Rio Itapemirim): na área de influência da PCH Fruteiras – EDP. Recuperado 25 de janeiro de 2020, de https://www.researchgate.net/publication/262934558_Peixes_do_Rio_Fruteiras_Bacia_do_rio_Itapemirim_Na_area_de_Influencia_da_PCH_Fruteiras_-_EDP

Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2015). Plantações florestais: geração de benefícios com baixo impacto ambiental. Recuperado 22 de abril de 2020, de http://acr.org.br/download/biblioteca/01.pdf

Fiorese, C. H. U., & Leite, V. R. (2018). Dinâmica do uso e cobertura do solo na sub-bacia hidrográfica do Ribeirão Estrela do Norte no município de Castelo, estado do Espírito Santo. Agrarian Academy, 5 (10), 52-65. https://doi.org/10.18677/Agrarian_Academy_2018B6

Fiorese, C. H. U., & Nascimento, W. A. R. (2019). Mapeamento do uso das terras da sub-bacia hidrográfica do Ribeirão Santo Amaro, no Sul do Estado do Espírito Santo. Enciclopédia Biosfera, 16(29), 1554-1566. https://doi.org/10.18677/EnciBio_2019A84

Firmino, R. G., & Fonseca, M. B. da. (2020). Uma visão econômica dos impactos ambientais causados pela expansão da agricultura. Recebido 4 de abril de 2020, de http://www.prac.ufpb.br/anais/xenex_xienid/x_enex/ANAIS/Area5/5CCSADFCOUT01.pdf

Florêncio, B. A. B., & Assunção, W. L. (2010). Análise do uso e ocupação das terras da bacia hidrográfica do Ribeirão Borá (MG). Caminhos de Geografia, 11 (36), 81-99.

Galharte, C. A., & Crestana, S. (2010). Avaliação do impacto ambiental da integração lavoura-pecuária: aspecto conservação ambiental no cerrado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14 (11): 1202-1209. https://doi.org/10.1590/S1415-43662010001100010

Geobases – Sistema Integrado de Bases Geoespaciais do Estado do Espírito Santo. (2020). IEMA – mapeamento ES – 2012-2015. Recebido 10 de março de 2020, de https://geobases.es.gov.br/links-para-mapes1215

Hendges, L. T., Reinher, R. C., Leichtweis, J., Fernandes, E. J., & Tones, A. R. M. (2017). Planejamento do uso do solo em bacias hidrográficas: áreas agrícolas; áreas urbanas e áreas de preservação permanente. In: XXV Seminário de Iniciação Científica / XXII Jornada de Pesquisa / XVIII Jornada de Extensão / VI Mostra de Iniciação Científica Junior / VII Seminário de Inovação e Tecnologia. Ijuí.

IJSN – Instituto Jones dos Santos Neves. (2020). Shapefiles. Recebido 11 de março de 2020, de http://www.ijsn.es.gov.br/mapas/

Lima, M. L. S., Barbosa, D. R., & Regallo, F. L. S. (2016). Identificação do uso do solo como contribuiçção para o mapeamento de risco ambiental à erosão na bacia hidrográfica do Rio Saí (Mangaratiba – RJ). Recebido 22 de fevereiro de 2020, de http://www.sinageo.org.br/2016/trabalhos/6/6-570-268.html

Louzada, F. L. R. O., Pirovani, D. B., Lougon, M. S., & Santos, A. R. dos. (2009). Caracterização do uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do Ribeirão Vala do Souza-ES. In: XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica / IX Encontro Latino Americano de Pós Graduação / III Encontro Latino Americano de Iniciação Científica Júnior. São José dos Campos, SP, Brasil.

Martins, F., & Freitas, A. R. de. (2014). Identificação das unidades de paisagem na bacia hidrográfica do Arroio dos Pereiras, em Irati-PR. Perspectiva, 38 (143), 39-49.

Menequini, R. S., & Pelissari, V. B. (2016). Aplicação de técnicas de geoprocessamento no estudo do uso e ocupação temporal do solo no município de Vila Velha/ES. Revista Científica Faesa, 12 (1), 7-11.

Ministério do Meio Ambiente. (2020). Mata Atlântica. Recebido 20 de janeiro de 2020, de https://www.mma.gov.br/biomas/mata-atl%C3%A2ntica_emdesenvolvimento

Rocha, J. V. (2020). O sistema de informações geográficas no contexto do planejamento integrado de bacias hidrográficas. Recebido 22 de fevereiro de 2020, de https://www.unicamp.br/fea/ortega/livro/c20-sigpibh-jansle.pdf

Rostoldo, J. P. (2020). Café: da subordinação ao comércio à subordinação financeira – o caso do Espírito Santo. Recebido 25 de abril de 2020, de http://www.angelfire.com/planet/anpuhes/jadir4.htm

Santos, R. C. M. (2010). Mata Atlântica: características, biodiversidade e a história de um dos biomas de maior prioridade para conservação e preservação de seus ecossistemas. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Biológicas). Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, Belo Horizonte, MG.

Santos, A. R. dos., Louzada, F. L. R. de O., & Eugênio, F. C. (2010). ArcGIS 9.3 total: aplicações para dados espaciais. 2.ed. Alegre: CAUFES. 184 p.

Schembergue, A., Cunha, D. A. da., Carlos, S. de M., Pires, M. V., & Faria, R. M. (2017). Sistemas agroflorestais como estratégia de adaptação aos desafios das mudanças climáticas no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 55 (1), 09-30. https://doi.org/10.1590/1234-56781806-94790550101

Sebusiani, H. R. V., & Bettine, S. do C. (2011). Metodologia de análise de uso e ocupação do solo em micro bacia urbana. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 7 (1), 256-285.

Silva, G. M. A. da., Fiedler, N. C., Silva, E. C., & Ramalho, A. H. C. (2020). Ocupação da terra e diagnóstico de degradação em município no Sul do Espírito Santo. Agropecuária Científica no Semiárido, 16 (1), 45-51.

Soares, M. R. G. de J., Souza, J. L. M., & Jerszurki, D. (2011). Caracterização do meio físico e formas de uso e ocupação do solo da bacia do Rio Pequeno – Paraná. Revista Ra’ e Ga, 21, 165-184. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v21i0.17402

Souza, O. T. de., Santin, M. F., & Alvim, A. M. (2007). Desenvolvimento, agropecuária e meio ambiente no Brasil: instrumentos e possibilidades de reconciliação. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 15, 57-65. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v15i0.11898

Teixeira, J. C., & Hespanhol, A. N. (2014). A trajetória da pecuária bovina brasileira. Caderno Prudentino de Geografia, 1 (36), 26-38.

Valeri, S. V., & Senô, M. A. A. F. (2020). A importância dos corredores ecológicos para a fauna e a sustentabilidade de remanescentes florestais. Recebido 7 de março de 2020, de http://www.saoluis.br/revistajuridica/arquivos/005.pdf

Vital, M. H. F. (2007). Impacto ambiental de florestas de eucalipto. Revista do BNDES, 14 (28), 235-276.

Zaú, A. S. (1998). Fragmentação da Mata Atlântica: aspectos teóricos. Floresta e Ambiente, 5 (1), 160-170.

Downloads

Publicado

2021-06-29

Como Citar

FIORESE, C. H. U. . Dinâmica do uso e ocupação da terra na bacia hidrográfica do Rio Fruteiras, Estado do Espírito Santo, Brasil. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 15, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.20396/labore.v15i00.8659875. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8659875. Acesso em: 17 set. 2021.