Banner Portal
A forma-cídio e suas articulações morfológicas sob o ponto de vista da enunciação
PDF

Palavras-chave

Enunciação
Formas “x-cídio”
Articulações linguísticas.

Como Citar

DIAS, Thalita Nogueira. A forma-cídio e suas articulações morfológicas sob o ponto de vista da enunciação . Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 44, p. 57–77, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i44.8657787. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8657787. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Este artigo desenvolve um estudo semântico da forma -cídio, advindo do latim “cid/um” (ação de quem mata ou o seu resultado). Estudamos as articulações morfológicas “x-cídio” homicídio, infanticídio, suicídio, feminicídio, generocídio, lesbocídio, sincericídio, politicídio, encontradas em sites da web. Analisamos essas construções pela perspectiva dos conceitos teóricos da semântica da enunciação formulados por Dias (2018). Os resultados da análise demonstram que as construções "x-cídio" adquirem relevância como morte provocada, com diferentes direcionamentos de sentidos e motivadas por fatores sociais, jurídicos e políticos, ideologicamente determinados.

https://doi.org/10.20396/lil.v0i44.8657787
PDF

Referências

ALMEIDA, M. L. L. de; ANDRADE, K. E; GONÇALVES, C. A. (2010). “Se a macumba é para o bem, então é boacumba: análise morfoprosódica e semântico-cognitiva das substituições sublexicais em português”. In: Revista Linguística, v. 6, n.2, p. 1-16. Rio de Janeiro.

BALLY, C. (1947). Linguistique général et linguistique française. 4. ed. Berne: Éditions A. Francke, 1965.

BENVENISTE, E. (1966). Problemas de linguística geral I. Campinas: Pontes, 1988. BENVENISTE, E. (1974). Problemas de Linguística Geral II. Campinas: Pontes, 1989.

BYBEE, J. (2010). Language, usage and cognition. New York: Cambridge Universety Press.

CARVALHO, M. A. (2018). 2 de cada 3 feminicídios são na casa da vítima. Disponível em: https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/20180302-45426-spo-13-mrta13-not/tela/fullscreen . Acesso em: 15/03/19.

CATRACA LIVRE, (2018). Thalita Carauta, a Gorete de ‘Segundo Sol. Disponível em: https://catracalivre.com.br/cidadania/thalitacarauta-a-gorete-de-segundo-sol-se-assume-lesbica/ . Acesso em: 15/03/19.

DIAS, L. F. (2013). “Formações nominais designativas da língua do Brasil: uma abordagem enunciativa”. In: Letras, v. 23, n. 46, p. 11-22. Santa Maria: UFSM.

DIAS, L. F.; SILVA, E. E. R. R. da. (2015 a). “Formas nominais designativas na constituição do perfil feminino: uma abordagem enunciativa”. In: Revista (Con) Textos Linguísticos, v.9, p. 149-161. Vitória: UFES.

DIAS, L. F.; SILVA, E. E. R. R. (2015b). “Sentido e enunciação: a atualidade do conceito de acontecimento na semântica”. In: Estudos da Língua(gem), v.13, p. 229 - 248.Vitória da Conquista: UESB.

DIAS, L. F.; SILVA, E. E. R. R. (2016). “Nomes de cidades de Mato Grosso: uma abordagem enunciativa”. In: KARIM, T. M.; DI RENZO, A. M.; BRESSANIN, J. A.; KARIM, J. M. (orgs.) Atlas dos nomes que dizem histórias das cidades brasileiras: um estudo semântico-enunciativo do Mato Grosso (Fase I). Campinas: Pontes, p. 33-49.

DIAS, L. F.; ZATTAR, N. (2017). “O funcionamento do vocativo: uma abordagem da enunciação”. In: Domínios de lingu@gem, v. 11, n. 4, p. 1136-1151. Uberlândia: UFU.

DIAS, L. F.; ZATTAR, N. (2018). Enunciação e relações linguísticas. Campinas: Pontes, 2018.

DIAS, L. F.; ZATTAR, N. (2018b). “Da composição nominal a formação nominal: forma linguística e enunciação”. In: AGUSTINI, C. RODRIGUÊS, E. (orgs). Uma vida pela linguagem: homenagem a Émile Benveniste. Campinas: Pontes, p. 247-266.

DUCROT, O. (1981). Provar e dizer: linguagem e lógica. São Paulo: Global.

DUCROT, O. (1984). “Enunciação”. In: Enciclopédia Einaudi: linguagemenunciação, v.2, p. 368-393. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

FERNANDES, A. Nas redes sociais, reforma da Previdência provoca polêmica. (2019). Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,nas-redes-sociaisreforma-da-previdencia-provoca-polemica,70002735115 . Acesso em: 05/04/19.

G1. (2018). Ataque na Catedral: atirador planejava chacina desde 2008 e treinava com a arma em casa. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/campinasregiao/noticia/2018/12/21/ataque-na-catedral-trecho-de-diario-mostraque-atirador-que-matou-5-previa-crime-desde-2008.ghtml. Acesso em: 24/02/19.

GONÇALVES, C. A. (2016). Atuais tendências em formação de palavras. São Paulo: Contexto. GUIMARÃES, E. J. (2005). Semântica do acontecimento. Campinas: Pontes, 2° ed.

O ESTADO DE S. PAULO, (2016). Assassino estuprou sobrinha-neta de Sarney. Disponível em: https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/20161124-44963-nac-19-mrta20-not/tela/fullscreen . Acesso em: 15/03/19.

O ESTADO DE S. PAULO, (2018). Professor do PR é denunciado por feminicídio Disponível em: https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/20180807-45584-spo-15-mrta15-not/tela/fullscreen . Acesso em: 15/03/19.

O POVO, (2017). Decisão do Supremo pressiona políticos. Disponível em: https://www.opovo.com.br/jornal/politica/2017/03/decisao-dosupremo-pressiona-politicos.html . Acesso em: 05/04/19.

REZENDE, P. (2018). Mãe acusada de matar bebê e esconder corpo por 5 anos tem júri popular marcado, em Goiânia. Disponível em: https://g1.globo.com/go/goias/noticia/mae-acusada-de-matarbebe-e-esconder-corpo-por-5-anos-tem-juri-popular-marcado-emgoiania.ghtml . Acesso em: 24/02/19.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.