MPL e MBL

a avenida paulista e o movimento antes de P e B – uma reflexão sobre a formação algorítmica

Palavras-chave: AAD-69, Formações algorítmicas, MBL

Resumo

Este artigo, filiado à teoria da Análise de Discurso, analisa duas imagens da ocupação da Avenida Paulista: a primeira, em 2013, pelo Movimento Passe Livre (MPL), e a segunda, em 2016, pelo Movimento Brasil Livre (MBL). Para essa análise, mobilizaremos alguns conceitos do campo da AD, como formação discursiva, memória discursiva, memória metálica, imagem, memória digital, para avançarmos teórica e analiticamente sobre aquilo que Dias (2011) nos explica ao afirmar que a cidade é modificada pelo digital. Para tal, mobilizaremos também a noção de condições de produção, trazida por Pêcheux em seu livro AAD-69, e que é essencial para pensarmos as questões aqui colocadas em jogo. Quando pensamos, hoje, em como o autor já se debruçava em interrogações que envolviam o discurso digital, acreditamos olhar para tais questões na tentativa de criar novos dispositivos de análise que auxiliem na compreensão dos avanços alcançados na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Ferragut , Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BUCCI, E. (2016) A forma bruta dos protestos – Das manifestações de 2013 à queda de Dilma Rousseff em 2016. São Paulo: Companhia das Letras.

COSTA, G. C. (2014). Uma imagem e suas discursividades: memória, sujeito e interpretação. Revista Línguas e Instrumentos Linguísticos, 101 - 113. Disponível em: http://www.revistalinguas.com/edicao34/artigo6.pdf. Acesso em: 22 de junho de 2019.

D’ALESSIO, V.; SOUKEF, A.; ALBARELLO, E. (2002). Avenida Paulista: a síntese da metrópole. São Paulo: Dileto Latin American Documentary.

DIAS, C. P. (2018). Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes. DIAS, C. P. (2011). e-Urbano: a forma material do eletrônico. In: Dias, C. (Org.) E-urbano [online]. Campinas: Labeurb-Nudecri/Unicamp. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/pdf/eurbano2.pdf. Acesso em: 17 de janeiro de 2019.

ESTADO DE SÃO PAULO, O. (2016). Maior manifestação da história doo País aumenta pressão por saída de Dilma. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,manifestacoes-em-todosos-estados-superam-as-de-marco-do-ano-passado,10000021047. Acesso em: 13 de janeiro de 2019.

FERRAGUT, G. (2018). Sentidos em circulação pelo digital: Justiça e Polícia e seus efeitos na sociedade. Dissertação. Mestrado em Divulgação Científica e Cultural. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

FRÚGOLI JR., H. (2000). Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Cortez Editora da Universidade de São Paulo.

GONZATTO, M. (2015). Quem são os articuladores nacionais dos protestos contra Dilma. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/03/quem-sao-osarticuladores-nacionais-do-protesto-contra-dilma4718377.html#showNoticia=bWo0Nm82eGM5MTkxMDUyNjY0MDM5ODA5MDI0fCpRNjE3NTAxMjAwNDc0MTc0NjU5NiFYRjU3 NzA3MDM5ODY5ODIxMjU1NjgxamwyXn4vSHNocT0tKF0saUU. Acesso em: 10 janeiro de 2019.

HOMEM, M. C. N. (1996). O palacete paulistano e outras formas urbanas de morar da elite cafeeira: 1867-1918. São Paulo: Martins Fontes.

KATO, D. S.; MARTINS, L. A. C. P. (2016). A “sociologia das plantas”: Arthur George Tansley e o conceito de ecossistema (1935). Filosofia e História da Biologia, São Paulo, v.11, n.2, p. 189-202, 2016. Disponível em: http://docplayer.com.br/49855623-Asociologia-de-plantas-arthurgeorge-tansley-e-o-conceito-de-ecossistema-1935.html . Acesso em: 15 de janeiro de 2019.

MATOSO, R. (2015). Redes, cibernética e neuropoder: breve estudo do contexto cibernético actual. Lisboa. Disponível em: https://www.academia.edu/11837553/Redes_Cibern%C3%A9tica_e_ Neuropoder__breve_estudo_do_contexto_cibern%C3%A9tico_actual . Acesso em: 15 de fevereiro 2019.

ORLANDI, E. P. (2012). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes Editores. PARISER, E. (2012). O Filtro Invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

PASSE LIVRE SÃO PAULO. (2011). Sobre o MPL. Disponível em: https://www.facebook.com/pg/MovimentoPasseLivrempl/about/?ref =page_internal. Acesso em: 01 de fevereiro de 2019.

PÊCHEUX, M. (2014). Análise Automática do Discurso [1969]. In: GADET, F. & HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp.

PÊCHEUX, M. (2015). Papel da memória. In: Papel da memória. Campinas: Pontes.

SPILK, F. R.; NAIME, R. (2012). O padrão da (des)ordem da natureza. Novo Hamburgo: Universidade Feevale. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/299397506_O_padrao_da_d esordem_da_naturez Acesso em: 05 de fevereiro de 2017.

TURNER, F. (2006). From Counterculture to Cyberculture. Chicago e Londres: The University of Chicago Press.

TOLEDO, B. L. de. (1987). Albúm Iconográfico da Avenida Paulista. São Paulo: Ex Libris.

Publicado
2019-12-09
Como Citar
Ferragut , G. (2019). MPL e MBL. Línguas E Instrumentos Línguísticos, (44), 112-134. https://doi.org/10.20396/lil.v44i0.8657789
Seção
Artigo