Quando a língua é paterna

a metáfora do pai para nomear o latim na Antiguidade

Autores

  • José Edicarlos de Aquino Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v23i46.8659716

Palavras-chave:

Antiguidade, Latim, patria lingua, patrius sermo, nome da língua

Resumo

O objetivo do presente ensaio é de analisar, no conjunto das expressões que são empregadas na Antiguidade para nomear as línguas, os sentidos construídos em torno das expressões sermo patrius e patria lingua, indagando sobre a metáfora do pai para nomear a língua latina na Antiguidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Edicarlos de Aquino, Universidade Federal do Tocantins

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Federal do Tocantins.

Referências

AUROUX, Sylvain. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da UNICAMP.

BATANY, Jean. (1982). L’amère maternité du français medieval. Langue Française, Paris, v. 54, n. 1. p. 29-39.

BENVENISTE, Émile. (1995). O vocabulário das instituições indo-europeias. Campinas: UNICAMP, v. 2.

CHANTRAINE, P. (1937). Quelques emprunts du grec au latin. Revue des Études Latines, Paris, n. 15, p. 88-91.

COLOMBAT, Bernard; FOURNIER, Jean-Marie; PUECH, Christian. (2017). Uma história das ideias linguísticas. São Paulo : Contexto.

DUBUISSON, Michel. (2004). Le pouvoir et la langue: le cas du latin classique. Cahiers de l’ILSL, n. 17, p. 33-43. ________. (1981). Utraque lingua. AC, n. 50, p. 274-286.

EINHARD. (1880). The Life of Charlemagne. Trad. Samuel Epes Turner. New York: Harper & Brothers.

GABBA, Emilio. (2000). Il latino come dialetto greco. In: Roma arcaica: storia e storiografia. Roma, Edizioni di Storia e Letteratura, p. 159-164.

GRONDEUX, Anne. (2008). La notion de langue maternelle et son apparition au Moyen Age. In: VON MOOS, Peter (Éd.). Zwischen Babel und Pfingsten / Entre Babel et Pentecôte. Zurich : Berlin : Lit Verlag, p. 339-356

ORLANDI, Eni P. (2002). Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias linguísticas no Brasil. São Paulo: Cortez.

OVÍDIO. (1936). Les Métamorphoses. Trad. J. Chamonard. Paris : Librairie Garnier Frères,.

__________. (2000). Le metamorfosi. Trad. Guido Paduano. Torino: Giulio Einaudi editore.

ROCHETTE, Bruno. (2009). Les noms de la langue en latin. Histoire Epistémologie Langage, v. 31, n. 2, p. 29-48.

TOMBEUR, Paul. (2005). Maternitas dans la tradition latine. CLIO. Histoire, femmes et sociétés, Toulouse, n. 21, p. 1-6.

VEYNE, Paul (Org.). (2009). História da vida privada: do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras.

WOLFF, Philipee. (1970). Les origins linguistiques de l’Europe occidentale. Paris : Hachette.

Downloads

Publicado

2020-11-03

Como Citar

AQUINO, J. E. de . . Quando a língua é paterna: a metáfora do pai para nomear o latim na Antiguidade. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 23, n. 46, p. 224-247, 2020. DOI: 10.20396/lil.v23i46.8659716. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8659716. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Crônicas e Controvérsias