A crise pandêmica e a noção de empreendedorismo no discurso publicitário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i47.8660936

Palavras-chave:

Discurso, Bradesco, Empreendedorismo

Resumo

Com base na Análise do Discurso de linha francesa, na esteira de teóricos como Pêcheux, Foucault e Courtine, o artigo objetiva investigar a noção de empreendedorismo materializada na campanha publicitária “Aguente firme para reinventar o futuro”, do Banco Bradesco. Sabemos que a mídia, através do dizer publicitário, promove sentidos. E nesta crise sanitária com consequências no setor econômico, o discurso aparece com o objetivo de dialogar diretamente com um público – o empreendedor. Observamos que a articulação de elementos constituídos nesta peça publicitária emoldura os efeitos que a empresa propõe recriar na instância social. Tais elementos funcionam como dispositivos disciplinares para gerar lucro. Há uma proposta de recriar um sentido de resiliência, companheirismo e motivação, a fim de que este empreendedor sinta-se representado por uma empresa que pensa no futuro. Com estas tecnologias disciplinares que se aproximam de um poder pastoral, a empresa propõe docilizar os sujeitos e torná-los corpos úteis.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edjane Gomes de Assis, Universidade Estadual da Paraíba

Doutora em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora do Departamento de Língua Portuguesa e Linguística (DLPL) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

BOTERO, M. (2020). Mais de 600 mil pequenas empresas fecharam as portas com coronavírus. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/04/09/mais-de-600-mil-pequenas-empresas-fecharam-as-portas-com-coronavirus. Acesso em: 6 de julho de 2020.

BRADESCO. (2020). Aguente firme e Reinvente o futuro. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=CIytl3hlOzs. Acesso em 7 de julho de 2020.

CHARAUDEAU, P. (2006). O discurso das mídias. Trad.: Angela S. M. Corrêa. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto.

COURTINE, J. J. (2013). Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis, RJ: Vozes.

FOUCAULT, M. (1995). Sujeito e poder. In: DREYFUS, H. & RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad.: Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. (2000) A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad.: Laura Fraga de Almeida Sampaio. 6ed. São Paulo: Edições Loyola.

FOUCAULT, M. (2005). Microfísica do poder. 21. ed. Organização e Trad.: Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, M. (2008). Segurança, Território, População. Trad.: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes.

GUIMARÃES, L. (2003). As cores na mídia: a organização da cor-informação no jornalismo. - São Paulo: Annablume.

PÊCHEUX, M. (1997). Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (Orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad.: Bethania S. Mariani (et al). 3ed. Campinas: Editora da Unicamp.

PORTAL G1. (2020). Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/08/19/casos-e-mortes-por-coronavirus-no-brasil-em-19-de-agosto-segundo-consorcio-de-veiculos-de-imprensa.ghtml

ROSA, Bruno. (2012). Propaganda do azeite Gallo está na mira do Conar. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/propaganda-do-azeite-gallo-esta-na-mira-do-conar-4106382. Acesso em: 10 de agosto de 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

ASSIS, E. G. de . A crise pandêmica e a noção de empreendedorismo no discurso publicitário. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, p. 210–234, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i47.8660936. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8660936. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigo