Entre o nomear e o escutar

a depressão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661574

Palavras-chave:

Discurso, Depressão, Léxico

Resumo

Como pensar, na historicidade da palavra, a discursividade do mal-estar que assola as pessoas em nosso tempo, cujo o nome é depressão? O que podemos escutar quando interrogamos, no funcionamento linguístico ordinário, os discursos e fenômenos de classificação e de revisão das doenças? Essas duas questões me incitam a pensar, como lugar de análise, a palavra depressão, levando em consideração o caráter heurístico, material e subjetivo dessa formulação que se dá em condições de produção e circunstâncias de enunciação específicas, em nossa sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Barbai, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BARBAI, M. A. “Memória, esquecimento, ressentimento: a nomeação nos sistemas políticos”. (Inédito).
FINGERMANN, D.; KHEL, M. R. (2009). “O sujeito, o inconsciente e o tempo: entrevista com Colette Soler”. In: A PESTE: Revista de Psicanálise e Sociedade e Filosofia, v. 1, n. 1.
FOUCAULT, M. (2002). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Trad. de ME Galvão. São Paulo: Martins Fontes.
GUILHAUMOU, J.; MALDIDIER, D.; ROBIN, R. (1994). Discours et archive: expérimentations en analyse du discours. Liège: Editions Mardaga.
QUINET, A. (2006). Psicose e laço social. Rio de Janeiro: Zahar.
LACAN, J. (1992). O seminário, livro 17: O avesso da psicanálise, 1969-1970. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. _________. (2008). O Mito Individual do Neurótico. Trad. Claudia Berliner. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. __________. (2008). O seminário, livro 16. De um Outro ao outro. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
ORLANDI, E. P. (1996). Interpretação: autoria leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Vozes. ___________. (2010). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: RG Editora. ___________. (2012). “Sentidos em fuga: Efeitos da polissemia e do silêncio”. In: CARROZZA, G.; SANTOS, M.; SILVA, T. D. Sujeito, Sociedade e Sentido. Campinas: RG, p. 1-15. ___________. (2013). “A palavra dança e o mundo roda: Polícia!”. In:
GUIMARÃES, E. Cidade, Linguagem e Tecnologia: 20 Anos de História. Campinas: Labeurb. p.13-30. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/labeurb20anos/index.php ___________. (2014). “Parkour: corpo e espaço reescrevem o sujeito”. In: Línguas e instrumentos linguísticos, n. 34. jul-dez, p. 75-87. Campinas.
ROUDINESCO, E. (2006). A análise e o arquivo. Rio de Janeiro: Zahar.
SOLER, C. (2010). “O corpo falante”. In: Caderno de Stylus, v. 1, p.52-63. Rio de Janeiro: EPFCL. __________. (2013). “A oferta, a demanda e... a resposta”. Caderno de Stylus, n. 26, p. 15-28. Rio de Janeiro: EPFCL.

Downloads

Publicado

2020-11-06

Como Citar

BARBAI, M. Entre o nomear e o escutar: a depressão. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661574. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661574. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigo