Banner Portal
Orações conformativas em foco
PDF

Palavras-chave

Conexão de orações
Hipotaxe
Conformidade

Como Citar

ROSÁRIO, Ivo da Costa do; PINTO, Myllena Paiva. Orações conformativas em foco: uma análise centrada no uso. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, n. 42, 2020. DOI: 10.20396/lil.v42i42.8661576. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661576. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

Com base em Abreu (1997) e em Hopper e Traugott (1997), o objetivo deste trabalho é apresentar uma análise do grau de integração das orações conformativas, tradicionalmente reconhecidas como estruturas de subordinação adverbial. As parcas informações sobre o tema indicam a necessidade de uma análise mais detalhada sobre o assunto. À luz da Linguística Funcional Centrada no Uso, um conjunto de fatores formais foi utilizado para a análise das orações conformativas, com base em dados do português brasileiro sincrônico. Atestamos que essas orações apresentam mais traços de parataxe do que de hipotaxe. Assim, concluímos que as orações conformativas são impropriamente alocadas no campo da subordinação adverbial, como tem defendido a tradição gramatical.

https://doi.org/10.20396/lil.v42i42.8661576
PDF

Referências

ABREU, A. S. (1997). “Coordenação e subordinação: uma proposta de descrição gramatical”. In: Alfa, n. 41, p. 13-37. São Paulo.
ALMEIDA, N. M. (1964). Gramática Metódica da Língua Portuguesa. 32. ed. São Paulo: Saraiva.
BARRETO, T. (1999). Gramaticalização das Conjunções na História do Português. Tese. Doutorado em Linguística. Salvador: Universidade Federal da Bahia.
BECHARA, E. (2009). Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. atual. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Lucerna.
BEZERRA, R. (2010). Nova Gramática da Língua Portuguesa para Concursos. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método.
BYBEE, Joan (2003). “Mechanisms of change in grammaticization: the role of frequency”. In: JOSEPH, B. D.; JANDA, R. D. In: The handbook of historical linguistics. Malden: Blackwell Publishing, p.624-647.
CAMACHO, R. G. (2011). “A classe de palavras na perspectiva funcional”. In: ______. (Org.) Classe de Palavras na Perspectiva da Gramática Discursivo-Funcional: o papel da nominalização no continuum categorial. São Paulo: Editora da Unesp, p.29-51.
CARVALHO, C. S. (2004). “Processos sintáticos de articulação de orações: algumas abordagens funcionalistas”. In: Veredas, v. 8, n. 1 e n. 2, p.9-27.
CIPRO NETO, P.; INFANTE, U. (1998). Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Scipione.
CROFT, W. (1990). Typology and Universals. Cambrigde, United Kingdon: CUP.
CUNHA, M. A. F.; BISPO, E. B.; SILVA, J. R. (2013). “Linguística funcional centrada no uso: conceitos básicos e categorias analíticas”.
In: CEZARIO, M. M; CUNHA, M. A. F. (Orgs.). Linguística centrada no uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad X, FAPERJ, p.13-39.
CUNHA, M. A. F.; TAVARES, M. A. (2007). “Linguística funcional e ensino de gramática”. In: CUNHA, M. A. F.; TAVARES, M. A. Funcionalismo e ensino de gramática. Natal: Editora da UFRN, p.13-51.
DIK, S. (1989). The Theory of Functional Grammar. Dordrecht: Foris.
GIVÓN, T. (1984). Syntax: a functional-typological introduction. Amsterdam: John Benjamins, 2 v.
HAIMAN, J.; THOMPSON, S. A. (1984). “Subordination in universal grammar”. In: Annual Meeting of Berkeley Linguistics Society. 10. Berkeley: Berkeley Linguistics Society.
HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. (1997). Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press.
HOUAISS, A. (2016). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1CD.
KURY, A. G. (1978). Gramática Fundamental da Língua Portuguesa. São Paulo: LISA.
LUFT, C. P. (1988). Gramática Resumida: explicação da Nomenclatura Gramatical Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Globo.
MARTELOTTA, M. E. (2011). Mudança Linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez.
MARTINO, A.; LENZA, P. (2013). Português Esquematizado: gramática, interpretação de texto, redação oficial, redação discursiva. 2. ed. rev. São Paulo: Saraiva.
MATEUS, M. H. M. et al. (2003). Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho.
NEVES, M. H. M. (2011). Gramática de Usos do Português. 2. ed. atual. São Paulo: Unesp.
OLIVEIRA, Mariangela Rios; VOTRE, Sebastião Josué (2009). “A trajetória das concepções de discurso e de gramática na perspectiva funcionalista”. In: Matraga, v. 16, Rio de Janeiro, n. 24, p. 97-114.
PASCOALE, C. N.; INFANTE, U. (1998). Gramática de Língua Portuguesa. São Paulo: Scipione.
ROCHA LIMA, C. H. (1972). Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora.
ROSÁRIO, I. C. (2007). Aspectos sintáticos e semânticos do como na linguagem padrão contemporânea. Dissertação. Mestrado em Letras Vernáculas (Língua Portuguesa). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. _____ (2012). Construções Correlatas Aditivas em Perspectiva Funcional. Tese. Doutorado em Letras. Niterói - RJ: Universidade Federal Fluminense. _____ (2016). “Reflexões sobre o critério da (in)dependência no âmbito da integração de orações”. In: Línguas & Letras, v. 17, n. 35, p.252-272. _____; OLIVEIRA, M. R. (2016). “Funcionalismo e Abordagem Construcional da Gramática”. In: Alfa, São Paulo, 60 (2), p.233-259.
TAYLOR, J. R. (1995). Linguistic Categorization. 2. ed. Oxford: Oxford University Press. TROUSDALE, G. (2008). “Words and constructions in grammaticalization: The end of the English impersonal construction”.
In: FITZMAURICE, S. M.; MINKOVA, D. (Orgs.). Studies in the History of the English Language IV. Berlin, New York (Mouton de Gruyter), p.301-326.
WIEDEMER, M. L.; ROSÁRIO, I. C. (2014). “Língua em uso: gramática, discurso e construções”. In: Revista Soletras, n. 28, p.1-11.
Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.