Banner Portal
Glossário jurídico em Libras
PDF

Palavras-chave

Episódio cinematográfico
Glossário jurídico
Libras

Como Citar

OUEDRAOGO, E. O. G.; RODRIGUES, E. G.; OUEDRAOGO, A. Glossário jurídico em Libras: sinal, discurso e linguagem cinematográfica. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 23, n. 46, p. 200–223, 2020. DOI: 10.20396/lil.v23i46.8661635. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8661635. Acesso em: 2 mar. 2024.

Resumo

Este trabalho apresenta uma pesquisa, realizada no âmbito da Educação de Surdos, sobre a elaboração de um glossário de termos jurídicos em Língua brasileira de sinais (Libras), com apoio de narrativas audiovisuais. Tem como foco discutir a importância de contextualizar sinais-termo jurídicos por meio de episódios cinematográficos. O processo teórico-metodológico fundamentou-se na perspectiva discursiva bakhtiniana e no uso de dados visuais. Ao final, foram produzidos um glossário com setenta e quatro sinais-termo, vídeos explicativos de três sinais e dois episódios cinematográficos. A participação dos professores surdos na seleção de sinais e na elaboração e avaliação dos episódios insere o grupo em uma nova forma de enunciado que inclui a linguagem audiovisual.

https://doi.org/10.20396/lil.v23i46.8661635
PDF

Referências

BAKHTIN, M (V.N. Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lauch e Iara Frateschi Vieira. São Paulo: Editora Huritec, 1992.

BANKS, M. Dados visuais para pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BAUER, M. W.; GASKEL, G. Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som. Petrópoles, RJ: Vozes, 2007.

BERNARDINO, E. L. A. O uso de classificadores na língua de sinais brasileira. In: ReVEL, n. 19, v. 10, 2012. p. 250-280. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/6ecf02602b4f746097e5749734cfd433.pdf. Acesso em: 21de julho de 2019.

BRASIL, Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Brasília, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm. Acesso em: 10 de novembro de 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 10 de novembro de 2019.

CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguais e desconectados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

DUARTE, R. Cinema&Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FELIPE, T. A. Libras em contexto: Curso básico: Livro do estudante. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2004.

FELTEN, E. F. Glossário sistêmico bilíngue Português-Libras de termos da história do Brasil. Dissertação. Mestrado em Linguística. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

GUTIERREZ, E. O. A visualidade dos sujeitos surdos no contexto da educação audiovisual. Dissertação. Mestrado em Educação. Brasília: Universidade de Brasília, 2011.

GUTIERREZ, E. O. Audiovisual produzido por jovens surdos: um roteiro de inclusão e acessibilidade. In: Revista Educação Especial, v. 32, e42, 2019. p.1-17.Disponível em: doi:https://doi.org/10.5902/1984686X30794.

KRACAUER, S. Theory of film: la rendemption of phisical reality. New York : Oxdord University Press, 1960.

LEITE, T. A. A segmentação da língua de sinais brasileira (libras): um estudo linguístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. Tese. Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, J. S. Análise descritiva da estrutura querológica de unidades terminológicas do glossário Letras-Libras. Tese. Doutorado em Estudos da Tradução. Florianópolis : Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

OUEDRAOGO. A. Les nouveaux formats sonores dans le champ de l´esthétique du cinéma. Tese. Doutorado em Estética do Cinema. Toulouse: Universidade de Toulouse II da França, 2013.

QUADROS, R. M. e KARNOPP, L. B. Língua de Sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SILVA, O. B. S. Dicionário: uma abordagem discursiva. Dissertação. Mestrado em Literatura e Crítica Literária. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2019.

STAM, R. Bakhtin da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Editora Ática, 1992.

TUXI, P. Proposta de organização de verbete em glossários terminológicos bilíngues: língua brasileira de sinais e língua portuguesa. In: Cad. Trad. Florianópolis, número especial, v. 35, p. 557-588, Santa Catarina: DLLE, 2015.

VALE, L. M. A importância da terminologia para atuação do tradutor e intérprete de língua de sinais brasileira: proposta de glossário de sinais-termo do processo judicial eletrônico. Dissertação. Mestrado em Estudos da Tradução. Brasília: Universidade de Brasília, 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes. 4. Ed., 1991.

WALLON, H. De quelques problèmes psycho-physioloque que pose le cinéma. Revue Internationale de Filmologie, n.1, v. 1, p.15-18, Paris, 1947.

WILCOX, S. et al. Multimedia dictionary of American Sign Language. New York, USA, 1994. Disponível em: https://dl.acm.org/citation.cfm?id=191031. Acesso em: 15 de dezembro de 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.