Em nome da (in)felicidade

como saberes da língua portuguesa comparecem em materiais didáticos para surdos na década de 1950

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i47.8664219

Palavras-chave:

História das ideias linguísticas, Análise de discurso materialista, Oralização de surdos

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar três materiais didáticos de ensino de língua portuguesa para surdos produzidos pela educadora Ana Rímoli Dória, na década de 1950. Na análise dos trechos recortados das três obras, uma relação foi sendo paulatinamente construída, a saber, a felicidade do sujeito surdo estar atrelada à sua oralização. Considerado “naturalmente” infeliz, esse sujeito deveria ter acesso a um saber específico sobre a língua portuguesa, língua de modalidade oral auditiva e, porquanto, língua cuja materialidade fugiria à apreensão do sujeito surdo. Outras supostas formas de aprender essa língua foram organizadas e formalizadas sob os auspícios dos saberes sonoros dessa língua. Nossas análises, filiadas à articulação entre História das Ideias Linguísticas e Análise de Discurso materialista, buscaram compreender os modos como essa relação entre felicidade e oralização foram produzidos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Corrêa Ferreira Baalbaki, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF). É Professora Adjunta do Departamento de Estudos da Linguagem e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). 

Vanessa Gomes Teixeira Anachoreta, Universidade do Porto

Doutora em Ciências da Linguagem pela Faculdade de Letras da Universidade de Porto.

Referências

ASSIS SILVA, C. A. (2012). Cultura surda: agentes religiosos e a construção de uma identidade. São Paulo: Terceiro Nome.

ATAS: Congresso de Milão [de] 1880. (2011). Rio de Janeiro: INES. (Série Histórica do Instituto Nacional de Educação de Surdos, 2).

AUROUX, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, SP: Ed. Unicamp.

BACELLAR, A. O. (1926). A surdo mudez no Brasil. Tese (Doutorado em Medicina) - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo.

BRASIL. (1956). Decreto 38.738 de 30 de janeiro de 1956. Aprova o novo Regimento do Instituto, proposto pela Diretora Ana Rímoli. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-38738-30-janeiro-1956-338682-publicacaooriginal-1-pe.html

BRASIL. (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais.. Lei, Brasília, DF.

DELA-SILVA, S. C.; DIAS, J.P. (2015). “Felicidade, um arquivo. Sobre a noção de arquivo e o seu funcionamento no discurso da/na mídia”. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L.; MITTMANN, S. (Org.). Análise do discurso: dos fundamentos aos desdobramentos (30 anos de Michel Pêcheux). Campinas-SP: Mercado de Letras, v. 1, p. 123-136.

DÓRIA, A. R. (1954). Compêndio da educação da criança surda-muda. Rio de Janeiro: MEC / INSM.

DÓRIA, A. R. (1957). Introdução à didática da fala. Rio de Janeiro: MEC / INSM.

DÓRIA, A. R. (1958). Ensino oro-audio-visual para os deficientes da audição. Rio de Janeiro: MEC / INSM.

FOUCAULT, M. (2010). Os Anormais. Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes.

GUIMARÃES, E. (2004). História da Semântica. Campinas: Pontes.

LUNKES, F. L.; DELA-SILVA, S. C. (2019). “O discurso midiático e o sujeito (feliz) na atualidade”. In: SOARES, A. S.; SCHERER, A.; MARIANI, B.; CAMPOS, L. J. (Org.). Discurso, interlocuções e.... Caxias do Sul: Educs, v. 1, p. 91-110.

MARIANI, B.; LUNKES, F. L. (2013). A felicidade (necessária) no/do Rio de Janeiro: a produção de imaginários sobre o espaço urbano e sobre o sujeito carioca. Signo Y Seña, v. 1, p. 35-55.

MARIANI, B.; MAGALHÃES, B. (2011). “Eu quero ser feliz. O sujeito, seus desejos e a ideologia”. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; LEANDRO-FERREIRA, B. C. (Orgs.). Memória e história na/da análise do discurso. Campinas-SP: Mercado de Letras, p. 125-141.

NUNES, J. H. (2008). Uma articulação da análise de discurso com a história das ideias linguísticas. Letras (UFSM), 18, p. 107-124.

ORLANDI, E. (1997). Língua nacional e saber metalinguístico: um projeto singular. Relatos, 5, 5-6.

ORLANDI, E. (2001). Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. (2013). Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 2ªed. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. (1997 [1969]). “Análise automática do discurso”. In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3.ed. Campinas: Unicamp, p.61-161.

PÊCHEUX, M. (1988, [1975]). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas. Editora da Unicamp.

PÊCHEUX, M. (2002 [1983]). O discurso: estrutura ou acontecimento. 3ed. Campinas, SP: Pontes.

ROCHA, S. M. (2008). O INES e a educação de surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos (2ª ed.). Rio de Janeiro: MEC/INES.

ROCHA, S. M. (2009). Antíteses, díades, dicotomias no jogo entre memória e apagamento presentes nas narrativas da história da educação de surdos : um olhar para o Instituto Nacional de Educação de Surdos (1856/1961). Tese de Doutorado, Rio de Janeiro.

RODRIGUES, E. G.; GONTIJO, C. M. (2017). Descentralização de surdos no Brasil e seus desdobramentos no Espírito Santo. Educação e Pesquisa. n.43, p. 229-243.

SCHERER, A. E.; PAULA M. R. B. (2002). “Memória e história das ideias: o ensino do francês no RS do fim do século XIX ao inicio do século XX”. In: ORLANDI, E.; GUIMARÃES, E. (Orgs.). Institucionalização dos estudos da linguagem: a disciplinalização das ideias Linguisticas. Campinas: Pontes.

SOARES, M. A. (1996). O Oralismo como método pedagógico Contribuição ao estudo da História da Educação do surdo no Brasil. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas.

SOARES, M. A. (2015). A educação de surdo no Brasil. Campinas: Autores Associados.

SOBRINHO, J. S. (2013). Museu da Língua Portuguesa: instrumento linguístico em tempos da ideologia do lazer. Letras, 23(46), 307-315.

WITCHS, P. H. (2018). Governamento linguístico em educação de surdos: práticas de produção do Surdus mundi no século XX. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

ZOPPI-FONTANA, M. G.; DINIZ, L. R. (2008). Declinando a língua pelas injunções do mercado: institucionalização do português língua estrangeira (PLE). Estudos Linguísticos, 37.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

BAALBAKI, A. C. F.; ANACHORETA, V. G. T. Em nome da (in)felicidade: como saberes da língua portuguesa comparecem em materiais didáticos para surdos na década de 1950. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i47.8664219. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8664219. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo