Efeitos de sentidos dos verbetes "colonizador" e "colonizadora" nos relatos sobre a colonização de Sinop

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i47.8664245

Palavras-chave:

Colonização, Discurso, Mulher

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo refletir sobre os sentidos postos em circulação a partir dos verbetes dicionarizados colonizador e colonizadora, bem como os modos como esses verbetes foram/são tomados em relação à historiografia Sinopense. Nesse sentido, ao articular a História das Ideias Linguísticas e a Análise de Discurso materialista, refletimos sobre os instrumentos linguísticos não apenas em sua função metalinguística, mas na relação com a historicidade. Assim, constatamos que a ausência da marcação do gênero feminino nos dicionários e o não-uso do termo colonizadora para designar a mulher-empreendedora atestam as assimetrias que sempre permearam as questões de gênero.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keila Rejane Warmling, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutoranda em Linguística pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT).

Silvia Regina Nunes, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT).

Referências

AULETE, Dicionário Caldas. Disponível em http://www.aulete.com.br/. Acesso em: 02 de setembro de 2019.

AURELIO, Dicionário de Português Online. Disponível em https://dicionariodoaurelio.com/. Acesso em: 02 de setembro de 2019.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Trad.: Eni Puccineli Orlandi. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992.

GAMA KURY, Minidicionário da Língua Portuguesa. Editora: FTD, 2010.

GRUPO-SINOP, Revista. “O passado nos orgulha e o futuro nos inspira”. Revista Grupo Sinop. Edição 04/2013.

HOUAISS, Antônio;VILLAR, Mario de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/C Ltda., Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

Jornal Diário de Cuiabá. Cuiabá: 13 set/1974.

Jornal Correio da Imprensa. Cuiabá: 22 set/ 1974.

LEITÃO, Eliane Vasconcellos. A mulher na língua do povo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1981.

MAGNO, Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa. (Coord.) MAIA JUNIOR, Raul; PASTOR, Nelson. São Paulo: Difusão Cultural do Livro, 1995.

MARIANI, Bethania (2003). “Políticas de colonização linguística”. In: Revista do Programa de Pós Graduação em Letras: Universidade Federal de Santa Maria, n. 27 – jul/dez 2003 (semestral), p. 73-82. Santa Maria: PPGL/UFSM.

MICHAELIS, Dicionário Online. Disponível em http://michaelis.uol.com.br/. Acesso em: 02 de setembro de 2019.

NUNES, José Horta. “Dicionário, sociedade e língua nacional: o surgimento dos dicionários monolíngues no Brasil”. In: LIMA, Ivana Stolze; CARMO, Laura do (Orgs.) História social da língua nacional. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2008.

NUNES, José Horta. “Uma articulação da Análise de Discurso com a História das Ideias Linguísticas”. In: Revista do Programa de Pós Graduação em Letras: Universidade Federal de Santa Maria, n. 37, v. 18, p. 107-124. Santa Maria: PPGL/UFSM.

NUNES, José Horta; SELIGMAN, Kátia. “Discurso lexicográfico: as reedições do dicionário de língua portuguesa de Morais”. In: ALFA: Revista de Linguística, n.1, v. 47, p. 37-51. São Paulo: Unesp, 2003.

O CRUZEIRO, Revista. Cuiabá, 23 out/1974.

OLIVEIRA, Gabriela Gilvanda de. (2016). Quando o gênero não é só uma questão de flexão: mulher, representação e discurso social. Monografia (Graduação em Letras). Universidade Estadual da Paraíba.

ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 12 ed. Campinas: Pontes, 2015.

ORLANDI, Eni P. Ler a cidade: o arquivo e a memória. In: ORLANDI, Eni Puccinelli (Org.). Para uma enciclopédia da cidade. Campinas, SP: Pontes, Labeurb/ Unicamp, 2003.

ORLANDI, Eni P. (Org.) ORLANDI, Eni. História das Ideias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001.

ORLANDI, Eni P. “Lexicografia Discursiva”. In: ALFA: Revista de Linguística, n. especial, v. 44, p. 97-114. São Paulo: Unesp, 2000.

PÊCHEUX, Michel. “Por uma análise automática do discurso”. In: GADET, F. e HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

SANTOS, Luiz Erardi. Raízes da história de Sinop. Sinop: Midiograf, 2011.

SINOP, Prefeitura Municipal de. Museu histórico de Sinop. 2020. Disponível em: http://www.sinop.mt.gov.br/museu/?page_id=37. Acesso em: 20 de agosto de 2020.

SOUZA, Pedro de. Análise do Discurso. Florianópolis: UFSC, 2011.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. “Acontecimento, arquivo, memória: às margens da lei”. In: Leitura – Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística UFAL, n. 30 – jul/dez 2002 (semestral), p. 175-205. Maceió: UFAL.

ZORZATO, Osvaldo. Conciliação e identidade: considerações sobre a historiografia de Mato Grosso (1904-1983). Tese de Doutorado. FFLCH/USP, São Paulo, 1998.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

WARMLING, K. R.; NUNES, S. R. Efeitos de sentidos dos verbetes "colonizador" e "colonizadora" nos relatos sobre a colonização de Sinop. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, p. 184–209, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i47.8664245. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8664245. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigo