Grammatica historica da lingua portugueza de Said Ali cem anos depois

considerações acerca do movimento de (res)significação de uma obra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i48.8664765

Palavras-chave:

Said Ali, Gramática histórica, Língua portuguesa, Análise de discurso materialista, Histórias das ideias linguísticas

Resumo

Neste artigo, à luz da perspectiva discursiva da História das Ideias Linguísticas, proponho-me a refletir sobre o processo de (res)significação da Grammatica Historica da Lingua Portugueza de Said Ali, ao longo dos séculos XX e XXI, em textos organizados por gestos historiográficos. O objetivo da análise é compreender um possível trajeto realizado por essa obra na (meta-)história do conhecimento linguístico-gramatical brasileiro. A investigação empreendida possibilitou observar um movimento ambíguo de interpretação dessa gramática no tocante ao seu título, às suas filiações teóricas, à sua forma material e à relação estabelecida com as demais gramáticas reagrupadas sob o nome de Said Ali.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís de Araujo da Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Estudos da Linguagem na Universidade Federal Fluminense. Professora Adjunta de Língua Portuguesa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ABREU, C. de. Correspondência de Capistrano de Abreu. Volume 1. Edição organizada e prefaciada por José Honório Rodrigues. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1977a.

ABREU, C. de. Correspondência de Capistrano de Abreu. Volume 2. Edição organizada e prefaciada por José Honório Rodrigues. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1977b.

ALI, M. S. Lexeologia do Portuguez Historico. São Paulo – Cayeiras – Rio: Companhia Melhoramentos de São Paulo (Weiszflog Irmãos incorporados), 1921.

ALI, M. S. Formação de Palavras e Syntaxe do Portuguez Historico. São Paulo – Cayeiras – Rio: Companhia Melhoramentos de São Paulo (Weiszflog Irmãos incorporados), 1923.

ALI, M. S. Grammatica Historica da Lingua Portugueza. 2ª edição melhorada e augmentada de Lexeologia do Portuguez Historico e Formação de Palavras e Syntaxe do Portuguez Historico. São Paulo – Cayeiras – Rio: Companhia Melhoramentos de São Paulo (Weiszflog Irmãos incorporados), 1931.

ALI, M. S. Grammatica Secundaria da Lingua Portugueza. São Paulo: Companhia Melhoramentos de São Paulo, s.d.

AUTHIER-REVUZ, J. Duas palavras para uma coisa: trajetos de não-coincidência. In: Universa, Brasília, v.8, nº 2, jun. de 2000.

BECHARA, E. Manuel Said Ali Ida. In: Revista Letras, vol 5/6, 1956, pp. 167-182.

BECHARA, E. Manuel Said Ali Ida. M. Said Ali e sua contribuição para a filologia portuguesa. Tese de concurso uma cátedra de Língua e Literatura do instituto de Educação do Estado da Guanabara. Rio de Janeiro, 1962, 46 págs.

BECHARA, E. Manuel Said Ali Ida. (1993) Primeiros ecos de F. de Saussure na gramaticografia de língua portuguesa. In: Revista Confluência, n. 48, 1.º semestre de 2015, pp. 9-16.

CÂMARA JR., J. M. Said Ali e a língua portuguesa (1961). In: UCHOA, C. A. F. (Org.) Dispersos. Nova ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, pp. 223-226.

CÂMARA JR., J. M. Os estudos do português no Brasil (1966). In: UCHOA, C. A. F. (Org.) Dispersos. Nova ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, pp. 231-258.

CASTELLANOS PFEIFFER, C. R.. “Obra Didática” de Frei Caneca na História das Ideias Linguísticas: configurações de um poder dizer. In: Letras, Santa Maria, v. 21, n. 42, p. 251-283, jan./jun. 2011.

COSTA, T. de A. da. Discurso gramatical brasileiro: permanências e rupturas. Campinas, SP: Pontes editores, 2019a.

COSTA, T. de A. da. Alguns apontamentos para uma história da HIL na França e no Brasil. In: Línguas e instrumentos linguísticos, Nº 44, pp. 9-34, 2019b.

COSTA, T. de A. da. Dizeres sobre Said Ali: o movimento ambíguo de significação de um autor e sua obra em textos historiográficos. In: Revista Porto das Letras, Vol. 06, Nº 5. 2020a.

COSTA, T. de A. da. O “estilo” em Câmara Jr. e Bakhtin: dizeres sobre e a partir de Saussure. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, SP, v. 62, pp. 1-24, 2020b.

DE MAURO, T. Notes. In : SAUSSURE, F. Cours de Linguistique Générale. Édition critique préparée par Tulio de Mauro (1967). Paris: Éditions Payot, 2005, pp. 405-477.

ELIA, S. Os estudos filológicos no Brasil. Ensaios de filologia e linguística (1963). 2ª ed. refundida e aumentada. Rio de Janeiro, Grifo; Brasília, INL, 1975, pp. 117-176.

FARACO, C. A. Linguística histórica. uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola. Editorial, 2005.

FERREIRA, A. C. F. O cotidiano na História das Ideias Linguísticas. In: Língua e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 23, n. 46, p. 4-30, jul./dez. 2020.

FOUCAULT, M. O que é um autor? (1969-1983). In: Ditos e escritos III - Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. pp. 264-298.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber (1969). Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7ª edição. edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007a.

FOUCAULT, M. A Ordem do discurso (1971). 15ª ed. São Paulo: Loyola, 2007b.

GADET, F. Saussure: Une science de la langue (1987). 3a édition. Paris: Puf, 1996.

GUIMARÃES, E. Os estudos da significação no Brasil. In: Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, (42): 71-87, Jan./Jun. 2002, pp. 71-87.

GUIMARÃES, E. Entre o indivíduo e o povo: uma política da língua em Said Ali. In: História da semântica: sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2004a, pp. 65-78.

GUIMARÃES, E. “Panorama e periodização” e “Acontecimentos institucionais e estudos do português”. In: História da semântica: sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2004b, pp. 23-26; 27-52.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2005.

GUIMARÃES, E. A História da Gramática no Brasil: do normativo ao científico. In: Rumos da linguística brasileira no século XXI. São Paulo: Blucher, 2016, pp. 43-56.

HACKEROTT, M. M. S. As lições de Said Ali (1861-1953): uma abordagem historiográfica. In: BASTOS, N. B.; PALMA, D. V. (Orgs.) História entrelaçada 3: a construção de gramáticas e o ensino de língua portuguesa na segunda metade do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008, pp. 19-45.

HACKEROTT, M. M. S. Said Ali e a acentuação: primórdios da Linguística no Brasil. In: Estudos de Lingüística Galega, vol 3, 2011, pp. 51-64.

LAGAZZI, S. O gesto de descrever na gramática histórica de Said Ali. In: ALMEIDA, Eliana (org.) Fronteiras de sentidos & sujeitos nacionais / Maria Inês Parolin, Eliana de Almeida (Orgs.): Cáceres, Fapemat; Campinas, Editora RG, 2012, pp. 175-185.

LE GOFF, J. História & Memória (1977). Trad. Bernardo Leitão. 7ª edição. Campinas, SP: Editoria da Unicamp, 2013.

MARIANI, B. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: Revan; Campinas, SP: UNICAMP, 1998.

MEDEIROS, V. G. “Uma reflexão sobre intervenções dos escritores e o efeito verdade”. In: FLORES, G. G. B.; GALLO, S. M. L.; LAGAZZI, S.; NECKEL, N. R. M.; PFEIFFER, C. C.; ZOPPI-FONTANA, M. G. (Orgs.). Análise de Discurso em Rede: Cultura e Mídia. Vol. 3. Campinas: Pontes, 2017, pp. 131-142.

NUNES, J. H. O discurso documental na história das idéias lingüísticas e o caso dos dicionários. In: Alfa, São Paulo, 52 (1): 81-100, 2008a.

NUNES, J. H. Uma articulação da análise de discurso com a história das ideias linguísticas. In: SCHERER, Amanda Eloina; PETRI, Verli (orgs). Língua, Sujeito e História. v. 18. n.37. Santa Maria, UFSM: Programa de pós-graduação em Letras, jul/dez. 2008b, p. 107-133.

ORLANDI, E. Apresentação. In: ORLANDI, E. (Org.) História das ideias linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da Língua Nacional. Campinas, SP: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001, p. 7-20.

ORLANDI, E. Língua e conhecimento lingüístico. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. Análise de discurso: princípios e procedimentos (1999). 7ª edição. Campinas: Pontes, 2007a.

ORLANDI, E. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho com o simbólico (1996). 5ª edição. Campinas: Pontes, 2007b.

ORLANDI, E. As formas do silêncio (1992). 6. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007c.

ORLANDI, E. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos (2001). 3ª edição. Campinas, SP: Pontes, 2008.

ORLANDI, E. Terra à vista – Discurso do confronto: velho e novo mundo (1990). 2ª ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2008b.

ORLANDI, E. Ciência da linguagem e política: Anotações ao pé das letras. Campinas, Pontes: 2019.

PUECH, C. Por uma História da Linguística na História da Linguística?. Trad. de: Thaís de Araujo da Costa. In: Porto das Letras, 6(5), 2020, 389-408.

RIEDLINGER, A. Cahiers II, III et IV. In : KOMATSU, E. (Éd.). Ferdinand de Saussure – Deuxième Cours de Linguistique Générale (1908-1909) : d'après les cahiers d'Albert Riedlinger et Charles Patois. Oxford, New York, Tokyo: Pergamon, 1997.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral (1916). Tradução Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 3ª edição. São Paulo: Editora Cultrix, s/d.

SCHERER, A. E.; COSTA, M. I. S. Ainda (e sempre) Saussure: história, memória e discurso em três versões de um mesmo texto. In: Letrônica. Porto Alegre, v. 11, n. esp. (supl. 1), s54-s67, set. 2018.

SILVA, M. de C. e. Apresentação. In: ALI, M. S. Gramática histórica da língua portuguesa. 3ª edição. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1964, pp. 5-6.

VENÂNCIO, G. M. Cartas de Lobato a Viana: Uma memória epistolar silenciada pela história. In: GOMES, A. de C. (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004, pp. 11-138.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

COSTA, T. de A. da. Grammatica historica da lingua portugueza de Said Ali cem anos depois: considerações acerca do movimento de (res)significação de uma obra. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 48, p. 61–109, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i48.8664765. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8664765. Acesso em: 12 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo