"Presidente que é presidente fala bem o português"

representações sobre a língua nacional em práticas discursivas da imprensa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i48.8665742

Palavras-chave:

Língua nacional, Discursos da imprensa, Arquivo

Resumo

Este artigo objetiva compreender, com fundamento na articulação teórica entre a Análise de Discurso materialista e a História das Ideias Linguísticas, como a língua nacional significa e é significada em práticas discursivas da imprensa sobre os dizeres da Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff. Em nosso resultado de análise, observamos que as práticas discursivas da imprensa sobre os dizeres da Presidenta Dilma Rousseff, ao mesmo tempo em que produzem uma certa representação de língua nacional, significada como ideal, pura e símbolo da pátria, determinam, a partir dessa representação, segundo um seu “bom” ou “mau” uso, algumas posições-sujeito, como a de Presidente da República e a de jornalista. Observamos, também, que essa representação de língua nacional, ademais de ser significada, significa os discursos [da imprensa] que a constituem, sustentando, no seu funcionamento, os efeitos de “verdade” e de “imparcialidade”, bem como estabelecendo um modo próprio para a sua formulação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ricardo Menacho, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso. Professor do Curso de Direito da Unemat, campus universitário de Cáceres.

Flávio Roberto Gomes Benites, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutor em Linguística Aplicada pela Unicamp. Professor do Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso e do Curso de graduação em Letras da Unemat, campus universitário de Tangará da Serra.

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Trad.: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Unicamp, 2014.

BENITES, F. R. G. “A inscrição do sujeito na linguagem: um contraponto entre Benveniste e Lacan”. In: Ecos, vol. 007, p. 57-62, 2008. Disponível em: http//periodicos.unemat.br/index.php/ ecos/article/view/ 969/983. Acesso em 02 de fev. de 2020.

BORGES, L. Em dilmês, Cunha era presidente da Câmara...de Vereadores. Disponível em: http// veja.abril.com.br/politica/em-dilmes-cunha-era-presidente-da-camara-de-vereadores/. Acesso em: 20 de nov. de 2019.

BRASIL, F. M. Língua Portuguesa comemora afastamento de Dilma: “ninguém está mais feliz do que eu”. Disponível em: http// veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/lingua-portuguesa-comemora-afastamento-de-dil ma-8220-ninguem-esta-mais-feliz-do-que-eu-8221/. Acesso em: 15 de nov. de 2019.

DELA-SILVA, S. C. Discurso, arquivo e saber: a mídia na constituição de arquivos na atualidade. In: MARIANI, B. et al. (Orgs.). Discurso, arquivo e.... Rio de Janeiro: 7Letras, p. 234-243, 2011.

DELA-SILVA, S. C. “Imprensa e saber linguístico: o percurso de uma instituição”. In: Anpoll, vol. 1, n. 25, p. 207-226, 2008. Disponível em: http//revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/61. Acesso em: 29 de set. de 2020.

DELA-SILVA, S. C.; LUNKES, F. “Por que (não) dizer da língua?” In: Policromias, vol. 5, n. 1, p. 87-107, 2020. Disponível em: http//revistas.ufrj.br/index.php/policromias/article/view/33933. Acesso em: 29 de set. de 2020.

DIAS, C. Análise do Discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes, 2018.

EDITORIAL. Dilma, um caso sério. In: O Estado de São Paulo. Disponível em: http//opiniao.estadao.com.br /noticias/geral,dilma-um-caso-serio,70001699720. Acesso em: 05 de nov. de 2019.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da Linguística. Trad.: Bethania Mariani e Maria Elizabeth Chaves de Mello. Campinas: RG, [1981] 2010.

GUILHAUMOU, J. et al. Discurso e Arquivo: experimentações em análise do discurso. Campinas: Unicamp, 2016.

GUIMARÃES, E. “A língua portuguesa no Brasil”. In: Ciência e Cultura, vol. 57, n. 2,2005. versão online. Disponível em: http//cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000200015. Acesso em: 15 de fev. de 2020.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo iniciativo da designação. Campinas: Pontes, 2017.

INDURSKY, F. “O momento político brasileiro e sua discursivização em diferentes espaços midiáticos”. In: FLORES, G. G. B. et. al. (Orgs.). Análise de discurso em rede: cultura e mídia, vol. 3. Campinas: Pontes, p. 73-87, 2017.

MARIANI, B. “Políticas de colonização linguísticas”. In: Letras, n. 27, 2003. Disponível em: http//https://periodicos.ufsm.br/letras/ article/view/11900/7322. Acesso em: 15 de fev. 2020.

MARIANI, B. “Unidade idealizada na variedade concreta: censos linguísticos, congressos sobre a língua falada e ‘normas da pronúncia padrão’”. In: MARIANI, B.; MEDEIROS, V. Idéias linguísticas: formulação e circulação no período JK. Campinas: RG, p. 71-83, 2010. NUNES, A. A aula de Dilma em San Diego: como assassinar o português. In: Vejapontocom [YouTube], 2018b. Disponível em: http//www.youtube.com/watch?v=MetZAtn9SdA&t =4s. Acesso em: 20 de nov. de 2019.

NUNES, A. Agora que Dilma virou ré, como fará a Justiça para decifrar depoimentos em dilmês? In: Jovem Pan News [YouTube], 2018a. Disponível em: http//www.youtube.com/watch?v=ydw6hiOFd_A&t=1s. Acesso em: 15 de nov. de 2019.

NUNES, A. Na prova de português, Temer massacra Dilma e Lula. In: Vejapontocom [YouTube], 2016. Disponível em: http// www.youtube.com/watch?v=7Fxf6Rg8OkI. Acesso em: 05 de nov. de 2019.

NUNES, A. Traduzindo o dilmês. In: Vejapontocom [YouTube], 2018c. Disponível em: http//www.youtube.com/wat ch?v=vKJCLaCarEg. Acesso em: 15 de nov. de 2019.

ORLANDI, E. P. “Segmentar ou recortar”. In: Série Estudos 10. Uberaba: FIU, p. 9-26, 1984.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: Para uma História das Ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Unicamp, 2007b.

ORLANDI, E. P. Interpretação. Campinas: Pontes, 2007a.

ORLANDI, E. P. Língua Brasileira e outras histórias: Discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

ORLANDI, E. P. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2012.

ORLANDI, E. P. “Formação ou capacitação: duas formas de ligar a sociedade e conhecimento”. In: FERREIRA, E. L.; ORLANDI, E. P. (Orgs.). Discursos sobre a inclusão. Niterói: Intertexto, p. 141-185, 2014.

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2016.

PÊCHEUX, M. “Análise Automática do Discurso (AAD-69)”. Trad.: Eni Puccinelli Orlandi. In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.). Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Unicamp, p. 59-158, [1969] 2014.

PÊCHEUX, M. “Foi ‘propaganda’ mesmo que você disse?” In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de Discurso: Michel Pêcheux: textos escolhidos por: Eni Puccinelli Orlandi. Trad.: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, p. 73-92, [1979] 2011.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Unicamp, [1975] 2014.

PÊCHEUX, M. “Ler o arquivo hoje”. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. Campinas: Unicamp, p. 57-67, [1981] 2014.

PEIXOTO, J. Dilma Rousseff comete erros de Português em seu 1° discurso. In: Bol vídeos, 2011. Disponível em: http//videos.bol.uol.com.br/video/dilma-rousseff-comete-erros-de-portugues-em-seu-1-discurso-04029B366E D0919307. Acesso em: 05 de nov. de 2019.

PFEIFFER, C. C. “A língua nacional no espaço das polêmicas do século XIX/XX”. In: ORLANDI, E. P. História das Idéias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da Língua Nacional. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat, p. 167-183, 2001.

REDAÇÃO. Após discurso firme, Dilma volta a ser Dilma. In: Veja [online], 2016. Disponível em: http//veja.abril.com.br/politica/apos-discurso-firme-dilma-volta-a-ser-dilma/. Acesso em: 20 de nov. de 2019.

REDAÇÃO. O Brasil e língua portuguesa se livram da ditadura petista. In: IG [online], 2016. Disponível em: http//ultimosegundo. ig.com.br/politica/2016-08-31/dilma-rousseff-cassada.html. Acesso em: 20 de nov. de 2019.

SCHNEIDERS, C. M. “Do retorno ao arquivo à constituição do corpus e dos gestos de interpretação”. In: Conexão Letras, vol. 9, n. 11, p. 99-109, 2014.Disponível em: http//seer.ufrgs.br/conexaoletras/article/view/55144/335 37. Acesso em: 20 de abril de 2020.

SILVA, L. G. “Silenciamento pela (des)autorização: a língua e o linguista no espaço do discurso midiático”. In: Grigoletto, E.; GOMES, I. R. (Orgs.). Memória, História, arquivo: fronteiras e interseções, Vol. 1. Recife: UFPE, p. 170-186, 2015.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

MENACHO, J. R.; BENITES, F. R. G. "Presidente que é presidente fala bem o português" : representações sobre a língua nacional em práticas discursivas da imprensa. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 48, p. 3–30, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i48.8665742. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8665742. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigo