O clima da época em torno do conceito de discurso na gramática de Port-Royal

o "bom uso" da língua

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i48.8666083

Palavras-chave:

Histórias das ideias linguísticas, Gramática de Port-Royal, Discurso, Política linguística

Resumo

Este artigo pretende traçar o clima da época para o conceito de discurso na Gramática de Port-Royal (GPR) quanto ao que se pensava no século XVII sobre o “bom uso” da língua, delimitando a relevância desse texto fundador (COLOMBAT; FOURNIER; PUECH, 2010) no panorama da História das Ideias sobre a Linguagem. Publicada em 1660, a GPR tornou-se famosa por ser considerada um trabalho pioneiro na área da Filosofia da Linguagem. Seus autores pretendiam propor um estudo filosófico e racional da linguagem. A GPR contrastava com a tônica dos estudos linguísticos da época, sintonizados com a preocupação acerca da questão do “bom uso” (bon usage) da língua, compreendido meramente em termos estilísticos. Tal recorte se mostrou necessário devido à generalidade com a qual se investia o conceito de discurso, visto como sinônimo de fala/uso, que deve ser regulado por regras, e influenciou o referencial teórico da Gramática Gerativo-Transformacional de Noam Chomsky.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Soares Paiva, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Mestre em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ARNAULD, A.; LANCELOT, C. Gramática de Port-Royal. Trad.: Bruno Fregni Basseto e Henrique Graciano Murachco. São Paulo: Martins Fontes (Clássicos), [1660] 2002.

AUROUX, S. A Revolução Tecnológica da Gramatização. 2. ed. Trad.: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 2009.

CIZESCKI, F. Entre Chomsky e Port-Royal: uma análise da leitura chomskyana. Work. pap. linguíst., Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 121-131, jan./jun. 2008.

COLOMBAT, B.; FOURNIER, J.M.; PUECH, C. Como se coloca o problema da generalidade. In: ______. Uma História das Ideias Linguísticas. Trad.: de Jacqueline Léon e Marli Quadros Leite. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

DESCARTES, R. Regras para a direção do espírito. Trad.: João Gama. Lisboa: Edições 70, s.d. Disponível em: http://www.revistaliteraria.com.br/DescartesRegras.pdf. Acesso em: 20 jul. 2018.

LAGORIO, C. El valor de lo simbólico en un nuevo clima de época. Anales de la educación común, Buenos Aires, Tercer siglo, año 3, número 6, Educación y lenguajes, jul. 2007.

MOLINA, J. A. Forma lógica e forma gramatical na Lógica e na Gramática de Port-Royal. Notae Philosophicae Scientiae Formalis, v. 3, n. 1-2, p. 70-81, 2014. Disponível em: http://gcfcf.com.br/pt/files/2017/05/6-NPSF-v.3-n.-1-2Molina1.pdf. Acesso em: 16 jun. 2018.

SANTOS, T. S. C. Gramática de Port-Royal – século XVII, 1660. In: ______. Artigo: da Tékhne Grammatiké aos dias de hoje. 108f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. p. 44-49, 2014.

VIEIRA, F. E. A orientação lógico-filosófica nas Gramáticas do Português. In: ______. A Gramática Tradicional: História Crítica. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

PAIVA, R. S. O clima da época em torno do conceito de discurso na gramática de Port-Royal: o "bom uso" da língua. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 48, p. 304–314, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i48.8666083. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8666083. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

Crônicas e Controvérsias