A cidade dos anos 2010 na Análise de Discurso Brasileira

Autores

  • Mariana Garcia de Castro Alves Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i47.8666687

Palavras-chave:

Discurso, Cidade, Textometria, História das ideias discursivas

Resumo

O espaço urbano na análise de discurso brasileira, que tomamos pelo nome Eni Orlandi, é decisivo para a compreensão dos processos de significação na contemporaneidade. Pela proximidade e especificidade histórica, a cidade da década de 2010, cujas movimentações continuam a irradiar interpretações das mais diversas, permanece demandando sentidos. No rastreamento de uma teoria discursiva da cidade, o artigo seleciona ensaios de Orlandi sobre o urbano produzidos nesses anos. Ao realizar análise fatorial com o auxílio de ferramentas de textometria, o trabalho aponta, como gesto de interpretação, um modo de ler essa produção, voltada ao “real da cidade” em seus fluxos, no compasso do farol ao qual se assujeita o malabares e no ritmo do passinho da garotada da periferia a animar os pancadões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Garcia de Castro Alves, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

 

Referências

ALEXANDER, M. (2018) A nova segregação: racismo e encarceramento de massa. Trad: Pedro Davoglio. Revisão técnica e notas: Silvio Luiz de Almeida. São Paulo: Boitempo, 2018.

ALVES, M. (2020). Osso de borboleta: leitura discursiva do Fundo Michel Pêcheux pela textometria. Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2020.

ANDRADE, C. (2003). A rosa do povo. 27 ed. Rio de Janeiro: Record.

CANDIDO, A. (1999). Iniciação à literatura brasileira: resumo para principiantes. 3. ed. São Paulo: Humanitas/ FFLCH/USP, 2003.

COURTINE, J. “Definição de orientações teóricas e construção de procedimentos em Análise do Discurso”. In: Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som, [.S.l.], v. 1, n. 1, set. ISSN 2448-2935. [1982] 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php /policromias/article/view/4090. Acesso em: 08 jun. 2019.

DIAS, J. P.; SZTUTMAN, R.; MARRAS, S. “Múltiplos e animados modos de existência: entrevista com Bruno Latour”. In: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 57, n. 1, p. 499-519, 2014. DOI: 10.11606/2179-0892.ra.2014.87772. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/87772. Acesso em: 22 mai. 2021.

FELDMANN, D. A “normalidade” é a raiz dos riscos que afligem a humanidade. Entrevista ao Instituto Humanitas Unisinos. 2020 Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/599790-a-normalidade-e-a-raiz-dos-riscos-que-afligem-a-humanidade-entrevista-especial-com-daniel-feldmann-em-edicao Acesso em: 31 mai.2021.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. “Unidade e dispersão: uma questão do texto e do sujeito”. In: ORLANDI, E. Discurso e leitura. 8ª edição. São Paulo: Cortez, p. 53-73. (1980) 2008.

HARRIS, Z. “Discourse Analysis”. In: Language, Vol. 28, No. 1 (Jan. - Mar., 1952), pp. 1-30. Published by: Linguistic Society of America Stable 1952. Disponível em http://www.jstor.org/stable/409987. Acesso em 31 mai.2019.

HARVEY, D. “O direito à cidade”. In: Piauí. Edição 82, 2013. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-direito-a-cidade/ Acesso em: 1 jun.2021.

HENRY, P. “Os fundamentos teóricos da “análise automática de discurso” de Michel Pêcheux (1969)”. In: HAK, Tony (Org.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 4ª edição. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras. 26ª ed. 1995.

HOLLANDA, F. B. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras. 1991.

HOLLANDA, F. B. Essa gente. São Paulo. Companhia das Letras, 2019.

IBGE. Censo 2010: Estatísticas de Gênero mostram como as mulheres vêm ganhando espaço na realidade socioeconômica do país. 2014. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?busca=1&id=1&idnoticia=2747&t=estatisticas-genero-mostram-como-mulheres-vem-ganhando-espaco-realidade-socioeconomica-pais&view=noticia#:~:text=A%20taxa%20de%20formaliza%C3%A7%C3%A3o%20no,58%2C6%25%20em%202010. Acesso em: 31 mai de 2021.

IBGE. PIB cai 3,5% em 2015 e registra R$ 6 trilhões. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-deimprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/17902-pib-cai-3-5-em-2015-e-registra-r-6-trilhoes Acesso em: 31 mai de 2021.

LIN, N. Número de moradores de rua cresce 60% em relação a 2015 em São Paulo. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/radioagencia-nacional/acervo/direitos-humanos/audio/2020-01/numero-de-moradores-de-rua-cresce-60-em-relacao-2015-em-sao-paulo/ Acesso em: 31 mai.2021.

MANIR, M. 'Nóis é prateado' para ganhar nova identidade social. In: O Estado de S. Paulo, São Paulo, 20/07/2015.

MILNER, Jean-Claude. Os nomes indistintos. Trad.: Procópio Abreu. Rio de Janeiro: Companhia de Freud. (1983) 2006.

NÉE, É. et al. Méthodes et outils informatiques pour l’analyse des discours. Rennes: PUR - Presses Universitaires de Rennes. 2017.

OLIVEIRA, F. “Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento”. In: OLIVEIRA, F.; RIZEK, C. (Orgs.). A era da indeterminação. Coleção Estado de sítio. São Paulo: Boitempo, (2003) 2007. p. 15-45,

ORLANDI, E.; GUIMARÃES, E.; TARALLO, F. Vozes e contrastes: discurso na cidade e no campo. São Paulo: Cortez, 1989.

ORLANDI, E. Interpretação: Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 2ª edição. Petrópolis: Editora Vozes, 1996.

ORLANDI, E. Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes, 2004.

ORLANDI, E. “Formas de individu ação do sujeito feminino e sociedade contemporânea: O caso da delinquência”. In: ORLANDI, E. (Org.). Discurso e políticas públicas urbanas: A fabricação do consenso. Campinas: Editora RG, 2010. p.11-42.

ORLANDI, E. “Dancinha: da rarefação do espaço social para as ruas. Ou uma rua chamada Terra Brasileira, na zona leste de São Paulo”. 2015 (Texto apresentado no ENELIN, Univás, 2015).

ORLANDI, E. “Malabares – a relação entre espaços: o factual e a tópica cívica”. In: ORLANDI, E. Eu, Tu, Ele: Discurso e real da história. Campinas: Pontes Editores, 2017, p. 113-127.

ORLANDI, E. “A casa e a rua: uma relação política e social”. In: ORLANDI, E. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido, Ideologia. Campinas: Pontes Editores, 2012. p. 199-212.

PÊCHEUX, M. “Análise automática do discurso (AAD-69)”. In: HAK, Tony (Org.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 4ª edição. Campinas: Editora da Unicamp. (1969) 2010.

PÊCHEUX, M. In: PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, (1975) 2009.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996

ROBIN, R. “Uma crítica da História, uma vontade de saber como os linguistas que se interessam pelo discurso trabalham” Entrevista a Guilherme Adorno de Oliveira. In: ADORNO et al. (Org.) (2019) Encontros na análise de discurso: efeitos de sentidos entre continentes. Campinas: Unicamp. 2019, p. 139-159

SCHERER, A.; SOUSA, L.; MEDEIROS, V.; PETRI, V. “O lugar dos estudos franceses na constituição de uma memória da Análise de Discurso no Brasil”. In: Letras, v. 24, n. 48, p. 13-28, jan./jun. Santa Maria: UFSM, 2014.

SCHWARZ, R. “As ideias fora do lugar”. In: SCHWARZ, R. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 4.ª ed. (1977) 1992.

TXM. (2020). Téxtometrie: Fédération des recherches et développements en textométrie autour de la création d'une plateforme logicielle ouverte. Disponível em: http://textometrie.enslyon.fr/?lang=en. Acesso em 1 jun.2021.

ZOPPI-FONTANA. M. “Mulheres em discurso: linguagem, política e verdade.” Entrevista. In: Heterotópica, v. 2; n. 1, jan.-jul. 2020. ISSN: 2674-7502.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

ALVES, M. G. de C. A cidade dos anos 2010 na Análise de Discurso Brasileira. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 47, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i47.8666687. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8666687. Acesso em: 22 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê