Ferramentas linguísticas da modernidade colonial-capitalista

uma tomada de posição latino-americana frente ao problema da colonização na história das ideias linguísticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v25i49.8667023

Palavras-chave:

Modernidade, América Latina, Ferramentas linguísticas

Resumo

A partir dos estudos materialistas da linguagem, questionamos: é possível enunciar na América Latina sem que os sentidos de nossos enunciados estejam construídos na/pela memória da colonização? Capitalismo e colonização, nesse contexto, se encontram no mesmo princípio histórico de modo dialético. Defendemos que a colonialidade emerge enquanto filosofia espontânea do capitalismo, assim como o colonialismo é condição de possibilidade (sobredeterminante) do capitalismo. Criticamos a abordagem da Modernidade em Kant e Foucault, e nos alinhamos ao pensamento decolonial latino-americano, para quem a Modernidade coincide com o início da exploração e colonização da América. Analisamos e deslocamos a importância que Sylvain Auroux atribui ao Renascimento para a gramatização. Demonstramos que a escrita da História das Ideias Linguísticas no Brasil compreende a colonização como ponto de inflexão para o conhecimento sobre a linguagem, o que nos leva a repensar a própria natureza dos instrumentos linguísticos enquanto ferramentas da modernidade colonial-capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Machado, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas, com estágio doutoral na Université Sorbonne-Nouvelle. Professora Adjunta da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Luiz Felipe Andrade Silva, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Letras (Linguística) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professor do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia (UFBA). 

Referências

ALMEIDA, S. O que é racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2018.

ALTHUSSER, L. Por Marx. Trad. Maria Leonor F.R. Loureiro. Campinas: Editora da Unicamp, 2015 (1965).

ALTHUSSER, L. Filosofia e filosofia espontânea dos cientistas. Lisboa: Editorial Presença, 1967.

ALTHUSSER, L. A corrente subterrânea do materialismo do encontro. Trad. Mónica Graciela Zoppi-Fontana. Crítica marxista, Rio de Janeiro, n.20, Editora Revan, 2005 (1982), p.9-48.

ANDERSON, K.B. Marx nas margens: nacionalismo, etnia e sociedades não ocidentais. Trad. Allan M. Hillani e Pedro Davoglio. São Paulo: Boitempo, 2019.

AUROUX, S. Revolução Tecnológica da Gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

AUROUX, S. A. historicidade das ciências. In: AUROUX, S. A. A questão da origem das línguas, seguido de A historicidade das ciências. Trad. Mariângela P. G. Joanilho. Campinas: Editora RG, 2008, p.123-158.

AWOFÁ OGBEBARA. Igbadu: a cabaça da existência. 2.ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

BÍBLIA. Português. Bíblia King James atualizada. São Paulo: Sociedade Bíblica Ibero-americana; Abba Press; Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2012.

CASANOVA, P. G. Colonialismo interno (uma redefinição). In: BORON, A.A.; AMADEO, J.; GONZÁLEZ, S. (Orgs.). A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. S.l.: CLACSO, 2006, p.431-458.

CASTRO, E. Introdução a Foucault. Trad. Beatriz A. Magalhães. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

CASTRO-GÓMES, Santiago. GROSFOGUEL, Ramón. (Ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá, Siglo del Hombre Editores, 2007.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. Trad. Anísio G. Homem. Florianópolis: Letras contemporâneas, 2010 (1950).

DAVIS, A. As mulheres negras na construção de uma nova utopia. In: Portal Geledés. Disponível em: https://www.geledes.org.br/as-mulheres-negras-na-construcao-de-uma-nova-utopia-angela-davis/. Acesso em: 25 mar. 2021.

DUSSEL, E. 1492 El encubrimiento del Otro. Buenos Aires: Docencia, 2012.

FERREIRA, A.C. A Análise de Discurso e a constituição de uma História das Ideias Linguísticas do Brasil. Fragmentum, [S.l.], n. ESPEC, 2018, p. 17-47. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br /fragmentum/article/view/36580. Acesso em: 18 de abr. de 2021.

FERRO, M. A colonização explicada a todos. Trad. Fernando Santos. São Paulo: Editora UNESP, 2017.

FOUCAULT, M. O que são as Luzes? In: FOUCAULT, M. Ditos e Escritos II. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008 (1984).

GESCO. Estudios decoloniales: un panorama general.. KULA: Antropólogos del Atlántico Sur, [S.l.], n.6, abr. 2012, p.8-21.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, [s.l.], v.31, n.1, jan./abr, 2016, p. 25-49. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

GUIMARÃES, E. A enumeração: funcionamento enunciativo e sentido. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v.51, n.1, jan./jun, 2009, p.49-68.

GUIMARÃES, E. A argumentação como sustentação do alocutor (a propósito da “carta” dos escravos da Fazenda Santa em 1789. III Jornada Semântica e Enunciação - Abertura, Conferência: Eduardo Guimarães, Mesa Redonda 1. [S.l.], 7 abr. 2021. 1 vídeo (3h51). Publicado pelo Canal Audiovisual CDC. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=FChtRKzXDrc&t=2367s. Acesso em: 18 de abr. de 2021.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: GONZALEZ, L. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa… Org. União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018 [1980], p.190-214.

GONZALEZ, L. A categoria político-cultural da Amefricanidade. In: GONZALEZ, L. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa… Org. União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018 [1988], p.321-334.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere, v. 1: introdução ao estudo da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999 (1932-1933).

HALL, Stuart. O Ocidente e o Resto. Discurso e Poder. Trad. Carla D’Elia. Rev. Téc. Bebel Nepomuceno. Projeto História, São Paulo, n. 56, pp. 314-361, Mai.-Ago. 2016. (1996) Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/30023/20834. Acesso em: 02 abr. 2021.

KANT, I. O que é Esclarecimento? In: KANT, I. Textos seletos. Trad. Raimundo Vier e Floriano de S. Fernandes. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1985 (1784), p. 100-116.

KANT, I. Das diferentes raças humanas. Trad. A. Hahn. Kant e-prints, [S.l.], v.5, n.5, 2011 [1775], p. 10-26, Disponível em: https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/kant-e-prints/article/ view/414. Acesso em: 02 abr. 2021.

KOSELLECK, R. Estratos do tempo: estudos sobre história. Trad. Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2014 (2000).

LAGAZZI, Suzy. Delimitações, inversões, deslocamentos em torno do Anexo 3. LAGAZZI, Suzy; ROMUALDO, Edson; TASSO, Ismara. Estudos do texto e do discurso: o discurso em contrapontos–Foucault, Maingueneau, Pêcheux. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013, p. 311-332.

LOSURDO, D. Civilização, barbárie e história mundial: relendo Lênin. In: LOSURDO, D. Liberalismo: entre civilização e barbárie. Trad. Bernardo Joffily e Soraya B. Silva. São Paulo: Anita Garibaldi, 2006 (1997). p. 9-62.

LOSURDO, D. A luta de classes: uma história política e filosófica. Trad. Silvia de Bernardinis. São Paulo: Boitempo, 2015.

LUKÁCS, G. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. Trad. Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003 (1923).

MALDONADO-TORRES, N. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais, s.l., n.80, mar. 2008, p. 71-114. DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.695

MACHADO, I. Nietzsche, o destino singular da linguagem. Tese de doutorado orientada por Eduardo Guimarães. Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, 2015.

MACHADO, I. Abralin ao Vivo – Semântica da Enuciação. Youtube, 26 de julho de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=6CMJ4iu-lYY

MARX, K. Miséria da filosofia: resposta à Filosofia da miséria, do Sr. Proudhon. Trad. José Paulo Netto. São Paulo: Boitempo, 2017 (1847).

MARX, K. O capital: crítica da economia política, livro I: o processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. 2.ed. São Paulo: Boitempo, 2017 (1867).

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto comunista. Trad. Álvaro Pina e Ivana Jinkings. São Paulo: Boitempo, 2010 (1848).

MEMMI, A. Retrato do colonizado precedido de Retrato do colonizador. Trad. Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007 (1985).

MOURA, C. Sociologia do negro brasileiro. 2.ed. São Paulo: Perspectiva 2019 (1988).

NEBRIJA, M.A.E. y S. Grammatica castellana, 1492.

NÓBREGA, Pe. Manuel da. Diálogo sobre a conversão do gentio. In: NÓBREGA, Pe. Manuel da. Obra completa: edicação comemorativa - 5º centenário de nascimento (1517-2017). Org, Paulo Roberto Pereira. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2017 (1556-1557), p. 201-254.

ORLANDI, E. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, SP: Pontes, 2007 (1987).

ORLANDI, E. P. Terra à vista! Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

ORLANDI, E.P. Vão surgindo sentidos. In: ORLANDI, E.P. (Org.). Discurso fundador: a formação do país e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes, 1993, p. 11-26.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ORLANDI, E. GUIMARÃES, E. (Orgs.). Institucionalização dos estudos da linguagem: a disciplinarização das ideias linguísticas. Campinas: Pontes, 2002.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli (Org.). Política linguística no Brasil. 1. ed. Campinas - SP: Pontes Editores, 2007.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli (org.). Língua e Cidadania: o Português no Brasil. Campinas: Pontes, 1996. v. 1. 210 p.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. História das ideias linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes/UNEMAT, 2001.

PÊCHEUX, M. O. discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. 5.ed. Campinas: Pontes, 2008 (1983).

PÊCHEUX, M. O. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi et. al. 4.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009 (1975).

PÊCHEUX, M. O. Análise automática do discurso. Trad. Eni P. Orlandi e Greciely Costa. Campinas: Pontes Editores, 2019 (1969).

PETRI, V. O funcionamento do movimento pendular próprio às análises discursivas na construção do “dispositivo experimental” da Análise de discurso. In: PETRI, V.; DIAS, C. Análise do discurso em perspectiva: teoria, método e análise. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2013, p.37-48.

PRANDI, R. Ogum: caçador, agricultor, ferreiro, trabalhador, guerreiro e rei. Rio de Janeiro: Pallas, 2019.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B.S.; MENESES, M.P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almeida, 2009, p. 73-117.

SAID, E. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Trad. Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007 (1978).

SARR, F. Afrotopia. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2019.

SILVA SOBRINHO, José Simão. A língua é o que nos une = língua, sujeito e Estado no Museu da Língua Portuguesa. 133 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/270666. Acesso em: 17 maio 2021.

VALENTIM, M.A. Descolonização metafísica: esboço de manifesto contra-filosófico. Revista do NESEF, [S.l.], v.8, n.1, set. 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/nesef/article/view/68944/39397. Acesso em: 02 apr. 2021.

QUIJANO, Aníbal. A América Latina Sobreviverá? Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.7, n.2, 1993, p. 60-66.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, 2005, p.118-142.

RESTREPO, Eduardo. ROJAS, Axel. Inflexión decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. 1a Ed. Popayán, Samava, 2010.

VERGER, P. F. Notas sobre os cultos dos orixás e voduns na Bahia de Todos os Santos, no Brasil, e na Antiga Costa dos Escravos, na África. Trad. Carlos Eugênio M. de Moura. 2.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2022-07-06

Como Citar

MACHADO, I.; SILVA, L. F. A. . Ferramentas linguísticas da modernidade colonial-capitalista: uma tomada de posição latino-americana frente ao problema da colonização na história das ideias linguísticas. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 49, p. 3–49, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i49.8667023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8667023. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigo