Funcionamento discursivo e enunciativo do sinal de pessoa para a comunidade surda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v24i48.8667916

Palavras-chave:

Libras, Sinal, Nome próprio, Comunidade surda, Espaço de enunciação

Resumo

Propomos discutir, neste texto, sobre a atribuição do sinal de pessoa para os sujeitos surdos, no embate entre estar no espaço de enunciação que já tem um nome definido pelo Estado e a necessidade de um sinal para ser identificado pela comunidade surda. Este texto se constitui em um espaço de reflexão sobre a atribuição de nome próprio por meio de sinal por e para pessoas surdas e ouvintes na comunidade surda na cidade de Cáceres/MT. Ao refletir sobre a nomeação do sujeito surdo por um determinado sinal por meio da Língua Brasileira de Sinais, no espaço de enunciação movimentado por duas línguas – Língua Portuguesa e Libras - e falantes e sinalizantes destas línguas, respectivamente, mobilizamos os pressupostos teórico-metodológicos da Semântica da Enunciação, desenvolvidos por Guimarães (2002, 2004, 2005), para estabelecer uma relação entre essas duas línguas no espaço de enunciação brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilce Maria da Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professora titular da Universidade do Estado de Mato Grosso.

Benício Bruno da Silva, Universidade Federal de Alfenas

Mestrando em Linguística na Universidade de Brasília. Professor do Magistério Superior de Libras na Universidade Federal de Alfenas.

Referências

AMARAL, E. T. R. Nomes próprios: análise de antropônimos do espanhol escrito. Tese (Doutorado em Letras), Universidade de São Paulo – USP, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, SP: 2008. Disponível em: http://eduamaralbh.wordpress.com/ dissertacao-e-tese Acesso em: 01/03/2012.

AMARAL, E. T. R. Classificação dos usos de antropônimos no português escrito. Fórum linguístico. Florianópolis, v. 7, n. 2, jul-dez, 2010, p. 74-92.

AMARAL, E. T. R. Contribuições para uma tipologia de antropônimos do português brasileiro. ALFA 55(1), São Paulo, 2011, p. 63-82.

CAPOVILLA, F. C. RAPHAEL, W. D. & MAURICIO, A C. L. Novo Deit-Libras: Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira. 2. ed. Ilustrações de Silvana Marques. São Paulo: EdUSP: Inep: CNPq: Capes, 2009 v. I: sinais de A a L e v. 11: sinais de M a Z.

CASTRO, V. M. Apelidação e circulação dos apelidos em Cláudio (MG): um estudo enunciativo sobre nomes próprios. Projeto de mestrado. Texto mimeo. 2011.

Código Civil Brasileiro. Lei nº 10.406 de 10.01.2002. Disponível em: http://www.jucepa.pa.gov.br/downloads/docs/pdf/Novo_codigo_civil.pdf. Acesso em: 15/08/2011.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas, Pontes, 1984.

FERREIRA-BRITO, L. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, 1995.

GLADKOVA, A. The semantics of nicknames of the american presidents. 2002.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento. 2. ed. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. Letras nº 26: língua e literatura – limites e fronteiras. Programa de Pós-graduação em Letras. PPGL-UFSM. 2004, p. 53-62.

GUIMARÃES, E. Letras nº 27: língua e literatura – limites e fronteiras. Programa de Pós-graduação em Letras. PPGL-UFSM. 2004, p. 47-53.

HOLLAND, TJ Jr. The many faces of nicknames. Names. 38 (4), p. 255-272.

Lei Federal 6.015 de 1973. Acesso em: 15 de agosto de 2011. Disponível em: http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.

Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/civil _03/Leis/2002/L10436.

PIMENTA, N. e QUADROS, R. M. de. Curso de Libras. 3. ed. Rio de Janeiro, LSB vídeo, 2008.

QUADROS, R. M. de & KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SILVA, F. I. da et al. Aprendendo Língua Brasileira de Sinais como segunda língua. Caderno pedagógico, nível básico. CEFET/SC, 2007, p. 18.

SKIPPER, J. K, Jr. e LESLIE, Paul L. The systematic study of personal nicknames: a small step forward. Names. 38 (4), p. 253-254.

STUMPF, M. Aprendizagem de escrita de Língua de Sinais pelo sistema SignWriting: Língua de sinais no papel e no computador. Tese (Doutorado em Informática na Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, CINTED, PO: 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

SILVA, N. M. da; SILVA, B. B. da . Funcionamento discursivo e enunciativo do sinal de pessoa para a comunidade surda . Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 24, n. 48, p. 285–303, 2021. DOI: 10.20396/lil.v24i48.8667916. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8667916. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê