Alinhavando alguns sentidos sobre Manuel Said Ali na produção e circulação do conhecimento linguístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v25i49.8669280

Palavras-chave:

Said Ali, Mem´ória, História, Institucionalização, Estudos linguísticos

Resumo

Manuel Said Ali é uma das figuras constitutivas daquilo que nomeamos como um homme de lettres. A partir de tal pressuposto, queremos entender, em nosso artigo, como tal estudioso, ao escrever sobre a problemática da língua com as interrogações de sua época, acaba nos indicando caminhos para uma historicização dos estudos da linguagem no contexto brasileiro. Nossa pedra modular está ancorada nas implicações determinadas pelos estudos sobre a institucionalização e a disciplinarização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Eloina Scherer, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Linguística, Semiótica e Comunicação pela Université de Franche-Comté, Besançon, França. Professora Titular de Linguística junto ao Departamento de Letras Clássicas e Linguística da Universidade Federal de Santa Maria.

 

 

Referências

BECHARA, E. Folha de São Paulo, Ilustríssima, 31 de julho de 2011, Arquivo Aberto - Memórias que viram histórias.

BARROS, M. Livro de pré-coisas. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2021.

BORGES, J. L. Outras inquisições. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2007

BURKE, P. O polímata – uma história cultural de Leonardo da Vinci a Susan Sontag. Trad. Renato Prelorentzou. São Paulo: Editora da UNESP, 2021

CALVINO, I. Por que ler os clássicos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 2007

LEPENIES, W. As três culturas. Trad. Maria Claro Cescato, São Paulo: Editora da USP, Coleção Ponta, 1996.

MEDEIROS, V. Análise de Discurso e História das Ideias Linguísticas: perscrutando conceitos. In: VENTURINI, M. C.; RASIA, G. Museus, arquivos e discursos: funcionamentos e efeitos da língua, da memória e da história. Campinas, SP: Pontes Editores, 2020, p. 165-182.

ORLANDI, E. Discurso, imaginário social e conhecimento. In: Em Aberto, Brasília – DF, n. 61, p. 52-59.

PUECH, C. Antinomies (V.Henry) Et Dichotomies (F. De Saussure): l’idée d’une « science double » dans la linguistique générale de la fin du XIX siècle. In Linguistique et partages disciplinaires à la charnière des XIXI et XX siècles : Victor Henry (1850 -1907). Louvain, Paris, Dudley: Editions Peeters, 2004, p. 125-147.

SCHERER, A. E. Arquivos de Língua. In: MEDEIROS, V.; ESTEVES, P. et al. Almanaque de fragmentos: ecos do século XIX. Campinas: Pontes; RJ: FAPERJ, 2020, p. 31-37.

SCHERER, A. E. O nome da língua. Um modo de fazer. Gragoatá, Niterói, v.24, n. 48,2019, p. 14-24.

SERRES, M. Os cincos sentidos: filosofia dos corpos misturados VI. Trad. Eloá Jacobina, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

Downloads

Publicado

2022-07-06

Como Citar

SCHERER, A. E. Alinhavando alguns sentidos sobre Manuel Said Ali na produção e circulação do conhecimento linguístico. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 49, p. 282–296, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i49.8669280. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8669280. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê