Said Ali

em torno de um acontecimento e de um percurso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v25i49.8670121

Palavras-chave:

Said Ali, Gramática, Purismo, Sujeito, Norma linguística, Língua portuguesa

Resumo

Para analisar um certo percurso da obra de Said Ali, decisivo na história das ideias linguísticas no Brasil, tomo dois acontecimentos. De um lado a publicação da Gramática Secundária (uma gramática normativa, que ele chama de prática) e a publicação de Estrutura da Língua Portuguesa de Mattoso Câmara, em 1970. Com esta análise procuramos refletir sobre a questão do purismo, de um lado, e da consideração de uma norma linguística na obra de Said Ali, de outro. Podemos observar que, se ele considera a questão da norma linguística, de uma língua escrita como modelo, ele é radicalmente contra o purismo da língua, considerando sua história e suas relações com outras línguas. Feito o percurso, podemos considerar que o sentido do acontecimento que tomamos para análise tem no seu passado os trabalhos publicados em Dificuldades da Língua Portuguesa, a Lexeologia do português histórico e Formação das palavras e sintaxe do português histórico; no seu presente, a enunciação das definições de gramática; e no futuro o que o acontecimento projeta como sentido, no caso, entre outras coisas, a realização de uma gramática descritiva da língua portuguesa. Um aspecto importante no seu trabalho é o modo como nele opera um sujeito psicológico da linguagem e um sujeito da língua, o povo, com todas as suas divisões. Tomando seu trabalho nas condições de seu tempo, vemos como ele é decisivo e projeta outras condições para as descrições do português no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Guimarães, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Professor titular da Universidade Estadual de Campinas. Professor Visitante da Universidade do Estado de Mato Grosso.

Referências

AMARAL, A. O Dialeto Caipira. Gramática – Vocabulário. São Paulo, Anhembi, 1955 (1920).

ALI, M.S. Dificuldades da Língua Portuguesa. Rio de janeiro, Acadêmica, 1966 (1908).

ALI, M.S. “O Purismo e o Progresso da Língua Portuguesa”. In Dificuldades da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Acadêmica, 1966 (1914).

ALI, M. S. Gramática Secundária da Língua Portuguesa. São Paulo, Melhoramentos, 1966 (1924).

ALI, M. S. Meios de Expressão e Alterações Semânticas. Rio de Janeiro, FGV, 1971 (1947).

ALI, M.S. Gramática Histórica da Língua portuguesa. São Paulo, Melhoramentos, 1966 (1931).

AUROUX, S. La Raison, le langage et les normes. Paris, PUF, 1998. DOI: https://doi.org/10.3917/puf.aurou.1998.01

BARBOSA, J. Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza. Lisboa, Tipografia da Academia, 1822.

GUIMARÃES, E. “Sinopse dos estudos do português no Brasil”, Relatos, 1, HIL, 1994.

GUIMARÃES. E. História da Semântica. Sujeito, Sentido e Gramática no Brasil. Campinas, Pontes, 2004.

MATTOSO CAMARA, J. “Estudos do Português no Brasil”. In Dispersos. Rio de Janeiro, FGV, 1972 (1966).

MATTOSO CAMARA, J. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis, Vozes, 1970.

NASCENTES, A. O Linguajar Carioca. Rio de Janeiro, Organização Simões, 1922.

ORLANDI. E. P. “O Estado, a Gramática, a Autoria”, Relatos 4, HIL, Unicamp, 1997.

ORLANDI, E. P. e GUIMARÃES, E. “La formationa d’un espace de production linguistique. La grammaire au Brésil”. Langages, 130, p. 8-27, 1998 DOI: https://doi.org/10.3406/lgge.1998.2153

ORLANDI, E. P. “O Estado, a Gramática, a Autoria: Língua e conhecimento linguístico”. Línguas e Instrumentos linguísticos 4/5. Campinas, Pontes, 2000.

PACHECO Silva e Lameira de Andrade Grammatica de língua Portugueza. Rio de janeiro, Francisco Alves, 1907 (1887/1894).

RIBEIRO, Júlio. Grammatica Portugueza, São Paulo, Jorge Seckler, 1881.

Downloads

Publicado

2022-07-06

Como Citar

GUIMARÃES, E. Said Ali: em torno de um acontecimento e de um percurso. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 49, p. 168–182, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i49.8670121. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8670121. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê