Banner Portal
“Alegria, alegria é o estado que chamamos Bahia”
PDF

Palavras-chave

Discurso
Propaganda
Baianidade

Como Citar

GASPARI, André; ALVAREZ, Palmira Heine. “Alegria, alegria é o estado que chamamos Bahia”: corpo, memória e sentido em anúncios publicitários sobre o carnaval de Salvador. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 50, p. 185–200, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i50.8670660. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8670660. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

Objetivando discutir os modos de discursivização dos corpos em anúncios publicitários do carnaval de Salvador, pretende-se refletir sobre como estes significam, sendo atravessados pelo discurso da baianidade, em anúncios publicitários do carnaval de Salvador. Partindo da ideia de que o corpo é elemento discursivo, interessa-nos observar o modo como os já-ditos de uma baianidade encenada atravessam os corpos dos sujeitos estampados nas campanhas publicitárias escolhidas, discursivizando-os como diversos e colocando-os em simbiose com a cidade. Para isso, recorreremos ao arcabouço teórico da Análise do discurso pecheutiana, que fornece as bases necessárias para reconhecer vestígios históricos relacionados aos objetos simbólicos investigados (condições de produção),identificar de que modo o simbólico participa do processo de formulação de sentidos (campo das materialidades) e compreender como, a partir do imaginário, os efeitos de sentido são regulados, de maneira a dissimular a dimensão material contraditória do processo interdiscursivo (posições de sujeito).

https://doi.org/10.20396/lil.v25i50.8670660
PDF

Referências

CASTRO, Armando Alexandre. A música baiana e o mercado: a gestão da obra como estratégia de negócio. Tese. Doutorado em Administração. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2011.

COURTINE, Jean Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Trad. de Christina de Campos Velho Birck et al. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

GRIGOLETTO, Evandra; PIVETTA, Graziela T. Baggio. Só ele é assim: uma análise da representação da mulher no discurso publicitário do Campari. In: Investigações v. 24, p. 35-61, Online. Disponível em: Só ele é assim: uma análise da representação da mulher no discurso publicitário do Campari | Grigoletto | Revista Investigações (ufpe.br) Acesso em 06 jul 2022.

LACAN, Jacques. Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Trad. M. D. Magno. 3 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2008.

LEITE, Rinaldo Cesar Nascimento. A baianidade das elites nas primeiras décadas republicanas: identidade regional e projeto politico”. IN: Negro, Antônio L. e Outros (Org.) Tecendo Histórias: Espaço, Política e Identidade. Salvador: EDUFBA, p. 181-198, 2009.

MARIANO, Agnes. A invenção da baianidade. São Paulo: Annablume, 2009.

MOURA, Milton, O oriente é aqui: o cortejo de referências fantásticas de outros mundos no Carnaval de Salvador. In: A larga barra da baía: essa província no contexto do mundo. Salvador: EDUFBA, p. 86-129. Online.

ORLANDI, Eni P. (2001) Tralhas e Troços: o Flagrante Urbano. In:

ORLANDI, Eni. (2004) Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes, p. 9-24, 2001.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Puccinelli Orlandi et al. 4. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas.. Buenos Aires: CLACSO, p. 117-142, 2005.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.