Banner Portal
"Orgulho de ser nordestino"
PDF

Palavras-chave

Ser nordestino
Subjetivação
Memória

Como Citar

GRIGOLETTO, Evandra; NARDI, Fabiele Stockmans de. "Orgulho de ser nordestino": uma análise dos modos de dizer o sujeito nordestino e os seus modos de subjetivação. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 50, p. 99–122, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i50.8670789. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8670789. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

Ao analisar tanto discursos de orgulho como de preconceito aos nordestinos, objetivamos compreender, neste artigo, os modos de dizer o nordeste e o nordestino que sustentam tais discursos. Como forma de recortar esses discursos, nosso corpus foi construído a partir da escuta de sujeitos nordestinos acerca dos modos de significação de dois enunciados: “orgulho de ser nordestino” e “tinha que ser nordestino”. Ancoradas na Análise de Discurso com filiação em Pêcheux, observamos, a partir das análises, como os sujeitos entrevistados, ao falarem sobre esses dois enunciados, se subjetivam e, ao mesmo tempo, mobilizam sentidos cristalizados de dizeres já sedimentados socialmente sobre o “ser nordestino”. No jogo entre o orgulho e o preconceito, agitam-se as redes de memória, a filiação ideológica pela repetição-reestruturação-desestabilização de sentidos já dados.

https://doi.org/10.20396/lil.v25i50.8670789
PDF

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. de. A invenção do nordeste e outras artes. 4 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2009.

ALTHUSSER, L. Sobre a reprodução. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Trad. de Patrícia C. R. Reuillard et al. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2009 (1981).

DE NARDI, F. S.; NASCIMENTO, F. A. S. do. A propósito das noções de resistência e tomada de posição na Análise de Discurso: movimentos de resistência nos processos de identificação com o ser paraguaio. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, PR, n. 19/2, p. 80-103, Londrina, dez. 2016. DOI: 10.5433/2237-4876.20161948p80.

FRANÇA, T. A. Refletindo sobre o sujeito do discurso de ódio e tomadas de posição pela ingenuidade e pelo cinismo. In. In: GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S.; SILVA SOBRINHO, H. F. da (org.) Sujeito, sentido, resistência: entre a arte e o digital. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019, p. 249 - 267.

FREITAG, R. M. Marcadores discursivos não são vícios de linguagem! Anais do IV Senal. Disponível em http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Anais/SENALE_IV/IV_SENALE/Raquel_Meister_Ko_Freitag.htm#_ftn1. Acesso em: Acesso em: 14 ago. 2022.

FREITAG, R. M. K.; SILVA, R. B. da; EVANGELISTA, F. R. de S. Marcadores discursivos interacionais: diferentes metodologias, diferentes resultados. Diacrítica, Minho, Portugual, n. 1, vol. 31, 2017. DOI: 10.21814/diacritica. Disponível em: http://diacritica.ilch.uminho.pt/index.php/dia/article/view/32. Acesso em: 14 ago. 2022.

GREGOLIN, M. R. Pêcheux e Foucault na análise de discurso: diálogos & duelos. 2. ed. São Carlos: Claraluz, 2006.

GRIGOLETTO, E; DE NARDI, F.S. Identificação, memória e figuras identitárias: a tensão entre a cristalização e o deslocamento de lugares sociais. Gragoatá, Niterói, RJ, n. 34, p. 197- 213, 1 sem. 2013. Disponível em: https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/32967/18954. Acesso em: 16 ago. 2022.

GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S. Entre o apagamento e o esquecimento: trajetórias de memória do enunciado “somos todos petroleiros”. In: GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S.; SILVA SOBRINHO, H. F. da (org.) Silêncio, memória, resistência: a política e o político no discurso. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019, p. 201 - 220.

GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S,; GALLI, F. C. S. “Ser nordestino”: modos de dizer, modos de significar. Interfaces, Guarapuava, PR, no prelo.

HERBERT, T. Reflexões sobre a situação teórica das ciências sociais e, especialmente, da psicologia social. Trad. Mariza Vieira da Silva e Laura A. Perrella Parisi. In: PÊCHEUX, M. Análise de discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados: Eni Puccinelli Orlandi. 2ª Ed., Campinas, SP: Pontes Editores, 2011 (1966), p. 21-54.

MAGALHÃES, B.; MARIANI, B. Processos de identificação e subjetivação: ideologia e inconsciente. Linguagem em (Dis)curso, Palhoça, SC, v. 10, n. 2, p. 391- 408, maio/ago. 2010. DOI: 10.1590/S1518-76322010000200008. Disponível em: https://portaldeperiodicos.animaeducacao.com.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/450/470. Acesso em: 14 ago. 2022.

MENEZES, A. V. de. Nordestino na rede: discurso de ódio e disputa de sentidos no Twitter nas eleições 2014. Dissertação de mestrado. Campinas, SP: [s.n.], 2019.

ORLANDI, E. Princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

ORLANDI, E. Por uma teoria discursiva da resistência do sujeito. In. ORLANDI, E. Discurso em análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012, p. 213-135.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3ª ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997 (1975).

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Trad. José Horta Nunes. Cad. Est. Ling., Campinas, n. 19, jul./dez, p. 7 -24, 1990 (1982).

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Trad. e introdução José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999 (1983a), p. 49 - 57.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Pucinelli Orlandi. 2ª ed. Campinas, SP: Pontes, 1997 (1983b).

ZOPPI-FONTANA, Mónica. “Lugar de fala”: enunciação, subjetivação, resistência. Revista Conexão Letras, Porto Alegre, n. 12(18), p. 63 - 71, 2017. DOI: 10.22456/2594-8962.79457. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/conexaoletras/article/view/79457. Acesso em: 15 ago. 2022.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.