Banner Portal
Método enunciativo de leitura (MEL)
PDF

Palavras-chave

Semântica do acontecimento
Método enunciativo de leitura
Ensino
Educação básica

Como Citar

SOUZA, Jocyare Cristina Pereira de; SANDRONI , Ana Carolina; SOUZA, Luciana Teixeira de. Método enunciativo de leitura (MEL): um diálogo entre a linguistica e o ensino. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. 50, p. 25–46, 2022. DOI: 10.20396/lil.v25i50.8671016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8671016. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

O presente estudo toma como proposta de reflexão a realidade da Educação Básica brasileira que revela, segundo estatísticas do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) - 2018, problemas consideráveis em relação à competência leitora dos estudantes. Considerando a perspectiva teórica Semântico-Enunciativa de Guimarães (2002, 2018), propõe o Método Enunciativo de Leitura (MEL) enquanto pedagogia multidisciplinar de desenvolvimento de competências que viabilizem, concretamente, habilidades leitoras em quaisquer áreas do conhecimento. Este dispositivo reporta-se à prática de leitura de textos que circulam nas esferas sociais desses alunos - cuja temática seja a abordagem à Cultura e História Regional/Local dos municípios - e a procedimentos de análise sob uma perspectiva enunciativa.

https://doi.org/10.20396/lil.v25i50.8671016
PDF

Referências

AÇÃO EDUCATIVA; INSTITUTO PAULO MONTENEGRO: ação social do IBOPE. Indicador de Alfabetismo Funcional-Inaf Brasil 2018: Resultados preliminares. Edição Especial. [S.l.], 2018.

Disponível em: https://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2018/08/Inaf2018_Relat%C3%B3rio-Resultados-Preliminares_v08Ago2018.pdf. Acesso em: 05 de nov. de 2020.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de estado. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

AUSUBEL, D. P; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma Educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BOLETIM CULTURAL E MEMORIALÍSTICO DE SÃO TIAGO E REGIÃO. Sabores e saberes. Ano XIV, nº CLV, ago. 2020. Disponível em: file:///C:/Users/Ana%20Carolina/Downloads/Edi%C3%A7%C3%A3o%20155%20(1).pdf. Acesso em 27 jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Governo Federal. Base Nacional Comum Curricular: BNCC., 2017. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ . Acesso em 14 nov. 2019.

BRASI. República Federativa do Brasil. Ministério da Educação, MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Básica, DAEB. Relatório Brasil no PISA 2018: versão preliminar. Brasília, DF. Inep/MEC, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/documentos/2019/relatorio_PISA_2018_preliminar.pdf. Acesso em 05 nov. 2020.

DIAS, Luiz Francisco. Enunciação e relações linguísticas. Campinas, SP: Ed. Pontes, 2018.

FERRAREZI JR., C.; CARVALHO, R. De alunos a leitores: o ensino da leitura na educação básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

GARONE, T. D. Uma poética da mediação: história, mito e ritual no Congado setelagoano – MG. Dissertação (mestrado em Antropologia Social) –Instituto de Ciências Sociais (ICS); Departamento de Antropologia (DAN); Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) - Universidade de Brasília (UNB). Brasília, 2008.

GUIMARÃES, E. Texto e Argumentação. Campinas: Pontes, 4ª. ed. aumentada, 2007 (1987).

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. “Dois Modos de Não Dizer Eu”. Apresentado no Seminário CAEL, LABEURB/Unicamp, 2008.

GUIMARÃES, E. Análise de texto: Procedimentos, Análises, Ensino. Campinas, SP: Editora RG, 2011.

GUIMARÃES, E. Semântica: Enunciação e Sentido. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.

GUIMARÃES, E.; MOLLICA, M. C. A palavra: forma e sentido. Campinas: Editora RG, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Brasil 500 anos: território brasileiro e povoamento. Negros. Regiões de origem dos escravos negros, 2020.

Disponível em: https://brasil500anos.ibge.gov.br/territorio-brasileiro-e-povoamento/negros/regioes-de-origem-dos-escravos-negros.html. Acesso em 03 de nov. 2020.

KARIM, T. M. Dos nomes à história – o processo constitutivo de um estado: Mato Grosso. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Liguagem. Campinas, SP: [s.n.], 2012.

KOCH, Ingedore G. V. Desvendando os segredos do texto. – 2ª ed – São Paulo: Cortez Editora, 2002.

NUNES, J. H. Aspectos da forma histórica do leitor brasileiro na atualidade. In: E. P. Orlandi (org.). A leitura e os leitores. 1ed. Campinas: Pontes, 1998.

PÁDUA, A. S. A sobrevida da marcha para o oeste. Estudos, Goiânia, v. 34, n. 7/8, p. 623-643, jul./ago. 2007. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/estudos/article/viewFile/402/333. Acesso em 23 nov. 2020.

PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

REZENDE, A. M. N. Fluxos Globais no século XVIII: A produção do modus vivendi e operandi no entorno da estrada real Picada de Goiás. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

RODRIGUES, E. F. A avaliação e a tecnologia: a questão da verificação de aprendizagem no modelo de ensino híbrido, In: BACICH, Lilian;TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETTI, C. J. et al. Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

SANTOS, G. S. Espaços de aprendizagem In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

SILVA, A. P. B. V. da. Psicogênese da Linguagem Oral e Escrita. Curitiba: IESDE, 2006.

SOUZA, J. Tempo e espaço enunciam o memorável que constitui os sujeitos e as línguas no acontecimento de linguagem. Traços de linguagem, Cáceres, v. 1, n. 1, p. 45-56, 2017

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.