História, silêncio e condições interdiscursivas da produção do discurso

Autores

  • Rodrigo Fonseca UFSB

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v26inesp.8671186

Palavras-chave:

História, Silêncio, Discurso, Condições de Produção

Resumo

No presente artigo apresento a importância e o lugar do silêncio no trabalho do historiador com o arquivo e, para isso, traço um panorama das principais questões e operações desse trabalho e sublinho alguns problemas e soluções referentes à noção de condições de produção dos discursos (sobre a qual existe uma expectativa de que ela representa certa ancoragem dos discursos na história). Conclui-se que o levantamento e descrição da cena interlocutiva dos assédios, disputas e deslocamentos em torno do fazer sentido, o levantamento das condições interdiscursivas de produção do discurso, ganha estatura e estatuto explicativo com o apoio da dimensão espacial, reparável, relacional, contraditória, configuracional e exploratória do ofício do historiador, ponto forte do trabalho com o silêncio no fazer historiográfico.

 https://orcid.org/0000-0002-2503-3349

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERNARDO, J. Propostas para uma metodologia da história. História Revista, Goiânia, GO, v. 11, n. 2, p. 193-197, jul./dez. 2006.

BERNARDO, J. Para uma historiografia do Não. Passa Palavra, 10 maio 2022. Disponível em: https://passapalavra.info/2022/05/143354/ Acesso em: 07 ago. 2022.

COURTINE, J-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Trad.: C. de Campos et al. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2009 [1981].

ERNST-PEREIRA, A.; QUEVEDO, M. Pré-construído e discurso-transverso: ferramentas de derrisão em uma charge de Latuff. Desenredo, Passo Fundo, RS, n. 2, v. 9, p. 325-339, jul./dez., 2013.

FANTINATO, M. Literatura e história: um diálogo possível. Ipotesi, Juiz de Fora, MG, n.2, v.21, p.12-19, jul./dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ipotesi/article/view/19441. Acesso em 20 set. 2022.

FARGE, A. Lugares para a história. Trad.: Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015 [1997].

FONSECA, R. O. A interdição discursiva: o caso da Conjuração baiana e outros limites à participação popular na História. Programa de Pós-Graduação em Letras/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (tese de doutorado), 2012.

FONSECA, R. O. A interdição discursiva na cassação do PCB em 1947. In: TFOUNI; STÜBE; PAULON (Orgs.), Silêncio e interdito: discursos em movimento. São Carlos, SP: Pedro & João, 2016, p. 203-239.

GADDIS, J. L. Paisagens da história: como os historiadores mapeiam o passado. Trad.: Marisa Rocha Motta. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

GLOZMAN, M. Linguística, materialismo, (inter)discurso: elemento para uma lectura de Las verdades evidentes. In: PÊCHEUX. Las verdades evidentes: lingüística, semántica, filosofia. Trad.: M. Glozman et al. Buenos Aires: CCC Floreal Gorini, 2016, p. 7-17.

GUILHAUMOU, J. Linguística e História: percursos analíticos de acontecimentos discursivos. Coord. da trad.: Roberto Baronas e Fábio César Montanheiro. São Carlos: Pedro & João Editores, 2009.

INDURSKY, F. A fala dos quartéis e as outras vozes. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1997.

NASIO, J.-D. Apresentação. In: NASIO, J-D (Org.). O silêncio em psicanálise. Trad.: Martha Prada e Silva. Campinas, SP: Papirus, 1989.

ORLANDI, E. P. Recortar ou segmentar? Linguística: Questões e Controvérsias, Uberaba, MG, p. 09-26, 1984.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6a edição. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007 [1992].

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automático do discurso: atualização e perspectivas. Trad.: Péricles Cunha. In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3a edição. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1997 [1975].

PÊCHEUX, M. Especificidade de uma disciplina de interpretação (a análise de discurso na França). Trad.: S. L. Gallo. In: PÊCHEUX; ORLANDI. Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Campinas, SP: 2011 [1984], p. 227-230.

RANCIÈRE, J. Os nomes da história: ensaio de poética do saber. Trad.: Eduardo Guimarães; Eni Orlandi. São Paulo: EDUC/Pontes, 1994.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Trad.: Alain François et al. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

ROBIN, R. História e Linguística. Trad.: A. Bolle. São Paulo: Cultrix, 1977.

ROBIN, R. A memória saturada. Trad.: Cristiane Dias; Greciely Costa. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2016 [2003].

SKINNER, Q. As fundações do pensamento político moderno. Trad.: R. J. Ribeiro; L. T. Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1996 [1978].

TAVARES, L. H. D. História da sedição intentada na Bahia em 1798 ("A Conspiração dos Alfaiates"). São Paulo: Pioneira, 1975.

TFOUNI, F. E. V. O interdito como fundador do discurso. Letras & Letras, Uberlândia, MG, n. 1, v. 22, p. 127-137, 2006.

TFOUNI, F. E. V. O interdito e o silêncio: duas abordagens do impossível na linguagem. Linguagem em (Dis)curso, n. 2, v. 8, p. 353-371, 2008.

VALIM, P. Corporação dos enteados: tensão, contestação e negociação política na Conjuração Baiana de 1798.Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em História Econômica, USP, 2012.

Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-02042013-115539/publico/2012_PatriciaValim_VCorr.pdf

Downloads

Publicado

2022-11-23

Como Citar

FONSECA, R. História, silêncio e condições interdiscursivas da produção do discurso. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, v. 25, n. n.esp, p. 166–181, 2022. DOI: 10.20396/lil.v26inesp.8671186. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8671186. Acesso em: 30 nov. 2022.