Banner Portal
O estatuto da sintaxe no sujeito histórico gramatical
Capa: Eckel Wayne sobre projeto gráfico original de Cláudio Roberto Martini.
PDF

Palavras-chave

Irregularidade
Gramática
Discurso

Como Citar

RASIA, Gesualda dos Santos. O estatuto da sintaxe no sujeito histórico gramatical: entre a regra e a transgressão. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 10, n. 19, p. 35–54, 2007. DOI: 10.20396/lil.v10i19.8672847. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8672847. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Gesualda Rasia examina historicamente, sob o olhar da Análise de Discurso, a abordagem dos fatos sintáticos por suas regulari­ dades ou por suas irregularidades nos estudos lingüísticos e gramaticais. Em seguida, a autora analisa enunciados de gramáticas brasileiras da década de 1930, nos quais observa o aparecimento da transgressão justamente na proposta de rigidez da regra. De acordo com ela, tais enunciados ilustram o convívio tenso que materializa a contradição inerente ao sujeito-histórico gramatical entre a homogeneidade do objeto teórico e a heterogeneidade do objeto real.

https://doi.org/10.20396/lil.v10i19.8672847
PDF

Referências

ARNAULD A. & LANCELOT (1992) Gramática de Port-Royal. São Paulo : Martins Fontes.

CHOMSKY, N. (1978) Aspectos da teoria da sintaxe. Coimbra : Armênio Amado, Editor.

CRUZ, J.M. da. (1938) Português prático: Gramática. São Paulo: Melhoramentos.

FERREIRA, M.C.L. (2000) Da ambigüidade ao equívoco: a resistência da língua nos limites da sintaxe e do discurso. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

GADET, F. e PÊCHEUX, M. (2004) A língua inatingível: o discurso na história da lingüística. Campinas: Pontes Editores, 2004.

GADET, F. (1987) Saussure : une science de la Zangue. Paris: Presses Universitaires de France.

LYONS, J. (1979) Introdução à lingüística teórica. São Paulo: Nacional Editora da USP.

MACAMBIRA, J.R. (1997) A estrutura morfo-sintática do português. São Paulo: Pioneira.

MACHADO FILHO, A. da M. (1938). Escrever certo. Rio de Janeiro: Ed.ABC.

MARANDIN, J.M. (1993) "Sintaxe, discurso: do ponto de vista da análise do discurso". ln: ORLANDI, E.P. (Org.). Gestos de leitura. Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

MILNER, J.C. (1987) O amor da língua. Porto Alegre: Artes Médicas.

ORLANDI, E.P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas, SP, Pontes Editores, 5ª edição, 2007.

PÊCHEUX, M. e FUCHS, C. A Propósito da Análise Automática do Discurso: Atualização e Perspectivas. (1975). ln: GADET & HAK (org). Por uma análise automática do discurso: uma introdução àobra de Michel Pêcheux. Campinas, Editora da Unicamp, 1990.

PÊCHEUX, M. (1975) Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1988.

RASIA, G. dos S. (2004) Os discursos sobre língua e ensino no Brasil da 1ª e da 2ª República: o duplo lugar da determinação e da contradição. 2004. 284 f. Tese de doutorado.Universidade Federal do Rio Grande do Sul , Porto Alegre.

SAUSSURE, F. de. (1916) Curso de lingüística geral. (org. por Charles Bally e Albert Sechehaye). São Paulo: Cultrix, 1994.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2007 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.