Banner Portal
Análise semântico-enunciativa da palavra feminicídio na Lei 13.104/2015 e em dicionários
PDF

Palavras-chave

Feminicídio
Designação
Crime
Assassinato

Como Citar

SANTOS, Nadia de Jesus. Análise semântico-enunciativa da palavra feminicídio na Lei 13.104/2015 e em dicionários. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 26, n. 51, p. 64–89, 2023. DOI: 10.20396/lil.v26i51.8672998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8672998. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Neste trabalho, realizamos um estudo semântico-enunciativo da palavra feminicídio, analisando suas designações a partir da teoria Semântica do Acontecimento. O corpus do trabalho é constituído por definições dessa palavra na  Lei 13.104/15, conhecida como Lei do Feminicídio, no Dicionário Online de Português e no dicionário Houaiss Uol. A movimentação de sentidos da palavra feminicídio em diferentes cenas enunciativas como forma de mostrar a sua importância para a denúncia da violência contra as mulheres nos instigou teoricamente. Tomamos o dicionário e a referida lei como instrumentos de gramatização, colocando-nos, com isso, no campo da História das Ideias Linguísticas.  Desse modo, consideramos o dicionário, assim como a Lei 13.104/2015, um instrumento linguístico, histórico e social que nos permite observar através da designação quais são os sentidos mantidos, quais se dividem, quais são acrescidos e quais são os possíveis silenciamentos. Utilizaremos os conceitos de enunciação, designação e espaço de enunciação, conforme concebidos por Guimarães (2018). Para a análise, levamos em consideração a polissemia da linguagem, que busca significar, ressignificar o real, e, nesse caso, dar visibilidade a sentidos ignorados pela sociedade, face à realidade brasileira, quinto país com maior taxa de assassinatos de pessoas do gênero feminino do mundo. 

https://doi.org/10.20396/lil.v26i51.8672998
PDF

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos do Estado: nota sobre aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. 3. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2014 [1992].

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. 4.ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

BRASIL. Lei do Feminicídio/2015. Disponível em: L13104 (planalto.gov.br). Acesso em: 14/12/2021.

BRASIL. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, 2002. Disponível em: D4377 (planalto.gov.br). Acesso em: 14/02/2022.

CAMPOS, C. H. Feminicídio no Brasil: uma análise crítico-feminista. In Sistema Penal e Violência, 2016, p. 103-115.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES. E. Semântica, Enunciação e Sentido. Campinas: Pontes, 2018.

GUIMARÃES, E. Domínio Semântico de Determinação. In A palavra: forma e sentido. Maria Cecília Mollica e Eduardo Guimarães (Orgs). Campinas: Pontes Editores, RG, 2007.

GUIMARÃES, E. Texto e Argumentação. Campinas: Pontes, 1987.

FEMINICÍDIO. In: DICÍO, Dicionário Online de Português. Porto, 7 Graus. Disponível em: https://www.dicio.com.br/. Acesso em: 12/06/2022

FEMINICÍDIO. In. Dicionário Houaiss Uol. BRASIL, Instituto Antônio Houaiss. Disponível em: https://houaiss.uol.com.br/corporativo/apps/uol_www/v6-1/html/index.php#2. BRASIL, Acesso em 12/06/ 2022.

FERREIRA, A. C. F. A análise de discurso e a constituição de uma História das Ideias Linguísticas do Brasil. Fragmentum, Santa Maria, n. Especial, p. 17-47, 2018.

LEANDRO FERREIRA, Maria C. Da ambiguidade ao equívoco: a resistência da língua nos limites da sintaxe. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

MACHADO, C. de P. A designação da palavra preconceito em dicionários atuais. 134 p. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem – Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 2007.

OLIVEIRA, S. E. Sobre o funcionamento do político na Linguagem. In: Linguagens e Instrumentos Linguísticos, 2014, p. 41-53.

OLIVEIRA, S. E. Cidadania: história política de uma palavra. Campinas: Pontes Editores, RG Editores, 2006.

ORLANDI, ENI. Análise De Discurso: princípios e procedimentos. 12. ed. Campinas: Pontes Editores, 2015.

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

ORLANDI, E Apresentação. In: ORLANDI, Eni P. (Org.). História das Ideias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas/Cáceres: Pontes/Unemat, 2001. p. 7-20.

ROMIO, J. A. F. Sobre o feminicídio, o direito da mulher nomear suas experiências. Revista do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, v.26.1, 2019, p. 79-102. de Janeiro, n.20.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Línguas e Instrumentos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.