Banner Portal
Marcadores discursivos, articulação narrativa e memória dos velhos de Arara em Teixeira de Freitas (BA)
PDF

Palavras-chave

Marcadores discursivos
Memória
Narrativa

Como Citar

CARMO, B. B. da S. Marcadores discursivos, articulação narrativa e memória dos velhos de Arara em Teixeira de Freitas (BA). Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 26, n. 52, p. 92–119, 2023. DOI: 10.20396/lil.v26i52.8673702. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8673702. Acesso em: 24 fev. 2024.

Resumo

Este artigo descreve as funções dos marcadores discursivos (MD) no processo de articulação de narrativas orais de velhos da comunidade Arara em Teixeira de Freitas (BA). Para tanto, o foco desloca-se às formas que exprimem (inter)subjetividade. Como enquadre teórico, a descrição apoia-se na Pragmática em perspectiva cognitivo-enunciativa e em estudos narratológicos de base interativa, precipuamente, nas obras de Alexandra Georgakopoulou e Neal Norrick. Metodologicamente, analisa-se um corpus de narrativas de 09 sujeitos da referida comunidade com destaque aos MD presentes nas pequenas estórias construídas conjuntamente na conversação. Como resultado, demonstra-se que os MD sinalizam o planejamento on-line das narrativas, procedimentos de engajamento e avaliação, além a marcação de reparos diante dos lapsos de memória. Diante disso, aponta-se para a importância das unidades na instanciação e organização da memória sociocognitiva no plano discursivo-narrativo.

https://doi.org/10.20396/lil.v26i52.8673702
PDF

Referências

ABREU, E. L. B. Identidade cultural: Comunidades quilombolas do extremo sul da Bahia em questão. Revista África e Africanidades, n. 8, p. 01-12, 2010.

ANTHONY, L. Developing AntConc for a new generation of corpus linguists. 2013. Disponível em: <http://www.laurenceanthony.net/research/20130722_26_cl_2013/cl_2013_paper_final.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2023.

AUTHIER-REVUZ, J. A representação do discurso outro: um campo multiplamente heterogêneo. Trad.: Heber Costa e Silva e Dóris de Arruda C. da Cunha. Investigações, v. 28, n. Especial. Recife: UFPE, 2015.

BASTOS, L. C. Narrativa e vida cotidiana. Scripta, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 118-127. 2004.

BASTOS, L. C.; BIAR, L. A. Análise de narrativa e práticas de entendimento da vida social. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 31, n. especial, p. 97-126, 2015.

BASTOS, L. C.; SANTOS, W. S. (Orgs.). A entrevista na pesquisa qualitativa. Rio de Janeiro: Quartet: Faperj, 2013.

BLAKEMORE, D. Relevance and meaning: the semantics and pragmatics of discourse markers. United Kingdom: Cambridge University Press, 2002.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, Santa Catarina, v. 02, n. 01, p. 68-80, 2005.

BOSI, E. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília – DF, n. 98, p. 44-46, 2016. Disponível em: < http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/reso_16.htm>. Acesso em: 10 mar. 2023.

CARMO, B. B. S. “Era assim que era...”: memórias, narrativas de velhos e sentidos de comunidade em Arara – Teixeira de Freitas (BA). 2021. 129f. Tese (Doutorado em Estado e Sociedade) – Programa de Pós-Graduação em Estado e Sociedade, Centro de Formação em Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do Sul da Bahia, Campus Sosígenes Costa, Porto Seguro, 2021a.

CARMO, B. B. S. Análise narrativa e memória social: retratos em pequenas estórias da comunidade Arara em Teixeira de Freitas (BA). Investigações (online), Recife, v. 34, p. 01-31, 2021b.

CARMO, B. B. S. Sobreposições na co-construção da memória na conversação: um estudo com narrativas de velhos da comunidade Arara em Teixeira de Freitas (BA). Signótica, Goiânia (UFG), v. 35, p. 01-34, 2023.

CLANDININ, D. J.; CONELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2015.

COURTINE, J. J. O tecido da memória: algumas perspectivas de trabalho histórico nas ciências da linguagem. Polifonia, Cuiabá: UFMT, v. 12, n. 02, p. 01-13, 2006.

COUTRIM, R. M. E. Algumas considerações teóricas e metodológicas sobre estudos de sociologia do envelhecimento. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 9, n. 3, pp. 67-88, 2006.

FLANNERY, M. R. S. Uma introdução à análise linguística de narrativa oral: abordagens e modelos. Coleção: Novas Perspectivas em Linguística Aplicada v. 42. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.

GEORGAKOPOULOU, A. Small stories research. In: DE FINA, A.; GEORGAKOPOULOU, A. (orgs.) The handbook of narrative analysis. London: Willey Blackwell, 2015, p. 256-271.

GOODWIN, C. Narrative as talk-in-interaction. In: DE FINA, A.; GEOGAKOPOULOU, A. The handbook of narrative analysis. London: John Wiley & Sons, 2015, pp. 195–218.

HIRST, W.; ECHTERHOFF, G. Remembering in Conversations: The Social Sharing and Reshaping of Memories. Annu. Rev. Psychol., Princeton, v. 63, n. 21, p. 01-25, 2012.

JUBRAN, C. C. A. S. “Revisitando a noção de tópico discursivo”. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas: IEL/Unicamp, v. 48, n. 1, p. 33–42, 2011.

JUBRAN, C. C. A. S. Tópico discursivo. In: JUBRAN, C. S. (Org.) A construção do texto falado: gramática do português culto falado no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015, p. 85-126.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. A noção de ‘negociação’ em análise da conversação: o exemplo das negociações de identidade. Tradução de Fernando Afonso de Almeida. In: Gragoatá, Niterói, n. 11, p. 157-176, 2011.

LABOV, W. Alguns passos iniciais na análise da narrativa. Tradução de Ferreira Netto. The Journal of Narrative and Life History, New Jersey v. 7, n. 01-04, p. 395-415, 1997.

NORRICK, N. R. Collaborative remembering in conversational narration. Topics in Cognitive Science, New Jersey v. 11, p. 733–751, 2019.

PAVEAU, M. A. Memória, des-memória, a-memória: quando o discurso volta-se para seu passado. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 5, p. 137-161, 2015.

PAVEAU, M. A. Os pré-discursos. Tradução Greciely Costa e Débora Massmann. Campinas, SP: Pontes, 2013.

PENHAVEL, E. Sobre as funções dos marcadores discursivos. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 34, p. 1296-1301, 2005.

PENHAVEL, E. O funcionamento de marcadores discursivos no processo de estruturação interna de segmentos tópicos mínimos. Revista Línguas, Campinas, n. 2728, p. 63-84, 2011.

PORTOLÉS, J. Marcadores del discurso. Barcelona: Ariel S.A, 2001.

PRETI, D. A linguagem dos idosos: um estudo de análise da conversação. São Paulo: Contexto, 1991.

PRETI, D. (org.). O discurso oral culto. 3 ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2005.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M.O.; URBANO, H. Marcadores discursivos: traços definidores. In: KOCH, I. G. V. (Org.) Gramática do Português Falado. 2 ed. Volume VI: Desenvolvimentos. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

SPERBER, D.; WILSON, D. Relevância: comunicação e cognição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

WERTSCH, J. V. The Narrative Organization of Collective Memory. Ethos, Brooklyn v. 36, n. 01, p. 120–135, 2006.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Línguas e Instrumentos Línguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.