Paradoxo de Moore e a lógica da crença

Autores

Palavras-chave:

Paradoxo de Moore, Lógica de crença, Hintikka, Lógica epistêmica

Resumo

O paradoxo de Moore é um caso de teste para qualquer teoria formal da crença. Em Knowledge and Belief, Hintikka desenvolveu uma lógica multimodal para afirmações que expressam sentenças contendo as noções epistêmicas de conhecimento e crença. Seu relato pretende oferecer uma explicação do paradoxo. Neste artigo, argumento que a interpretação de Hintikka de um dos operadores doxásticos é filosoficamente problemática e leva a um sistema lógico desnecessariamente forte. Eu ofereço uma alternativa mais fraca que captura de uma maneira mais precisa nossas intuições lógicas sobre a noção de crença sem sacrificar a possibilidade de fornecer uma explicação para casos problemáticos como o Paradoxo de Moore.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrés Páez, Universidade dos Andes

Doutor em Filosofia pela University of New York. Professor Associado da Universidad de los Andes.

 

Referências

Hintikka, J. (1962). Knowledge and belief: An introduction to the logic of the two notions. Ithaca: Cornell University Press.

Green, M. S., & Williams, J. N. (Eds.) (2007). Moore's Paradox: New essays on belief, rationality and the first-person. New York: Oxford University Press.

Moore, G. E. (1942). A reply to my critics. In P. A. Shilpp (Ed.), The philosophy of G. E. Moore. New York: Tudor Publishing Company.

_____. (1944). Russell’s ‘theory of descriptions’. In P. A. Shilpp (Ed.), The philosophy of Bertrand Russell. New York: Tudor Publishing Company.

Rieger, A. (2015). Moore’s paradox, introspection and doxastic logic. Thought, 4, 215–227.

Searle, J. (1969). Speech acts: An essay in the philosophy of language. Cambridge: Cambridge University Press.

Downloads

Publicado

2020-06-19

Como Citar

PÁEZ, A. . Paradoxo de Moore e a lógica da crença. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 43, n. 2, p. 1–15, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8661003. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos