Banner Portal
A relevância da discussão cética sobre a natureza do signo
PDF

Palavras-chave

Signos
Sexto Empírico

Como Citar

SOUZA FILHO, Danilo Marcondes de. A relevância da discussão cética sobre a natureza do signo. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 399–412, 1999. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8666499. Acesso em: 16 jul. 2024.

Resumo

A defesa pelos céticos antigos do signo comemorativo ou mnemônico como unidade de significação (in Sexto Empírico, Hipotiposes II, caps. X e XI e Contra os Lógicos II, caps. II e III) pode ser considerada uma das poucas teses positivas mantidas pelo ceticismo. Questionando a distinção estóica entre signos comemorativos e signos indicativos, os céticos mantém apenas a validade dos primeiros. Examinaremos os argumentos céticos contra o signo indicativo como estabelecendo esquemas inferenciais e discutiremos se a tese cética se sustenta, isto é, se é possível supormos a existência de uma linguagem consistindo apenas de signos comemorativos, o que parece difícil. Proporemos como solução para esta dificuldade uma interpretação pragmática da concepção cética de signo comemorativo.

PDF

Referências

Desbordes, F. (1982). Le language sceptique, Langages, 65, mars 1982.

Ebert, T. (1987) The Origino f the Stoic Theory of Signs in Sextus Empiricus, Oxford Studies in Ancient Philosophy, 5.

Empiricus, S. (1976). Works (Cambridge, Mass. /London, Harvard University Press & Heinemmann), trans. R.G. Bury, 4 vols.

Empiricus, S. 1995. Outlines of Scepticism (Cambridge, Cambridge University Press), trans. J. Annas and J. Barnes.

Empiricus, S. (1996). The Sceptic Way (Oxford, Oxford University Press), trans. B. Mates.

Glidden, D. (1983). Skeptic Semiotics, Phronesis.

Glidden, D. (1994). Parrots, Pyrrhonists and Native Speakers in S. Everson, Language, Companions to Ancient Thought 3 (Cambridge, Cambridge University Press).

Hankinson, R.J. (1995). The Sceptics (London, Routledge).

Ottoni, P (1997). Visão Performativa da Linguagem (Campinas, EdUnicamp).

Popkin, R. (1979). The History of Scepticism from Erasmus to Spinoza (Berkeley/Los Angeles, University of California Press).

Stough, C. (1969). Greek Scepticism (Berkeley/ Los Angeles, University of California Press).

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1999 Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia

Downloads

Não há dados estatísticos.