Banner Portal
Intentional and physical relations
PDF

Palavras-chave

Intencionalidade
Filosofia da ciência cognitiva
Relações mentais
Bretano

Como Citar

HOROWITZ, Amir. Intentional and physical relations. Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 55–67, 1990. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8667369. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

Segundo Bretano, todos os fenômenos mentais – e só eles – possuem Intencionalidade. Isto é, eles são inerentemente dirigidos a objetos: em uma representação, algo é representado: em um juízo, algo é afirmado ou negado; etc. Isto, porém não parece explicar a peculiaridade do mental, pois o mesmo se dá com muitos fenômenos físicos: ao golpear, algo é golpeado; ao comer, algo é comido; etc. Em que se distingue, então, o mental ao ser denominado ‘Intencional’? Ataco esta questão concentrando-me no caráter relacional dos atos físicos e mentais. Na parte A procuro mostrar que as relações Intencionais são ‘essenciais’ em um sentido em que as relações físicas não são: as primeiras são necessárias, enquanto que as últimas são contingentes. Na parte B, argumento que as ‘relações físicas não são relações reais, e que podem ser completamente descritas em linguagem não relacional. Relações mentais, por outro lado, não podem ser completamente descritas em linguagem não-relacional. Portanto, a redução psico-físicas é impossível. Na parte C, mostro que também as ‘relações’ mentais não são relações reais. Ainda assim, sua Intencionalidade diferencia radicalmente os atos mentais dos atos físicos, e assim exclui a possibilidade da redução psico-fisica.

PDF

Referências

Bretano, F. (1874). Psychology from na Empirical Standpoint. Transl. by D.B. Terrel, A.C. Rancurelo, L.L. McAlister. New York: Humanities, 1973.

Dennet, D.C. (1978). Brainstorms. Cambridge, Mass. : MIT Press.

Knowles, M. (1980), Some Remarks on the Intentionally of Thought, Philosophy and Phenomenological Research 41: 267-279.

Putman, H. (1975). The meaning of ‘meaning', in his Mind, Language and Reality. Cambridge: Cambridge University Press, 215-271.

Richardson, R.C. (1982). Internal Representaition: Prologue to a Theory of Intentionality, J.I. Biro and R.W. Shahan (eds.), Mind, Brain and Function. Norman: University of Oklahoma Press. 171-211.

Searle, J.R. (1976). Intentionality and the Use of Language, in A. Margalit (ed.), Mearning and Use. Dordrecht: Reidel, 181-197.

Thompson, D.L. (1986). Intentionality and Casuality in Jonh Searle, Canadian Journal of Philosophy 16: 83-97.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1990 Manuscrito: Revista Internacional de Filosofia

Downloads

Não há dados estatísticos.