Inovação, Recursos e Comprometimento: Em Direção a uma Teoria Estratégica da Firma

Autores

  • Leonardo Burlamaqui Universidade Estadual do Rio de Janeiro
  • Adriano Proença Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v2i1.8648869

Palavras-chave:

Economia evolucionária. Visão baseada em recursos. Capacidades dinâmicas. Processo estratégico. Gestão de estratégias sob incerteza.

Resumo

O artigo se insere no esforço, atualmente em curso, de articulação conceitual entre as teorias da concorrência e da inovação forjadas pela teoria econômica Evolucionária e a teoria da firma desenvolvida pela Visão Baseada em Recursos (VBR) na área de gestão estratégica. Ele o faz em três planos: (i) sublinhando a convergência e complementaridade entre as proposições centrais da teoria econômica Evolucionária e a da VBR; (ii) trazendo à luz uma segunda convergência: da relação entre decisões empresariais sob incerteza e seu impacto econômico, associadas à perspectiva pós-keynesiana; (iii) mostrando como os modelos de processos de formação e gestão de estratégias empresariais vêm oferecendo proposições úteis, coerentes e complementares com este mesmo quadro conceitual. A proposição fundamental do artigo é que a referida articulação aponta para uma teoria estratégica da firma centrada nas relações entre concorrência, inovação, competitividade, decisões sob incerteza, comprometimento e busca de liquidez.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Burlamaqui, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

eonardo Burlamaqui concluiu o doutorado em Economia da Industria e da Tecnologia em 1995, pela UFRJ com a tese "Capitalismo Organizado no Japão- Uma interpretação a partir de Schumpeter, Keynes e Polanyi". Atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Evolução Econômica da Faculdade de Ciências Economicas da UERJ.

Adriano Proença, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Engenheiro de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Especialização em Automação Industrial pela Ecole Nationale dIngenieurs de Tarbes (ENIT/França), Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com doutorado-sanduíche na Warwick University (UK). Atualmente é Professor Associado do Departamento de Engenharia Industrial da Escola Politécnica e colaborador do Programa de Engenharia de Produção da COPPE, ambas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

Barney, J. B., “Strategic factor markets: Expectation, luck and business strategy”, in management Science, v. 32, p. 1231-1241, 1986.

Baumol, W., The Free- Market Innovation Machine. Princeton University Press, 2000.

Burlamaqui, L., “Capitalismo Organizado no Japão, uma interpretação a partir de Schumpeter, Keynes e Polanyi”. Tese de Doutoramento, IE/UFRJ, 1995.

Burlamaqui, L.; Proença, A., “Decisões sob Incerteza, Concorrência e Estratégias: uma proposta de síntese conceitual”. In Arché Interdisciplinar, Rio de Janeiro, v. 15, 1997.

Burlamaqui, L., “Evolutionary Economics, Strategic Mangement and Uncertainty: A Commitment-Capabilities Approach”. Trabalho apresentado na Eigth (Millenium) Conference: Change, Development and Transformation: Scumpeterian Perspectives. International J. A. Schumpeter Society. Manchester: 2000.

Carvalho, F., “On the Concept of Time in Schacklean and Sraffian Economics”, in Jounal of Post Keynesian Economics, inverno, 1983/4.

Chandler, A., Strategy and Structure, Cambridge, MA: MIT Press, 1962.

Christensen, C. M., The Innovator’s Dilemma, New York: Harper Collins, 1997.

Christensen, C. M.; Overdorf, M., “Meeting the Challenge of Disruptive Change”, in Harvard Business Review, mar.-abr., p. 66-76, 2000.

Collis, D. E.; Montgomery, C., Corporate Strategy: Resources and the Scope of the Firm, Chicago: Irwin, 1997.

Davidson, P., Money and the Real World, Londres: MacMillan, 1984.

Dierickx, I. E.; Cool, K., “Asset stock accumulation and sustainability of competitive advantage”, in Management Science, v. 35, n. 12, p. 1504-1514, 1989.

Dosi, G.; Coriat, B., “Problem-Solving and Coordination-Governance: Advances in a Competecnce-Based Perspective on The Theories of The Firm”, in Revista Brasileira de Inovação, v. 1, n. 1, jan./jun., 2002.

Eisenhardt, K. M.; Sull, D. N., “Strategy as Simple Rules”, in Harvard Business Review, jan., p. 106-119, 2001.

Fligstein, N., “The Architecture of Markets”, Princeton: Princeton University Press, 2002.

Foss, N. (org.), Resources, Firms and Strategies. New York: Oxford University Press, 1997.

Fujimoto, T., “Reinterpreting the Resource-Capability View of the Firm: a Case of Development-Production Systems of the Japanese Auto-Makers” in Chandler Jr., A. D.; Hasgström, P.; Sölvell, Ö., The Dynamic Firm. Oxford: Oxford University Press, 1998.

Ghemawat, P., “Commitment: The Dynamic of Strategy”, in The Free Press, New York: 1991.

Ghemawat, P., Strategy and the Business Landscape. Reading, MA: Addison-Wesley, 1999.

Ghemawat, P.; Pisano, G., “Building and Sustaining Success”, in Ghemawat, P.; Strategy and the Business Landscape, Addison-Wesley, Reading, MA, 1999.

Ghoshal, S.; Bartlett, C. A., The Individualized Corporation, New York: Harper Business, 1997.

Kregel, J. A.; Burlamaqui, L., “Innovation, Organizational Capabilities and Finance – A Theoretical Contribution for Rethinking Development”, in De Paula, S.; Dymski, G. A. (orgs.) Reimagining Growth. E. Elgar (no prelo), 2003.

Leonard-Barton, D., “Core Capabilities and Core Rigidities: A Paradox in Managing new Product Development” in Strategic Management Journal, v. 13, p. 111-125, 1992.

Loasby, B., Equilibrium and Evolution. U.K.: Manchester University Press, 1991.

Magnusson, L. (org.), Evolutionary and Neo-Schumpeterian Approaches to Economics, Kluwer Press, 1994.

Minsky, H., “Uncertainty and The Institutional Structure of Capitalist Economies”, Jerome Levy Institute, Ensaio para trabalho, n. 155,1996.

Mintzberg, H.; Ahlstrand, B. E.; Lampel, J., Strategic Safari: a guided tour through the wilds of strategic management, New York: The Free Press, 1998.

Mintzberg, H., “Strategy-Making in Three Modes”, in California Management Review, v. 16, n. 2, p. 44-53, inverno, 1973.

Mintzberg, H., “Patterns in Strategy Formation”, in Management Science, v. 24, n. 9, maio, 1978.

Mintzberg, H.; Quinn, J.B. (orgs.), The Strategy Process: Concepts, Contexts, Cases, Prentice-Hall International, 3a ed., London, 1996.

Mintzberg, H.; Waters, J. A., “Of Strategies, Deliberate and Emergent”, in Strategic Management Journal, v. 6, p. 257-272, 1985.

Montgomery, C. (org.), Resource-Based and Evolutionary Theories of the Firm – Towards a Synthesis. Kluwer Press, 1995.

Nelson, R.; Winter, S., An Evolutionary Theory of Economic Change, Cambridge: Harvard University Press, 1982.

Nelson, R., The Sources of Economic Growth, Cambridge, Mass.: Harvard University Press,1996.

Penrose, E., The Theory of the Growth of the Firm, 3ª ed, New York: Oxford University Press, 1995. Ed. original em 1959.

Peteraf, M. , “The Cornerstones of Competitive Advantage: A Resource-Based View”, in Strategic Management Journal, v.14, p.179-88, 1993.

Porter, M., “What is Strategy?”, in Porter, M., On Competition, Cambridge: Harvard Business School Press, 1998. 1ª ed., Harvard Business Review, nov./dez., 1996.

Porter, M., Competitive Advantage, New York: The Free Press, 1985.

Porter, M., Competitive Strategy: Techniques for Analyzing Industries and Competitors, New York: The Free Press, 1980.

Possas, M.L., “Elementos para uma integração Micro-macroeconômica na Teoria do Desenvolvimento Econômico”, in Revista Brasileira de Inovação, v. 1, n. 1, jan./jun., 2002.

Potts, J., The New Evolutionary Microeconomics – Complexity, Competence and Adaptative Behaviour, Cheltenham: Edward Elgar, 2000.

Proença, A.; Caulliraux, H.; Cameira, R.; Business Strategy and Management Models: A Contemporary Approach. Salvador: VII ICIE; 2001.

Proença, A., “Estratégia Competitiva e Estratégia de Produção: uma Introdução Esquemática”, in Caulliraux, H.; Costa, L. S. S. (orgs.), Manufatura Integrada por Computador, Rio de Janeiro: Editora Campus, 1995.

Quinn, J. B., Intelligent Enterprise. New York: John Wiley & Sons, 1992.

Rumelt, R. P.; Schendel, D. E.; Teece, D. J. (orgs.), Fundamental Issues in Strategy, Cambridge, MA: Harvard Business Scholl Press, 1995.

Schumpeter, J., Capitalismo, Socialismo e Democracia, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1984.

Schumpeter, J., “Towards a strategic theory of the firm”, in Lamb, R.B. (org.), Competitive Strategic Management, Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1984.

Sennett, R., Corrosão do Caráter. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.

Shackle, G., Epistemics and Economics, Transaction Books, 1992, ed. orig. em 1972.

Teece, D., Managing Intellectual Capital. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Teece, D.; Pisano, G.; Schuen, A., “Dynamic Capabilities and Strategic Management”, in Foss, N. (org.), Resources, Firms and Strategies, Oxford: Oxford University Press, 1997.

Wernerfelt, B., “A Resource-Based View of the Firm”, in Strategic Management Journal, v. 5, p.171-180, 1984.

Downloads

Publicado

2009-08-17

Como Citar

BURLAMAQUI, L.; PROENÇA, A. Inovação, Recursos e Comprometimento: Em Direção a uma Teoria Estratégica da Firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 79–110, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v2i1.8648869. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648869. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos