Innovation and the Development Convention in Brazil

Autores

  • Fabio Stefano Erber Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v3i1.8648891

Palavras-chave:

Desenvolvimento econômico. Inovação. Convenção. Estratégia de desenvolvimento.

Resumo

Durante os anos noventa a economia brasileira foi governada por uma visão específica do processo de desenvolvimento econômico que enfatizava o papel do progresso técnico como um meio para atingir crescimento econômico rápido e estável. Não obstante, o grau de inovação tecnológica endógena no Brasil permanece muito baixo. Este artigo explora a conjectura de que este último resultado é uma conseqüência da visão hegemônica de desenvolvimento. A primeira seção do artigo apresenta dados quantitativos e qualitativos para apoiar nossa afirmativa a respeito da inovação da economia brasileira. A segunda seção argumenta que a “visão de desenvolvimento” pode ser tratada como uma “convenção”, um conjunto de crenças compartilhado pelos tomadores de decisão, utilizado para identificar os principais problemas que uma estratégia de desenvolvimento deve enfrentar e os meios adequados para resolver estes problemas. Uma convenção de desenvolvimento contém também uma agenda “negativa” — questões e soluções que devem ser evitados. A mesma seção analisa a convenção de desenvolvimento que foi hegemônica dos anos noventa até a data do artigo (2002) e as implicações de suas agendas — positiva e negativa — para o desenvolvimento tecnológico, supondo que a convenção tivesse funcionado como seus defensores acreditavam. Os resultados hipotéticos são consistentes com os fatos relatados na seção inicial. A última seção comenta o efetivo funcionamento da convenção de desenvolvimento, argumentando que a prática exacerbou as características tecnológicas presentes na “forma pura” da convenção. Na conclusão, discute-se brevemente o papel da inovação numa nova convenção de desenvolvimento que delineava-se à época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Stefano Erber, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1965), Mestrado em Economia do Desenvolvimento pela University of East Anglia (1971), Doutorado em Economia pela University of Sussex (1978) e pós-Doutorado na Universidade de Paris XIII (2007). Atualmente é professor titular do Insituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Batista, J.; Fritsch, W., “Dinâmica Recente das Exportações Brasileiras (1979-90)”, in Velloso. J.; Fritsch, W. (orgs.), A Nova Inserção Internacional do Brasil, Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1993.

Carvalho, P., “As Causas do Aumento da Produtividade da Indústria Brasileira nos anos 90”, PhD thesis, Rio de Janeiro: IE/UFRJ, 2000.

Castro, A., “Renegade Development: Rise and Demise of State-Led Development in Brazil”, in Smith, W.; Acuña, C.; Gamarra, E. (eds.), Democracy, Markets and Structural Reform in Latin America, Transactions Publishers, 1993.

Castro, A.; Proença, A., “Novas Estratégias Industriais: Sobrevida ou Inflexão?”, mimeo, Rio de Janeiro: Fórum Nacional, 2001.

Erber, F., “Science and Technology Policy in Brazil: a Review of the Literature”, in Latin American Research Review, v.16, n.1, 1981.

Erber, F.; Amaral, L., “Os Centros de Pesquisa das Empresas Estatais: um Estudo de Três Casos”, in Schwartzman, S. (org.), Política Industrial, Mercado de Trabalho e Instituições de Apoio, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1995.

Erber, F., “O Sistema de Inovações em uma Economia Monetária: uma Agenda de Pesquisas”, in Cassiolato, J. E.; Lastres, H. (orgs.), Globalização & Inovação Localizada — Experiências de Sistemas Locais no Mercosul , Brasília: IBICT/MCT, 1999.

Franco, G., “Inserção Externa e Desenvolvimento”, in Revista de Economia Política, v.18, n.3, 1998.

Lall, S., “The East Asian Miracle: does the bell toll for industrial strategy?”, in World Development, v.22, n.4, 1994.

Lakatos, I., “Falsification and Methodology of Scientific Research Programmes”, in Lakatos, I.; Musgrave, A. (eds.), Criticism and the Growth of Knowledge, London: CUP, 1970.

Laplane, M.; Sarti, F., “Novo Ciclo de Investimentos e Especialização Produtiva”, in Reis Velloso, J.P. (org.), O Brasil e o Mundo no Limiar do Novo Século, Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1998.

MCT — Ministério da Ciência e Tecnologia (2001) — Ciência, Tecnologia e Inovação: Desafio para a Sociedade Brasileira, Brasília: Livro Verde.

Moreira, M., “A Indústria Brasileira nos Anos 90: o Que Já se Pode Dizer?”, in Giambiagi, F.; Moreira, M. (orgs.), A Economia Brasileira nos Anos 90, Rio de Janeiro: BNDES, 1999a.

Nath, S., A Reappraisal of Welfare Economics, London: Routledge and Kegan Paul, 1969.

Quadros, R.; Furtado, A.; Bernardes, R.; Franco, E., “Technological Innovation in Brazilian Industry: an Assessment Based on the São Paulo Innovation Survey”, Austin: International Conference on Technology Policy and Innovation, mimeo, 1999.

Schön, D., “Generative metaphor: A Perspective on Problem-Setting in Social Policy”, in Ortony, A. (ed.), Metaphor and Thought, Cambridge University Press, 1993.

SOBEET — Sociedade Brasileira para o Estudo de Empresas Transnacionais — “Comportamento Tecnológico das Empresas Transnacionais em Operação no Brasil”, in Conjuntura Econômica, março, 2000.

Sabóia, J.; Carvalho, P., “Produtividade na Indústria Brasileira: Questões Metodológicas e Análise Empírica”, in Texto para Discussão 504, Rio de Janeiro: IPEA, 1997.

Downloads

Publicado

2009-08-17

Como Citar

ERBER, F. S. Innovation and the Development Convention in Brazil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 35–54, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v3i1.8648891. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648891. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos