Banner Portal
Abordagem Alternativa do Crescimento Agrícola: um modelo de dinâmica evolucionária
PDF

Palavras-chave

Teoria evolucionária. Dinâmica agrícola. Competição. Mudança tecnológica.

Como Citar

VIEIRA FILHO, José Eustáquio Ribeiro; CAMPOS, Antônio Carvalho; FERREIRA, Carlos Maurício de Carvalho. Abordagem Alternativa do Crescimento Agrícola: um modelo de dinâmica evolucionária. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 425–476, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v4i2.8648919. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648919. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

O artigo visa analisar a economia agrícola sob o enfoque da teoria evolucionária. O referencial teórico a ser objeto de estudo, contrário às concepções ortodoxas, baseia-se nos pressupostos de incertezas do ambiente, racionalidade limitada dos agentes, no desequilíbrio dinâmico e na instabilidade estrutural. No intuito de comparar a evolução tecnológica na agricultura com os padrões regionais dos sistemas agroindustriais brasileiros, procurou-se, de um lado, realizar, por meio de indicadores de localização e especialização, uma análise de concentração regional e, por outro, construir um Modelo Evolucionário de Crescimento Agrícola, aqui denominado MECA, que permite simular o provável comportamento da agricultura produtora de grãos. Dentro dessa orientação, foi possível identificar a região dinâmica agroindustrial bem como padrões de comportamento das mudanças técnicas na agricultura. Em um ambiente de competição tecnológica, o modelo mostra que a competição pelos recursos produtivos nos complexos agroindustriais produtores de grãos leva à busca permanente de inovações, caracterizando uma dinâmica evolucionária entre as atividades e uma maior concentração do capital setorial e regional.
https://doi.org/10.20396/rbi.v4i2.8648919
PDF

Referências

AGRIANUAL – Anuário da Agricultura Brasileira, São Paulo: FNP, 2002.

Albuquerque, E. M., “Immature Systems of Innovation: Introductory Notes About a Comparison Between South Africa, India, Mexico and Brazil Based on Science and Technology Statistics”, in Conferência Internacional de Sistemas de Inovação e Estratégias de Desenvolvimento para o Terceiro Milênio, 2003, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ/IE, 2003. CD-ROM.

Binger, B.R.; Hoffman, E., Microeconomics with Calculus, 2.ed., Nova York: Addison-Wesley, 1998.

Burnham, T. C., Essays on Genetic Evolution and Economics, Cambridge, Massachusetts: Harvard University, 1997. (Tese de Doutorado).

Cavalcanti Filho, P. F. M. B., Ciclo Econômico e Instabilidade Estrutural: um modelo evolucionário multissetorial Minsky-Keynes-Schumpeteriano, Rio de Janeiro: IE-UFRJ, 2002. (Tese de Doutorado)

Cerqueira, H.E.G., Economia Evolucionista: um capítulo sistêmico da teoria econômica?, Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 27p., 2000 (Texto para Discussão, 150).

Crocco, M. A., Uncertainty, Technical Change and Effective Demand, Londres: University of London, 1999, (Tese de Doutorado).

Desmond, A.; Moore, J., Darwin: a Vida de um Evolucionista Atormentado, 3.ed., São Paulo: Geração Editorial, 2000.

Dosi, G.; Egidi, M., “Substantive and Procedural Uncertainty”, in Journal of Evolutionary Economics, n.1, abr., p.145-168, 1991.

Dosi, G.; Freeman, C.; Nelson, R.; Silverberg, G.; Soete, L., Technical Change and Economic Theory, Londres: Pinter Publishers, 1988.

Dosi, G., Innovation, Organization and Economic Dynamics: Selected Essays, Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2000.

Dosi, G., Technical Change and Industrial Transformation, Nova York: St. Martin’s Press: 1984.

Ferguson, C. E., Microeconomic Theory, 3.ed. Homewood/Illinois: Richard D. Irwin, 1972.

Food and Agriculture Organization of the United Nations – FAO. Statistical Databases (vários anos). [s.l.], 2003. Disponível em: http://www.fao.org

Foss, N. J., “Why Transaction Cost Economics Needs Evolutionary Economics, in Revue D’économie Industrielle, [s.l.], n.68, p.7-25, 1994.

Gujarati, D. N., Econometria Básica, 3.ed., São Paulo: Makron Books, 2000.

Haddad, P. R., “Medidas de Localização e de Especialização”, in Haddad, P. R.; Ferreira, C. M. C.; Boisier, S.; Andrade, T. A., Economia Regional: teorias e métodos de análise, Fortaleza: Banco do Nordeste, p.225-245, 1989.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Levantamento Sistemático da Produção Agrícola – LSPA, Pesquisa Industrial Anual – PIA, Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica – PINTEC, Produção Agrícola Municipal – PAM (tabulações especiais – vários anos). Rio de Janeiro, 2003.

Isard, W., Methods of Regional Analysis: an introduction to regional science, Cambridge: MIT Press, cap.5, p.122-181. cap.7, p.232-308, 1960.

Kon, A., Economia Industrial, São Paulo: Nobel, 1999.

Lott Jr., J. R. (org.), Uncertainty and Economic Evolution: essays in honor of Armen A. Alchian, Londres: Routledge, 1997.

Metcalfe, J. S., Ramlogan, R., Uyarra, E., “Economic Development and the Competitive Process”, in Conferência Internacional de Sistemas de Inovação e Estratégias de Desenvolvimento para o Terceiro Milênio, 2003, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ/IE, 2003. CD-ROM.

Nelson, R. R.; Winter, S., An Evolutionary Theory of Economic Change, Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1982.

Pavitt, K., “Sectoral Patterns of Technical Change: Towards a Taxonomy and a Theory, in Research Policy, n.13, p.343-373, 1984.

Possas, M. L.; Koblitz, A.; Licha, A.; Oreiro, J. L.; Dweck, E., “Um Modelo Evolucionário Setorial”, in Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.3, p.333-377, jul./set. 2001.

Possas, M. L., “Concorrência Schumpeteriana”, in Kupfer, D.; Hasenclever, L. (orgs.), Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil, Rio de Janeiro: Campus, cap.17, p.415-429, 2002a.

Possas, M. L., “Elementos para uma Integração Micro-macrodinâmica na Teoria do Desenvolvimento Econômico”, in Revista Brasileira de Inovação. Rio de Janeiro, v.1, n.1, p.123-149, jan./jun. 2002b.

Saviotti, P.; Metcalfe, J. S., Evolutionary Theories of Economic and Technological Change: present status and future prospects, Londres: Harwood University Press, 1991.

Schumpeter, J. A., História da Análise Econômica, v.2, São Paulo: Fundo de Cultura, 1964.

Sicsú, A. B.; Lima, J. P. R., “Fronteiras Agrícolas no Brasil: a lógica de sua ocupação recente”, in Nova Economia, Belo Horizonte, v.10, n.1, p.109-138, jul., 2000.

Solow, R. M., “Technical Change and the Aggregate Production Function, in Lindauer, J. (org.). Macroeconomic Readings, USA: The Free Press/ Macmillan, p.71-179, 1968.

Valente, M., Evolutionary Economics and Computer Simulation: a model for the evolution of markets, Dinamarca: University of Aalborg, 3v., 1999. (Tese de Doutorado)

Vieira Filho, J. E. R., Abordagem Evolucionária da Dinâmica do Setor Agrícola, Viçosa: UFV, 2004. (Dissertação de Mestrado)

Williamson, O. E., “The Logic of Economic Organization”, in Williamson, O. E.; Winter, S.G. (orgs.). The Nature of the Firm: origins, evolution, and development, Nova York: Oxford University Press, cap.7, p.90-116, 1993.

O conteúdo dos artigos e resenhas publicados na RBI são de absoluta e exclusiva responsabilidade de seus autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.