Aspectos Conceituais do Financiamento à Inovação

Autores

  • Solange Corder Universidade Estadual de Campinas
  • Sérgio Salles Filho Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v5i1.8648923

Palavras-chave:

Investimento. Financiamento. Política de inovação. Finance. Funding.

Resumo

O presente artigo trata de questões relativas aos determinantes do financiamento da inovação. Ele traz tanto uma abordagem conceitual quanto prática. No primeiro plano procura-se, com base nos conceitos de investimento e financiamento, subsídios para se compreender os determinantes da decisão de investimento em geral e em inovação em particular. Discute-se como as variáveis de finance e funding, importantes em todo o circuito financeiro de criação de capital para o investimento, afetam o investimento em inovação. Discutem-se, ainda, as relações entre poupança e investimento, e suas relações com o fomento à inovação. No plano prático, aponta-se como essas questões poderiam ser consideradas para a ampliação da capacidade das políticas de incentivo às atividades de inovação, particularmente em países menos desenvolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Corder, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Política Científica e Tecnológica pelo DPCT/IG/Unicamp, Campinas-SP, e Pesquisadora do Grupo de Estudos sobre a Organização da Pesquisa e Inovação (GEOPI/DPCT/IG/Unicamp).

Sérgio Salles Filho, Universidade Estadual de Campinas

Professor Doutor do Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT/IG/Unicamp), Campinas-SP, e Coordenador do Grupo de Estudos sobre a Organização da Pesquisa e Inovação (GEOPI/DPCT/IG/Unicamp).

Referências

Baer, M., O Rumo Perdido: a crise fiscal e financeira do Estado brasileiro, RJ: Paz e Terra, 213 p., 1993.

Bastos, V.D., “Fundos públicos para ciência e tecnologia”, Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v.10, n.20, p.229-260, dez., 2003.

Brito Cruz, C.H., “A universidade, a empresa e a pesquisa que o país precisa”, Parcerias Estratégicas, n.3, p.5-30, maio, 2000.

Carvalho, C.E., O Que Todo Cidadão Precisa Saber Sobre Mercado Financeiro, SP/ RJ: Global Editora e Distribuidora, 1986.

Carvalho, F.J.C.; Souza, F.E.P.; Sicsú, J., Economia Monetária e Financeira: teoria e política, Rio de Janeiro: Campus, 2001.

Costa, F.N., Economia Monetária e Financeira: uma abordagem pluralista, São Paulo: Makron Books, 1999.

Cunha, P.H.F. “Perspectivas de reestruturação das políticas de financiamento do desenvolvimento da tecnologia no Brasil”. Relatório (Versão Preliminar), Projeto “Perspectivas de reestruturação das políticas de financiamento do desenvolvimento da tecnologia no Brasil”. SP: Fundap, 25 p., 2002

Freitas, M.C.P., “Os fundos de pensão e o financiamento da infra-estrutura”, in Rezende, F.; De Paula, T.B. (coords.), Infra-estrutura: perspectivas de reorganização; financiamento, Brasília: IPEA, 1998.

Gorgulho, L.F., “O capital de risco como alternativa de financiamento às pequenas e médias empresas de base tecnológica: o caso do CONTEC/BNDES”, Rio de Janeiro: UFRJ, dissertação (Mestrado em Economia), 1996.

Keynes, J.M., Teoria geral do emprego do juro e da moeda. São Paulo: Editora Atlas, 1992.

Macedo e Silva, A.C., Macroeconomia sem Equilíbrio, Rio de Janeiro: Editora Vozes; Campinas: FECAMP, 1999.

MCT/ABC. Ciência, tecnologia e inovação: desafio para a sociedade brasileira – Aspectos Conceituais do Financiamento à Inovação LIVRO VERDE/ Coordenado por Cylon Gonçalves da Silva e Lucia Carvalho Pinto de Melo, Brasília: MCT/ABC, 2001.

Mendonça de Barros, J.R. (coord.) et al., Desafios e Oportunidades para o Mercado de Capitais Brasileiro, São Paulo: BOVESPA, jun., 2000 (Estudos para o Desenvolvimento do Mercado de Capitais).

Nóbrega, M. da; Loyola, G.; Guedes Filho, E.M.; Pasqual, D., O Mercado de Capitais: sua importância para o desenvolvimento e os entraves com que se defronta o Brasil, São Paulo: BOVESPA, maio, 2000 (Estudos para o Desenvolvimento do Mercado de Capitais).

OCDE, National systems for financing innovation, Paris: Head of Publications Service, 1995.

Pinho, M.; Côrtes, M.R.; Fernandes, A.C., “A fragilidade das empresas de base tecnológica em economias periféricas: uma interpretação baseada na experiência brasileira”, Ensaios FEE, Porto Alegre, v.3, n.1, p.135-162, 2002.

Rosenberg, N., Perspectives on technology, Londres: Cambridge University Press, 1976.

Sandroni, P., Novíssimo Dicionário de Economia, São Paulo: Editora Best Seller, 1999.

Sarno, P. M., O Comportamento das Instituições Bancárias: implicações para a política monetária, Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, 1993.

Singer, P., Para Entender o Mundo Financeiro, São Paulo: Editora Contexto, 2000.

Studart, R., “O sistema financeiro e o financiamento do crescimento: uma alternativa pós-keynesiana à visão convencional”, in Lima, G.T.; Sicsú, J.; De Paula, L.F. (orgs), Macroeconomia Moderna: Keynes e a economia contemporânea, Rio de Janeiro: Editora Campus, p.151-170, 1999.

Downloads

Publicado

2009-08-18

Como Citar

CORDER, S.; SALLES FILHO, S. Aspectos Conceituais do Financiamento à Inovação. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 33–76, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v5i1.8648923. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648923. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos