Patentes e Sistemas Financeiros: um estudo exploratório para o Brasil

Autores

  • Marco Crocco Universidade Federal de Minas Gerais
  • Anderson Tadeu Cavalcante Universidade Federal de Minas Gerais
  • Matheus Lage Alves de Brito Universidade Federal de Minas Gerais
  • Eduardo da Motta e Albuquerque Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v7i2.8648969

Palavras-chave:

Patentes. Crédito. Sistema de inovação. Sistema financeiro. Economia regional.

Resumo

O presente artigo analisa as relações existentes entre patentes e variáveis bancárias. Sua grande inovação está no uso de dados municipais para a referida análise, principalmente no que se refere a microdados bancários. Ainda de forma incipiente, procura-se avaliar através de um modelo Logit Ordenado quais as chances de um município se apresentar com alto ou baixo número de patentes em função das seguintes variáveis bancárias: acesso bancário, crédito, depósitos e inserção bancária. Os resultados apresentam fortes indícios de que uma maior presença de bons indicadores financeiros aumenta as probabilidades de sustentação da inovação e de que a alta concentração de ambas as esferas (tecnológica e financeira) atesta a forte relação entre inovação, crédito e espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Crocco, Universidade Federal de Minas Gerais

Marco Aurélio Crocco Afonso concluiu o doutorado em Economia pela University of London ? UCL em 1999. Atualmente é Professor Titular do Departamento de Economia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Anderson Tadeu Cavalcante, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui Graduação em Economia pela Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestrado em Economia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR) da Universidade Federal de Minas Gerais (2006) e Doutorado pelo Land Economy Department da Universidade de Cambridge, Reino Unido (2012). Atualmente é professor adjunto I da Universidade Federal de Minas Gerais.

Matheus Lage Alves de Brito, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2006) e graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005) . Atualmente é Assistente de Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Eduardo da Motta e Albuquerque, Universidade Federal de Minas Gerais

Autor do livro AGENDA ROSDOLSKY (publicado pela Editora UFMG em 2012). Possui doutorado em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998), mestrado em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995) e graduação em Economia pelo Centro Universitário Newton Paiva (1992).

Referências

Albuquerque, E.M. Causa e efeito: contribuições de Marx para investigações sobre finanças e inovação, Belo Horizonte: cedeplar–ufmg, (TD 326), 2008.

Arestis, P.; Chortareas, G.; Desli, E. “Financial development and productive efficiency in OECD countries: an explanatory analysis”, The Manchester School of Economic and Social Research, v.74, n.4, 2006.

Arestis, P.; Demetriades, P. “Financial development and economic growth: assessing the evidence”, Economic Journal, v.107, n.442, 1997.

Arestis, P. “Finance and growth: is Schumpeter right?”, Análise Econômica, v.16, n.30, p.5-21, 1998.

Arestis, P.; Demetriades, P.; Fattouh, B. “Financial policies and the average productivity of capital: evidence from developed and developing economies”, Eastern Economic Journal, v.29, n.2, 2003.

Arestis, P.; Nissanke, M.; Stein, H. “Finance and development: institutional and policy alternatives to financial liberalisation theory”, Eastern Economic Journal, v.31, n.2, 2005.

Campelo, P.G. “Investimento inovativo: a questão do financiamento”, Dissertação de Mestrado, Niterói, UFF, 2000.

Carney, M.; Gedajlovic, E. “East Asian Financial Systems and the transition from investment-driven to innovation-driven economic development”, International Journal o Innovation Management, v.4, n.3, p.253-276, 2001.

Carvalho, F.C. “Keynes’s concept of finance and funding, and the structure of the financial system”, Texto para Discussão, Rio de Janeiro: UFRJ–IEI, n.344, 1995.

Cavalcante, A. “Financiamento local e desenvolvimento: um estudo sobre arranjos produtivos”, Dissertação de Mestrado em Economia, Belo Horizonte, cedeplar – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

Chesnais, F. La mondialisation du capital, Paris: Syros, 1994.

Chesnais, F. La mondialisation financière: genèse, coût et enjeux, Paris: Syros, 1996.

Chesnais, F. (org.) La finance mondialisée: racines sociales et politiques, configuration, conséquences, Paris: La Découverte, 2004.

Christaller, W. Central places in southern Germany, Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1966.

Christensen, J.L. “The role of finance in national systems of innovation”, in Lundvall, B.-A. (ed.), National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning, Londres: Pinter, p.146-168, 1992.

Corder, S.; Salles-Filho, S. “Aspectos conceptuais do financiamento à inovação”, Revista Brasileira de Inovação, v.5, n.1, p.33-76, 2006.

Crocco, M.; Cavalcante, A.; Barra, C. “The behavior of liquidity preference of banks and public and regional development: the case of Brazil”, Journal of Post Keynesian Economics, v.28, n.2, p.217-240, dez.-jan., 2005.

Erber, F.E. “O sistema de inovação em uma economia monetária – Uma agenda de pesquisas”, in Cassiolato, J.E.; Lastres, H.M., Gobalização e inovação localizada, Brasília: IBICT–MCT, 1999.

Figueiredo, A.; Menezes, M.; Crocco, M. “Estudo exploratório sobre o padrão locacional dos bancos: análise multivariada para o estado de Minas Gerais”, in Anais do XII Seminário sobre a Economia Mineira, Diamantina, 2006.

Freeman, C. Technologicy policy and economic performance: lessosns from Japan, Londres: Pinter, 1987.

Gerschenkron, A. Economic backwardness in historical perspective, Cambridge: Harvard University, 1962.

Goodcare, A.; Tonks, I. “Finance and technological change”, in Stoneman, P. (ed.), Handbook of the economics of innovation an technological change, Cambridge (MA): Basil Blackwell, 1995.

Greene, W. Econometric analysis, 5ª ed., Upper Saddle River (NJ): Prentice Hall, 2003.

Harrison, R; Mason, C. “The role of the public sctor in the development of a regional venture capital industry”, Venture Capital, v.2, n.4, p.243-253, 2000.

Henriques, T.R. “O papel do sistema financeiro brasileiro no sistema nacional de inovação: uma introdução à discussão a partir dos dados da PINTEC 2003”, Monografia de Conclusão de Curso, Belo Horizonte, FACE–ufmg, 2007.

Herskovic, B. “Efeitos recíprocos entre crédito e inovação”, Monografia de Conclusão de Curso, Belo Horizonte, FACE – ufmg, 2007.

King, R.; Levine, R. “Finance and growth: Schumpeter might be right”, Quaterly Journal of Economics, CVIII, p.717-737, 1993.

Kregel, J. “Capital flows: globalization of production and financing development”, UNCTAD Review, p.23-38, 1994.

Lamoreaux, N.; Levenstein, M.; Sokoloff, K. “Financing invention during the second industrial revolution: Cleveland, Ohio 1870-1920”, Working Paper 10.923, NBER Working Paper Series, 2004.

Levine, R. “Financial development and economic growth: views and agenda”, Journal of Economic Literature, v.XXXV, p.688-726, 1997.

Maddala, G.S. Limited dependent and qualitative variables in econometrics, Cambridge: Cambridge University, cap.2, 1983.

Marx, K. (1857-1858) Grundrisse. Londres: Penguin Books, 1973.

Marx, K. (1867) Capital: a critique of political economy, Londres: Penguin Books, v.I, 1976.

Marx, K. (1894) Capital: a critique of political economy, Londres: Penguin Books, v.III, 1981.

Megna, P.; Klock, M. “The impact of intangible capital on Tobin’s q in the semiconductor industry”, American Economic Review, 83 (20), p.265-320, 1993.

Mello, L.M. “Financiamento da inovação industrial”, Tese de Doutorado, Rio de Janeiro, IE–UFRJ, 1994.

Miller, M.H. “Financial markets and economic growth”, Journal of Applied Corporate Finance, 11, p.11-14, 1998.

Minsky, H.P. Stabilizing an unstable economy, New Haven: Yale University Press, 1986.

Murray, G. “A policy response to regional disparitiesin the supply of risk capital to new technology – Based firm in European Union”, Regional Studies, v.32, n.5, p.405-419, 1998.

Oliveira, A.M.H. “Modelos de resposta binária: algumas notas”, cedeplar, ufmg, mimeo, jul., 2004.

O’Sullivan, M. “Finance and innovation”, in Fagerberg, J.; Mowery, D.; Nelson, R., Oxford handbook on innovation, Oxford: Oxford University Press, 2004.

O’Sullivan, M. “Funding new industries: a historical perspective on the financing role of the US stock market in the 20th century”, 2005 (working in progress paper apresentado ao Barcelona Economics of Innovation Workshop – CREI–CREA, mar., 2006).

Perez, C. Technological revolutions and financial capital, Cheltenhm: Edward Elgar, 2002.

Prowse, S.D. “Corporate finance in international perspective: legal and regulatory influences on financial system development”, Federal Reserve Bank of Dallas Economic Review, third quarter, 2-16, 1996.

Santos, F.; Crocco, M.; Jayme Jr., F.G. “Knowledge externalities and growth in peripheral regions: introductory notes”, Texto para Discussão, cedeplar–ufmg, n.278, 2006 (também publicado em Arestis, P.; Baddeley, M.; McCombie, J. (eds.), Economic growth – Edward Elgar, 2006).

Scherer, F.; Ross, D. Industrial market structure and economic performance, Boston: Houghton Mifflin, 1990.

Schumpeter, J. (1911) A teoria do desenvolvimento econômico, São Paulo: Nova Cultural, 1985.

Schumpeter, J. (1942) Capitalismo, socialismo e democracia, Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1984.

Singh, A.; Weisse. B. “Emerging stock markets, portfolio capital flows and long-termeconomic growth: micro and macroeconomic perspectives”, World Development, 26 (4), p.607-622, 1998.

Smith, A. (1776) A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas, trad. port., São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Studart, R. Investment finance in economic development, Londres, Nova York: Routledge, 1995.

Teece, D.J. “Capturing value form knowledge assets: the new economy, markets for know-how and intangible assets”, California Management Review, 40 (3), p.55-79, 1998.

UNCTAD. “The growth of domestic capital markets, particularly in developing countries, and its relationship with foreign portfolio investment”, United Nations Commission on Trade and Development Secretariat, http://www.unctad.org/en/special/c2em4d2.html, 1998.

Wooldridge, J.M. Econometric analysis of cross section and panel data, Cambridge (MA): MIT Press, cap.15, 2002.

Zysman, J. Governments, markets, and growth: financial systems and the politics of industrial chance, Ithaca: Cornell University, 1983.

Downloads

Publicado

2009-08-19

Como Citar

CROCCO, M.; CAVALCANTE, A. T.; BRITO, M. L. A. de; ALBUQUERQUE, E. da M. e. Patentes e Sistemas Financeiros: um estudo exploratório para o Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 367–407, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v7i2.8648969. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648969. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos