Desempenho das Exportações da Indústria Intensiva em P&D: comparação entre o Brasil e países selecionados no período de 1994-2005

Autores

  • Clésio Lourenço Xavier Universidade Federal de Uberlândia
  • Ana Paula Macedo Avellar Universidade Federal de Uberlândia
  • Samantha Ferreira e Cunha Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v7i2.8648970

Palavras-chave:

Exportações. Tecnologia. Brasil.

Resumo

O artigo trata da inserção exportadora de produtos de alta intensidade tecnológica do Brasil entre 1994 e 2005, comparando tal inserção externa com a experiência de países desenvolvidos (EUA e Japão) e países em desenvolvimento (Coréia do Sul e México). Para tanto, o artigo utiliza a metodologia desenvolvida por Pavitt (1984) para classificar as exportações segundo as capacidades tecnológicas dos setores e respectivos encadeamentos intra e interindustrial e desempenho exportador. Os resultados encontrados apontam que os países em desenvolvimento apresentaram um crescimento das exportações da “indústria intensiva em P&D”, todavia, seu market-share ainda é muito baixo vis-à-vis a experiência das economias desenvolvidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clésio Lourenço Xavier, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorado em Economia pelo Instituto de Economia da UNICAMP em 2000. É Pesquisador Produtividade em Pesquisa-PQ do CNPq. Professor Associado da Universidade Federal de Uberlândia, onde foi Coordenador de Curso de Graduação em Economia no período 2004-2006 e Diretor do Instituto de Economia da UFU no período 2007-2015.

Ana Paula Macedo Avellar, Universidade Federal de Uberlândia

Possui Graduação em Economia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997), Mestrado em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2001) e Doutorado em Economia Industrial e da Tecnologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Atualmente é professora adjunta do Instituto de Economia da Universidade Federal de Uberlândia.

Samantha Ferreira e Cunha, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em Economia pela Universidade Federal de Uberlândia (2005). Mestre em Economia pela Universidade Federal de Uberlândia (2008). Doutora em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2014). Foi aluna visitante da Université Paris Dauphine, França (2012). Pesquisadora do Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia do Instituto de Economia da Unicamp entre 2009 e 2013. Atualmente é especialista em Políticas e Indústria na Gerência de Pesquisa e Competitividade da Confederação Nacional da Indústria - CNI.

Referências

Além, A.C.D. de. “Abertura comercial e financeira no México nos anos 80 e 90: principais resultados”, Texto para Discussão, n.46, BNDES, 1996.

Amable, R.; Boyer, R. “L’Europe est-elle en retard d’un modèle technologique?”, Économie Internationale, n.56, p.61-89, 1993.

Bell, M.; Pavitt, K. “Technological accumulation and industrial growth: contrasts between developed and developing countries”, Industrial and Corporate Change, Brighton, v.2, n.2, p.157-209, 1993.

Canuto, O. “Mudança técnica e concorrência: um arcabouço evolucionista”, Texto para Discussão, n.6, Campinas, UNICAMP, 1992.

Canuto, O. Brasil e Coréia do Sul: os (des)caminhos da industrialização tardia, São Paulo: Nobel, 1994.

Canuto, O. “Competition and endogenous technological change: an evolutionary model”, Revista Brasileira de Economia, 49 (1), p.21-33, jan.-mar., 1995.

Capdvielle, M.; Cimoli, M.; Dutrenit, G. “Specialization and technology in México: a virtual pattern of development and competitiveness?”, Nota di Lavoro, n.96.09, Università cà Foscari di Veneza, 1996.

CIMOLI. “Technological gaps and institucional asymmetries in a North-Sul model with a continuum of goods”, Metroeconomica, v.39, n.3, p.245-274, 1988.

De Negri, F. “Conteúdo tecnológico do comércio exterior brasileiro: o papel das empresas estrangeiras”, Texto para Discussão, n.1.074, IPEA, mar., 2005.

Dornbusch, R.; Fischer, S.; Samuelson, P. “Comparative advantage trade and payments in a ricardian model with a continuum of goods”, American Economic Review, v.67, p.823-839, 1977.

Dosi, G. “The nature of the innovative process”, in Dosi, G. et al., Technical change and economic theory, Nova York: Printer Publisch, 1988.

Dosi, G. Technical change and industrial transformation: the theory and an application to the semicondutor industry, Londres: Macmilan Press, 1984.

Dosi, G.; Pavitt, K.; Soete, L. The economics of technological change and international trade, Brighton: Wheatshaf, 1990.

Dowrick, S. “Innovation and growth: implications of the new theory and evidence”, in Fagerberg, J.; Lundberg, L.; Hansson, P.; Melchior, A. (orgs.), Technology and international trade, Cheltenham: Edward Elgar, 1997.

Fajnzylber, F. La industrialización trunca de América Latina. México: Nueva Imagem, 1983.

Ferreira Jr., H.M. “Globalização com integração regionalizada: México (1982-1992)”, Texto para Discussão, n.27, IESP, 1995.

Freeman, C. et al. “Chemical process plant: innovation and the world market”, National Institute Economic Review, n.45, 1968.

Freeman, C. Technology policy and economic performance: lessons from Japan, Londres: Pinter, 1987

Gonçalves, R.; Baumann, R.; Prado, L.C.D.; Canuto, O. A nova economia internacional, São Paulo: Campus, 1998.

Guerrieri, P. “International trade pattern, structural change and technology in major Latin América countries”, Giornali Degli Economisti e Annali di Economia, v.LIII, n.4-6, abr.-jun., 1994.

Holland, M.; Xavier, C.L. “Dinâmica e competitividade das exportações brasileiras: uma análise de painel para o período recente”, XXXII Encontro Nacional de Economia – ANPEC, 2004.

IEDI – Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. “O Comércio Exterior Brasileiro em 2005”, mar., 2006. Disponível em http:// www.iedi.org.br. Acesso em julho de 2007.

INTRACEN – International Trade Centre. UNCTAD/WTO, 2006. Disponível em http://www.intracen.org. Acesso em outubro de 2006.

Krugman, P. “A model of innovation, technology transfer, and the world distribution of income”, Journal of Political Economy, v.87, n.2, p.253-266, 1979.

Krugman, P. “Industrial organization and international trade”, in Schmalensee, R.; Willig, R. (orgs.), Handbook of Industrial Organization, v.II, North-Holland: Elsevier Science Publishers, 1989.

Lall, S. Export performance, technological upgrading and foreign direct investment strategies in the Asian newly industrializing economies, Chile: CEPAL, 2000.

Laplane, M.F.; Sarti, F.; Hiratuka, C.; Sabbatini, R.C. “O caso brasileiro”, in Chudnovsky, D. (coord.), El boom de las inversiones extranjeras directas en el Mercosur, Buenos Aires: Siglo XXI, 2001.

Laursen, K.; Meliciani, V. “The importance of technology based inter-sectoral linkages for market share dynamics”, DRUID Working Paper, n.99-10, 1999.

Mani, S. Exports of high technology products from developing countries: is it real or a statistical artifact, INTECH, 2000. Disponível em http:// www.intech.unu.edu.

Moreno-Brid, J.C.; Rivas Valdivia, J.C.; Santamaría, J. “Mexico: Economic growth exports and industrial performance after NAFTA”, Serie Estudios y Perspectivas, 42, CEPAL, Economic Development Unit, México, 2005.

Pavitt, K. “Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory”, Research Policy, v.13, 1984.

PC-TAS – Personal Computer Trade Analysis System. International Trade Centre. UNCTAD/WTO, 1994-1998.

Posner, M.V. “International trade and technical change”, Oxford Economic Papers, 13, p.323-341, 1961.

Santos Filho, O.C.; Ferreira Jr., H.M. “Coréia do Sul e Taiwan: aspectos históricos-estruturais e de política industrial”, in Suzigan, W. et al., Reestruturação industrial e competitividade internacional, São Paulo: Fundação SEADE, 1989.

Tigre, P. “O papel da política tecnológica na promoção das exportações”, in Pinheiro, A.C. et al., Desafio das exportações, Rio de Janeiro: BNDES, 2002.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. World investment report, 1995.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. World investment report, 1996.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. Trade and development report, 2002.

Vernon, R. “International investment and international trade in the product cycle”, Quarterly Journal of Economics, v.80, p.190-207, maio, 1966.

Downloads

Publicado

2008-06-24

Como Citar

XAVIER, C. L.; AVELLAR, A. P. M.; CUNHA, S. F. e. Desempenho das Exportações da Indústria Intensiva em P&D: comparação entre o Brasil e países selecionados no período de 1994-2005. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 409–443, 2008. DOI: 10.20396/rbi.v7i2.8648970. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648970. Acesso em: 30 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos