Financiamento à Inovação no Brasil: análise da aplicação dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) de 1967 a 2006

Autores

  • Luiz Martins de Melo Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v8i1.8648976

Palavras-chave:

Sistema nacional de inovação. Financiamento. FNDCT. FINEP.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar o financiamento das atividades de inovação por meio da aplicação dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e da Financiadora de Estudos de Projetos (FINEP), de 1967 a 2006. Com base no conceito de Sistema Nacional de Inovação, é apresentada uma divisão em dois períodos, 1967-1997 e 1998-2006, cujo centro é a mudança institucional que criou os fundos setoriais como fonte primária de recursos para o FNDCT e, conjuntamente, a mudança na sua governança. Uma comparação entre os dois períodos é feita, procurando-se realçar os traços gerais que influenciaram essa alocação de recursos, visando analisar como essas diferenças influenciaram as prioridades gerais dos financiamentos do FNDCT e da FINEP. Os principais resultados encontrados na pesquisa foram um maior desembolso médio de recursos anual e a prioridade para o apoio às empresas nacionais no primeiro período. No segundo período, apesar da elevação na arrecadação dos fundos setoriais, a aplicação efetiva dos recursos é prejudicada pela política macroeconômica muito restritiva e pela ausência de integração entre os instrumentos de financiamento da inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Martins de Melo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, mestrado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é professor associado 2 da Universidade Federal do Rio de Janeiro e técnico da Finep.

Referências

Albuquerque, E.M. Apresentação de “The National System of Innovation in historical perspective”, Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v.3, n.1, p.9-13, jan.-jun., 2004.

Bastos, V.D. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v.10, n.20, p.229-260, dez., 2003.

Brito, J. et al. “Formatos organizacionais para financiamentos de arranjos e sistemas de MPME”, Nota Técnica 1.9 no âmbito da pesquisa Proposição de Políticas para a promoção de sistemas produtivos locais de micro, pequenas e médias empresas, out., 2001. Disponível em www.redesist.ie.ufrj.br.

Carvalho, F.J.C. “Sistema financeiro, crescimento e inclusão”, Seminário Brasil em Desenvolvimento, Rio de Janeiro, IE–UFRJ, mimeo., 2003.

CGEE. Capital de risco no Brasil: marco legal e experiência internacional, Brasília: CGEE, 2003a.

CGEE. Capital de risco no Brasil e desenvolvimento tecnológico no Brasil, Brasília: CGEE, 2003b.

Chandler, A.D. Scale and scope: the dynamics of industrial capitalism, Cambridge (MA): Harvard University Press, 1990.

Chang, H. Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica, São Paulo: Editora UNESP, 2004.

Chesnais, F.; Sauviat, C. “O financiamento da inovação no regime global de acumulação dominado pelo capital financeiro”, in Lastres, H.M.; Cassiolato, J.E.; Arroio, A. (eds.), Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento, Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Contraponto, 2005.

Christensen, J. “The role of finance in National Systems of Innovation”, in Lundvall, L.B. (ed.), National Systems of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning, Londres: Frances Pinter, 1992.

Corder, S.; Salles-Filho, S. “Aspectos conceituais do financiamento da inovação”, Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p.33-76, jan.-jul., 2006.

Coutinho, L.G. “Regimes macroeconômicos e estratégias de negócio: uma política industrial alternativa para o Brasil no século XXI”, in Lastres, H.M.; Cassiolato, J.E.; Arroio, A. (ed.), Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento, Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Contraponto, 2005.

Dosi, G. “Finance, innovation, and industrial change”, Journal of Economic Behavior and Organization, v.13, p.299-329, 1990.

Erber, F. “O sistema de inovações em uma economia monetária – Uma agenda de pesquisas”, in Cassiolato, J.E.; Lastres, H.M.M. (eds.), Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul, Brasília: CNPq/IBICT, 1999.

Exposição de Motivos – EM n.252, de 31 de agosto de 1976, do ministro do Planejamento para o presidente da República, Brasília, Ministério do Planejamento, 1976.

Fiori, J.L. (org.) O poder americano, Petrópolis: Vozes, 2004.

Freeman, C. Technology policy and economic performance: lessons from Japan, Londres: Frances Pinter, 1987.

Freeman, C. “The economics of technical change”, Cambridge Journal of Economics, v.18, n.5, p.463-518, 1994.

Freeman, C. “The ‘National System of Innovation’ in historical perspective”, Cambridge Journal of Economics, v.19, n.1, p.5-24, 1995.

Freeman, C.; Perez, C. “Structural crisis of adjustment: business cycles and investmente behaviour”, in Dosi, G.; Freeman, C.; Silverberg, G.; Soete, L. (eds.), Technical change and economic theory, Londres: Frances Pinter, p.38-66, 1988.

Guimarães, E.A. “Políticas de inovação: financiamento e incentivos”, Texto para Discussão, Brasília: IPEA, n.1.212, ago., 2006.

Kupfer, D. “Desafios profundos”, Valor Econômico, 14/11/2007.

Lessa, C. “A opção pelos pobres e a crítica de Delfim Netto”, Valor Econômico, 14/2/2007.

Levine, R.; Zervos, S. “Stock markets, banks, and economic growth”, The American Economic Review, v.88, n.3, p.537-558, 1998.

Lundvall B.A. (ed.) “National Systems of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning, Londres: Frances Pinter, 1992.

Mayer, C. “Myths of the West: lessons from developed countries for development finance”, World Bank Discussion Paper and Background Paper for the 1989 World Bank Development Report, 1989.

Mayer, C. “The financing and governance of new technologies”, paper prepared for the UM University/EU DG Research Conference on Financial Systems, Corporate Investment in Innovation and Venture Capital in Brussels on 7-8 November 2002, University of Oxford, 26 out., 2002.

Melo, L.M. de. “O financiamento ao desenvolvimento científico e tecnológico: a experiência da FINEP – 1967 a 1988”, Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, Instituto de Economia da UFRJ, 1988.

Melo, L.M. de. “O financiamento da inovação industrial”, Tese de Doutorado, Rio de Janeiro, Instituto de Economia da UFRJ, 1994.

Melo, L.M. de. “Sistema Nacional de Inovação (SNI): uma proposta de abordagem teórica”, Texto para Discussão, IE–UFRJ, n.357, abr., 1996.

Melo, L.M. de. “Inovação, financiamento e sistemas locais de produção”, Anais do First Globelics Conference: Innovation Systems and Development Strategies for the Third Millenium, Rio de Janeiro, 2003.

Milanez, A.Y. “Os fundos setoriais são instituições adequadas para promover o desenvolvimento industrial do Brasil?”, Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v.14, n.27, p.123-140, jun., 2007.

Minsky, H.P. “The financial-instability hypothesis: capitalist processes and the behaviour of the economy”, in Kindleberger, C.P.; Lafargue, J.P., Financial crises, Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

Miranda, J.C.; Tavares, M.C. “Brasil: estratégias de conglomeração”, in Fiori, J.L. (org.), Estados e moedas no desenvolvimento das nações, Petrópolis: Vozes, 1999.

Mytelka A.L. “Uma nova iniciativa para fortalecer as economias locais: o Banco de Arranjos Produtivos”, in Lastres, H.M.M. et al. (coord.), Interagir para competir: promoção de arranjos produtivos e inovativos no Brasil, Brasília: SEBRAE, FINEP, CNPq, 2002.

Nelson, E.R. (ed.) National Innovation Systems: a comparative analysis, Oxford: Oxford University Press, 1993.

OECD – Organization Economic Cooperation and Development. Venture capital and innovation, Paris: OECD, 1996. Disponível em http://www.OECD.org.

O’Sullivan, M. “Finance and innovation”, in Fagerberg, J.; Mowery, D.C.; Nelson, R.C. (org.), The Oxford handbook of innovation, Oxford: Oxford University Press, 2005.

Patel, P.; Pavitt, K. “The nature and economic importance of National Innovation Systems”, STI Review, n.14, p.9-32, 1994.

Paula, J.A. et al. “Finance and industrial relationship: introductory notes on a key relationship for the capitalist accumulation”, Economica, v.3, n.1, p.5-33, jun., 2001.

Pavani, C. “O capital de risco no Brasil – Conceito, evolução e perspectivas”, Rio de Janeiro, e-papers, 2003.

Peirone, D. “Knowledge and venture funding: complementarities and financial contracts”, Industrial and Corporate Change, 16(5), p.851-873, 2007.

Rechtman, M.; Brito, B. BRICS and private equity, Rio de Janeiro: FINEP, 2005.

Rodrik, D. “Falsa promessa da liberalização financeira”, Valor Econômico, 12/1/2007.

Rosenberg, N. “Why do firms do basic research (with their own money)?”, Research Policy, v.19, p.165-174, 1990.

Schumpeter, J.A. A teoria do desenvolvimento econômico, São Paulo: Abril Cultural, 1982.

Studart, R. “Financial repression and economic development: towards a post-keynesian alternative”, Review of Political Economy, 5(3), p.277-298, 1993.

Zysman, J. Governments, markets, and growth: financial systems and the politics of industrial growth, Oxford: Martin Robertson, 1983.

Zysman, J. “Financial systems and technological innovation”, paper presented at the Conference on Innovation Diffusion, Veneza, 17-21 mar., 1986.

Downloads

Publicado

2009-10-30

Como Citar

MELO, L. M. de. Financiamento à Inovação no Brasil: análise da aplicação dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) de 1967 a 2006. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 87–120, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v8i1.8648976. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648976. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos