Demandas e Ofertas Tecnológicas em Economias Retardatárias: anotações a partir de dois segmentos econômicos no Nordeste brasileiro

Autores

  • João Policarpo R. Lima Universidade Federal de Pernambuco
  • Ana Cristina Fernandes Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v8i2.8648983

Palavras-chave:

Inovação. Inserção.

Resumo

As contribuições para o estudo do aprendizado tecnológico e da mudança técnica enfatizam que o processo de inovação e as trajetórias tecnológicas guardam distintas especificidades, seja entre os países desenvolvidos, seja entre estes e os retardatários. Os esforços de capacitação tecnológica em economias retardatárias não apenas são mais exíguos, como se concentram na imitação e na adaptação, e não na inovação radical. No caso brasileiro, estudos voltados ao entendimento da dinâmica e do crescimento de empresas industriais apontam que são poucas aquelas que desenvolvem P&D contínuo e lançam produtos novos no mercado. Consequentemente, seu espaço de acumulação e sua afirmação enquanto agente econômico são limitados. No entanto, observa-se mais recentemente alguma preocupação por parte das firmas em inovar, especialmente em segmentos em que ocorre alguma inserção em cadeias globais. O presente artigo analisa as oportunidades e desafios à inovação em dois desses segmentos – petróleo e gás e fruticultura irrigada/vitivinicultura –, ambos localizados no Nordeste brasileiro. Com isso, identifica não apenas a possibilidade de ocorrência de inovação em regiões retardatárias, assim como também a capacidade de inovação como importante ferramenta para o desenvolvimento regional contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Policarpo R. Lima, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Economia, Universidade Federal de Pernambuco.

Ana Cristina Fernandes, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Geografia, Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Albuquerque, E.M. “National systems of innovation and non-OECD countries: notes about a rudimentary and tentative ‘typology’”, Brazilian Journal of Political Economy, 19(4), p.35-52, 1999.

Albuquerque, E.M.; Silva, L.A.; Póvoa, L. “Diferenciação intersetorial na interação entre empresas e universidade no Brasil: notas introdutórias sobre as especificidades da interação”, Textos para Discussão CEDEPLAR-UFMG, TD264. Belo Horizonte: CEDEPLAR-UFPMG, 2005.

Aragão, A.P. Estimativa da contribuição do setor petróleo no Produto Interno Bruto do Brasil – 1995-2004. Rio de Janeiro: Agência Nacional de Petróleo, 2005. Disponível em www.anpe.gov.br/doc/notas_tecnicas. Acesso em 7/11/2007.

Bell, M.; Pavitt, K. “Accumulating technological capability in developing countries”, Proceedings of The World Bank Annual Conference on Development Economics 1992 (Supplement to The World Bank Economic Review and The World Bank Research Observer), p.257-281, 1993a.

Bell, M. “Technological accumulation and industrial growth: contrasts between developed and developing countries”, Industrial and Corporate Change, v.2, n.2, p.157-210, 1993b.

Cassiolato, J.; Lastres, H. “Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política”, São Paulo Perspectiva, 19(1), p.34-45, 2005.

Diniz, C.C. “Repensando a questão regional brasileira: tendências, desafios e caminhos”, in Castro, A.C. (org.), Desenvolvimento em debate: painéis do desenvolvimento brasileiro II. Rio de Janeiro: Mauad, BNDES, 2002.

Dosi, G.; Pavitt, K.; Soete, L. The economics of technical change and international trade. Londres: Harvester Wheatsheaf, 1990.

Dunford, M.; Greco, L. After the three Italies. Wealth, inequality and industrial change. Oxford: Blackwell Publishing, 2006.

Fernandes, A.C. Cadeia de petróleo e gás, Relatório parcial de pesquisa, Inova Nordeste. CGEE, 2005.

Fernandes, A.C.E.; Lima, J.P.R. “Cluster de serviços: contribuições conceituais a partir de evidências do pólo médico do Recife”, Nova Economia, 16(1), p.11-47, 2006.

Freeman, C. “The ‘National System of Innovation’ in historical perspective”, Cambridge Journal of Economics, 19, p.5-24, 1995.

Furtado, J. Limites e possibilidades do Brasil nas configurações produtivas globalizadas: uma análise apoiada em diversas cadeias, Relatório e pesquisa, Convênio GEEIN– IPEA. Araraquara, 2000.

Gibbon, P. “Upgrading primary production: a global commodity approch”, World Development, Grã-Bretanha, v.29, n.2, p.345-363, 2001.

Humphrey, J.; Schmitz, H. “Governance in global value chains”. Disponível em www.nead.gov.br/artigodomes. Acesso em 11/6/2001.

IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (PINTEC), Rio de Janeiro, 2002.

IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (PINTEC), Rio de Janeiro, 2004.

Lima, J.P.; Campos L.; Henrique, R. “Inova Nordeste: fruticultura irrigada e vitivini-cultura”, Relatório de pesquisa, mimeo. Recife, 2005.

Lundvall, B.-A. (ed.) National Systems of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. Londres: Pinter, 1992.

Machado, G.V. “Estimativa da contribuição do setor petróleo ao Produto Interno Bruto do Brasil”, ANP Notas Técnicas. Rio de Janeiro, 2002.

Marzani, B.S.; Furtado, A.T. “Avaliação de competências dos fornecedores locais da indústria do petróleo”, 2004. Disponível em www.onip.org.br.

Meyer-Krahmer, F.; Schmochr, U. “Science-based technologies: university–industry interactions in four fields”, Research Policy, 27, p.835-851, 1998.

Nelson, R.; Rosenberg, N. “Technical innovation and national systems”, in Nelson, R. (ed.), National Innovation Systems: a compartative analysis. Nova York, Oxford: Oxford University, p.3-21, 1993.

Nogueira, L.A.H. “Produção e processamento de petróleo e gás natural no Brasil: perspectivas e sustentabilidade nos próximos 20 anos”, 2002. Disponível em www.anp.gov.br.

OECD. OECD science and technology indicators, R&D innovation and competitiveness, Paris: OECD, 1986.

Paludeti, Bárbara. “Institutos de pesquisa buscam promover o desenvolvimento nacional”, Rede Universia, 2006. Disponível em http:/www.universia.com.br/matéria.jsp?materia=9731. Acesso em 25/3/2008.

Pavitt, K. “Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory”, Research Policy, 13, p.343-373, 1984.

Pavitt, K; Patel, P. “Uneven (and divergent) technological accumulation among advanced countries: evidence and a framework of explanation”, Industrial and Corporate Change, v.3, n.3, p.759-787, 1994.

Pinho, M.; Côrtes, M.R.; Fernandes, A.C. “A fragilidade das empresas de base tecnológica em economias periféricas: uma interpretação baseada na experiência brasileira”, Ensaios Econômicos FEE, v.23, n.1, p.135-162, jan.-jun., 2002.

Rapini, M.S. “Interação universidade empresa no Brasil: evidências do diretório dos grupos de pesquisa do CNPq”, Estudos Econômicos, São Paulo, v.37, n.1, 2007.

Sampaio, Y. et al. Expansão e perspectivas do agronegócio no Nordeste. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2003.

Schimtz, H. “Local upgrading in global chains. NT 6/00”, Arranjos e sistemas produtivos locais e as novas políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico, Relatório do projeto. IE-UFRJ, 2000.

Schimtz, H. “Globalised localities: introduction”, in Schmitz, H. (ed.), Local enterprises in the global economy. Issues of governance and upgrading. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, p.1-19, 2004.

Suslick, S. “Conhecer as incertezas: o desafio da indústria do petróleo”, Com Ciência. Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, 2002. Disponível em http://www.comciencia.br/reportagens/petroleo/pet20.shtml.

VALEXPORT – Associação dos Produtores Exportadores de Hortifrutigrangeiros e Derivados do Vale do São Francisco. “Há 15 anos unindo forças para o desenvolvimento do Vale do São Francisco e da fruticultura brasileira”, Petrolina, 2004. Disponível em www.valexport.com.br.

Vieira, K.P.; Albuquerque, E.M. “O financiamento às atividades inovativas na região Nordeste: uma análise descritiva a partir dos dados da PINTEC”, Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v.38, n.3, jul.-set., 2007.

Downloads

Publicado

2010-03-22

Como Citar

LIMA, J. P. R.; FERNANDES, A. C. Demandas e Ofertas Tecnológicas em Economias Retardatárias: anotações a partir de dois segmentos econômicos no Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 303–340, 2010. DOI: 10.20396/rbi.v8i2.8648983. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648983. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos