Dinâmica Tecnológica e Ambiente Seletivo em Genética de Suínos

Autores

  • Julio Rohenkohl Universidade Federal de Santa Maria
  • Orlando Martinelli Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v8i2.8648986

Palavras-chave:

Tecnologia. Ambiente seletivo. Genética suína.

Resumo

O artigo discute elementos do sistema tecnológico do segmento de genética suína – especialmente as trajetórias tecnológicas e os atributos do ambiente seletivo, tais como os aspectos regulatórios e organizacionais. O texto também identifica as mudanças recentes nas configurações tecnológicas e organizacionais no segmento, destacando o surgimento de novos agentes econômicos e fluxos de informações tecnológicas e científicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Rohenkohl, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000), mestrado (2002) e doutorado (2006) em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Orlando Martinelli, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1981), mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo (1987) e doutorado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1997). Atualmente é professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais (DERI), e do Programa de Pós Graduação em Economia do Desenvolvimento da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ABIPECS – Associação Brasileira das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Carne Suína. Disponível em http://www.abipecs.org.br/pt/estatisticas/mundial/producao-2.html. Acesso em 10 de março de 2008.

ACSURS – Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul. Disponível em http://www.acsurs.com.br/index_conteudo.asp?cod=1505. Acesso em 6 de maio de 2008.

Andersen, H.J. “What is pork quality?”, in Wenk, Caspar et al., Quality of meat and fat in pigs as affected by genetics and nutrition. Zurique: European Association for Animal Production – EAAP, 2000, Publication, n.100.

Bergmann, J.A.G. “A genética molecular no melhoramento suíno: vantagens e limitações”. Disponível em http://www.dbdanbred.com.br. Acesso em 10 de março de 2005.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. “Plano Nacional de Sanidade Suídea”. Disponível em http:// www.agricultura.gov.br. Acesso em 26 de maio de 2006.

Brasil. Lei n.9.279, de 14 de maio de 1996. Ementa da lei. Disponível em http//:www.planalto.gov.br/CCIVIL/Leis/L9279.htm. Acesso em 14 de fevereiro de 2007.

Carlsson, B.; Stankiewicz, R. “On the nature, function and composition of technological systems”, Journal of Evolutionary Economics, v.1, p.93-118, 1991.

Carlsson, B. et al. “Innovations systems: analytical and methodological issues”, 1999. Disponível em http://www.druid.dk/conf-papers-attach/carlsson.pdf. Acesso em 25 de maio de 2006.

Carlsson, B.; Eliasson, G. “Industrial dynamic and endogenous growth”, Industry and Innovation, Londres, v.10, n.4, p.435-455, 2003.

Chamas, C.I.; Barata, M.; Azevedo, A. “Proteção intelectual de invenções biotecnológicas”, Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, 28. Curitiba, ANPAD, 2004, CD-ROM.

Chesnais, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

Chevassus-Lozza, E.; Gallezot, J. “La différenciation des produits dans la compétitivité: le cas de l’agriculture et de l’agro-alimentaire français”, in Nicolas, François; Valcheschini, Egizio (ed.), Agro-alimentaire: une économie de la qualité. Paris: INRA Economica, 1995.

Cimoli, Mario; Dosi, Giovanni. “De los paradigmas tecnológicos a los sistemas nacionales de producción e innovación”, Comercio Exterior, México, v.44, n.8, p.669-682, ago., 1994.

Dal Poz, M.E.; Silveira, J.M.F.J.; Fonseca; M.G.F. “Direitos de propriedade intelectual em biotecnologia: um processo em construção”, in Silveira, José Maria F.J. da; Dal Poz, Maria Ester; Assad, Ana Lúcia D. (orgs.), Biotecnologia e recursos genéticos: desafios e oportunidades para o Brasil. Campinas: Instituto de Economia, UNICAMP, FINEP, 2004.

Dosi, Giovanni. “Technological paradigms and technological trajectories”, Research Policy, Elsevier, v.11, n.3, p.147-162, 1982.

Eymard-Duvernay, F. “Conventions de qualité et formes de coordination”, Revue de Économique, n.2, p.329-359, mar., 1989.

Eymard-Duvernay, F. “La négociation de la qualité”, in Nicolas, François; Valcheschini, Egizio (ed.), Agro-alimentaire: une économie de la qualité. Paris: INRA Economica, 1995.

Furtado, J. “Padrões de inovação na indústria brasileira”, 2004. Disponível em http://www.ifhc.org.br/HistEvento.aspx?mn=11&id=11. Acesso em 10 de março de 2008.

Gomes, M.F.M. et al. Análise prospectiva do complexo agroindustrial de suínos no Brasil. Concórdia: Embrapa, CNPSA, 1992.

Kupfer, David. “Padrões de concorrência e competitividade”. Disponível em http://ww2.ie.ufrj.br/gic/pdfs/1992-2_Kupfer.pdf. Acesso em 9 de janeiro de 2007.

Mckelvey, M.; Orsenigo, L. “Pharmaceuticals as a sectoral innovation system”, paper prepared for the ESSY Project (European Sectoral System of Innovation), 2001.

Metcalfe, J.S. “Equilibrium and evolutionary foundations of competition and technology policy: new perpectives on the division of labour and the innovation process”, Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p.111-146, jan.-jun., 2003.

Murakami, T. “Os impactos da mudança de paradigma tecnológico do setor de biotecnologia nos grupos ‘insumidores’ de nutrição e sanidade para a indústria de processamento de carne de aves e de suínos e seus desdobramentos na relação usuário – produtor”, Monografia de Graduação em Ciências Econômicas, Universidade Estadual Paulista. Araraquara, 2006.

Palermo-Neto, J. “Resíduos e aspectos toxicológicos: possíveis impactos na qualidade da proteína de origem animal”, in Anais do Simpósio sobre as Implicações Sócio-Econômicas do Uso de Aditivos na Produção Animal. Piracicaba: Colégio Brasileiro de Nutrição Animal, Embrapa, CNPSA, 1999.

Pessanha, L.D.R.; Wilkinson, J. “Transgênicos provocam novo quadro regulatório e novas formas de coordenação do sistema agroalimentar”, Cadernos de Ciência e Tecnologia, Brasília, v.20, n.2, p.263-303, maio-ago., 2003.

Pisano, G.P.; Shan, W.; Teece, D. “Joint ventures and collaboration in the biotechnology industry”, in Economic performance and the theory of the firm: the selected papers of David Teece. Cheltenham: Edward Elgar, 1998, v.1.

Possas, M.L. Estrutura de mercado em oligopólio. São Paulo: HUCITEC, 1985.

Rohenkohl, J.E. “Configurações institucionais e ambiente seletivo: um estudo econômico das trajetórias de inovação em genética suína no Brasil”, Tese de Doutorado, Programa de Desenvolvimento Rural, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.

Rohenkohl, J.E.; Martinelli Júnior, O. Relatório setorial final: genética suína, parte do projeto de pesquisa Diretório da Pesquisa Privada no Brasil – DPP–FINEP–FUNDUNESP, 2007.

Santini, G. et al. Relatório setorial final: insumos suínos, parte do projeto de pesquisa Diretório da Pesquisa Privada no Brasil – DPP–FINEP–FUNDUNESP, 2004.

Severo, M.P.F. “Resíduos em produtos de origem animal no Brasil: o papel do Ministério da Agricultura e do Abastecimento”, in Anais do Simpósio sobre as Implicações Sócio-Econômicas do Uso de Aditivos na Produção Animal. Piracicaba: Colégio Brasileiro de Nutrição Animal, Embrapa, CNPSA, 1999.

Teece, D. “Competition, cooperation, and innovation: organizational arrangements for regimes of rapid technological progress”, in Economic performance and the theory of the firm: the selected papers of David Teece. Cheltenham: Edward Elgar, 1998, v.1.

Downloads

Publicado

2010-03-22

Como Citar

ROHENKOHL, J.; MARTINELLI, O. Dinâmica Tecnológica e Ambiente Seletivo em Genética de Suínos. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 403–435, 2010. DOI: 10.20396/rbi.v8i2.8648986. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648986. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos