Investimento Estrangeiro Direto, Transbordamento e Produtividade: um estudo sobre ramos selecionados da indústria no Brasil

Autores

  • Marina Filgueiras Jorge Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Alexis Toribio Dantas Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v8i2.8648988

Palavras-chave:

IED. Indústria brasileira. Spillover. Produtividade. Inovação.

Resumo

A partir da década de 1990, a economia brasileira passou por reformas estruturais e liberalizantes, além de intensa internacionalização produtiva. Este trabalho explora em que medida a maior participação do IED ajudou ou inibiu o processo de mudança estrutural na indústria, analisando a existência ou não de transbordamento – spillover – de produtividade, a partir da presença de empresas transnacionais em cinco cadeias produtivas selecionadas no período de 1998 a 2003. Através da análise de painel com microdados das empresas industriais, os resultados indicaram a existência de vantagens competitivas das ETNs em relação às empresas locais. Esse diferencial de desempenho, no entanto, não se mostrou uma fonte de transferência de conhecimento tecnológico que pudesse refletir em ganhos de produtividade para as empresas fornecedoras domésticas. Além disso, os efeitos sobre as cadeias produtivas mostraram-se heterogêneos. De modo que esse resultado pode ajudar no desenvolvimento de instrumentos de política industrial seletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Filgueiras Jorge, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004) e mestrado em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2007). Pesquisadora em Propriedade Industrial do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Responsável pela Assessoria de Assuntos Econômicos (área de estatísticas e estudos econômicos) do Instituto Nacional da Propriedade Industrial desde junho/2015.

Alexis Toribio Dantas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui mestrado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e doutorado em Economia da Industria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999). Fez o programa de Pós-doutorado no CESLA, Universidade de Varsóvia. Atualmente é professor associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Ciências Econômicas, Departamento de Evolução Econômica.

Referências

Araújo, R.D. “Esforços tecnológicos das firmas transnacionais e domésticas”, in De Negri, J.A.; Salerno, M.S. (orgs.), Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: IPEA, 2005.

Araújo, R.D.; Hiratuka, C. “Exportações das firmas domésticas e influência das firmas transnacionais”, in De Negri, J.A.; Araújo, B. (orgs.), As empresas brasileiras e o comércio internacional. Brasília: IPEA, 2007.

BACEN. Investimento estrangeiro direto/Censos 1995/2000 e Ingressos 2001 a 2006. Banco Central do Brasil. Disponível em http://www.bcb.gov.br/rex/IED/Port/Ingressos/planilhas/DivugacaoAtividades95-06.xls. Acesso em 1º de setembro de 2007.

Bielschowsky, R. (coord.) Investimento e reformas no Brasil: indústria e infra-estrutura nos anos 1990. Brasília: IPEA, CEPAL, 2002.

Bonelli, R. A note on Foreign Direct Investment (FDI) and industrial competitiveness in Brazil. Rio de Janeiro: IPEA, 1998, Texto para Discussão, n.584.

Chudnovsky, D. et al. Foreign direct investment spillovers and the absorption capabilities of domestic firms in the Argentine manufacturing sector (1992-2001). UDESA, abr., 2004, Documento de Trabajo, n.74.

Ciarli, T.; Giuliani, E. “Inversión extranjera directa y encadenamientos productivos em Costa Rica”, in Cimoli, M. (org.), Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: BID, CEPAL, 2005.

Cimoli, M. et al. “Cambio estructural, heterogeneidad productiva y tecnología en América Latina”, in Cimoli, M. (org.), Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: BID, CEPAL, 2005.

De Negri, F. “Desempenho comercial das empresas estrangeiras no Brasil na década de 90”, Dissertação de Mestrado, IE–UNICAMP. Campinas, 2003.

De Negri, F. “Determinantes da capacidade de absorção das firmas brasileiras: Qual a influência do perfil da mão-de-obra?”, in De Negri, J.A.; De Negri, F.; Coelho, D. (orgs.), Tecnologia, exportação e emprego. Brasília: IPEA, 2006.

Dunning, J.H. “Multinational enterprises and the globalization of innovatory capacity”, Research Policy, v.23, p.67-88, 1994.

Ferraz, J.C.; Kupfer, D.; Iooty, M. “Made in Brazil: industrial competitiveness 10 years after economic liberalisation”, CEPAL Review, n.82, abr., 2003.

Filgueiras Jorge, M. “Investimento estrangeiro direto e inovação: um estudo sobre ramos selecionados da indústria no Brasil”, Dissertação de Mestrado, FCE–UERJ. Rio de Janeiro, 2007.

Franco, G. “A inserção externa e o desenvolvimento”, Revista de Economia Política, v.18, n.3(71), p.121-147, jul-set., 1998.

Fritsch, W.; Franco, G. “O investimento direto estrangeiro em uma nova estratégia industrial”, Revista de Economia Política, v.9, n.2, p.5-25, 1989.

Gonçalves, J.E.P. “Empresas estrangeiras e transbordamentos de produtividade na indústria brasileira: 1997-2000”, Dissertação de Mestrado, IE–UNICAMP. Campinas, 2003.

Hiratuka, C. The role of transnational corporations in the Brazilian national system if innovation. NEIT, UNICAMP, abr., 2003, Texto para Discussão, v.1, n.3.

Hiratuka, C. et al. “Inserção brasileira no comércio mundial no período 1995-2005”, Boletim NEIT, n.9, p.1-7, ago., 2007. Disponível em http://www.eco.unicamp.br/neit/boletim.htm. Acesso em 1º de outubro de 2007.

IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica – PINTEC 2003. Rio de Janeiro: IBGE, 2005.

Javorcik, B.S. “Does foreign direct investment increase the productivity of domestic firms? In search of spillovers through backward linkages”, American Economic Review, v.94, n.3, p.605-627, jun., 2004.

Kinoshita, Y. “R&D and technology spillovers through FDI: innovation and absorptive capacity”, CEPR Discussion Paper, n.2.775. Londres: CEPR – Center for Economic Policy Research, maio, 2001.

Kugler, M. Spillovers from foreign direct investment: Within or between industries?, Journal of Development Economics, v.80, n.2, p.444-477, ago., 2006.

Kupfer, D. “Política industrial”, Econômica, Rio de Janeiro, v.5, n.2, p.281-298, dez., 2003.

Kupfer, D.; Rocha, F. “Productividad y heterogeneidad estructural en la industria brasileña”, in Cimoli, M. (org.), Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: BID, CEPAL, 2005.

Lessa, C. “Desnacionalização acelerada na indústria brasileira”, Valor Econômico, 3/7/2007, p.A15.

Sarti, F.; Laplane, M. “O investimento direto estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira nos anos 1990”, Economia e Sociedade, v.11, n.1(18), p.63-94, jan.-jun., 2002.

Schoors, K.; Van der Tol, B. Foreign direct investment spillovers within and between sectors: evidence from Hungrian data. Ghent University, out., 2002, Working Paper, n.157.

Viotti, E.B. “National learning systems – A new approach on technological change in late industrializing economies and evidences from the cases of Brazil and South Korea”, Technological Forecasting and Social Change, v.69, p.653-680, set., 2002.

Wooldridge, J.M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

Downloads

Publicado

2010-03-22

Como Citar

JORGE, M. F.; DANTAS, A. T. Investimento Estrangeiro Direto, Transbordamento e Produtividade: um estudo sobre ramos selecionados da indústria no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 481–514, 2010. DOI: 10.20396/rbi.v8i2.8648988. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648988. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos