Financiamento do crescimento da indústria brasileira: seriam as fontes adequadas aos regimes tecnológicos setoriais?

Autores

  • Fernanda Marie Yonamini Universidade Federal do Paraná
  • Flávio de Oliveira Gonçalves Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v9i1.8648994

Palavras-chave:

Financiamento. Regime tecnológico. Sistemas setoriais de inovação.

Resumo

O objetivo do trabalho é analisar a relação entre o tipo de financiamento e o crescimento dos diversos setores da indústria de transformação e ligá-la ao maior ou menor grau de adequação das fontes às oportunidades tecnológicas setoriais. Para tanto, faz-se uma avaliação em painel de dados da relação entre aprofundamento financeiro e inovação, utilizando dados desagregados para os setores industriais, agrupados de acordo com regimes tecnológicos, fazendo um exercício de Granger-causalidade em painéis. Os resultados encontrados mostram que os setores mais inovativos, que impulsionariam o crescimento da economia agregada de forma mais acentuada, apresentam dinâmicas de financiamento inadequadas ao seu crescimento. Assim, para setores com altas oportunidades tecnológicas e forte persistência na inovação, encontrou-se o regime de financiamento do tipo bank-based, enquanto o ideal para o seu crescimento seria o regime market-based. Já os setores menos inovativos se encontram em melhor situação de financiamento e de condições de crescimento. Tais condições (des)favoráveis acabam por se materializar em (menores) maiores taxas de crescimento e participação no Produto Industrial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Marie Yonamini, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (2004), mestrado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná (2007) e doutorado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná (2011). Atualmente trabalha na Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Crescimento e Desenvolvimento Econômico, atuando principalmente nos seguintes temas: regimes tecnológicos, inovação e sistemas setoriais de inovação.

Flávio de Oliveira Gonçalves, Universidade Federal do Paraná

Flávio Gonçalves é Doutor em Economia pela Universidade de Brasília (1995), visitou a Universita Cattolica Del Sacro Cuore di Milano (2001 - Doutorado Sanduíche), Scuola Superiore Sant´Anna (2004 - Pós Doutorado) e Universitá Bocconi (2009). Professor da Universidade Federal do Paraná tem atuado no Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Econômico onde desenvolve suas pesquisas sobre educação, desigualdade, crescimento e inovação.

Referências

AGHION, P.; HOWITT, P. A model of growth through creative destruction. Econometrica, v. 60. n. 2, p. 323-351, 1992.

ARESTIS, P.; DEMETRIADES, P. Finance and growth: institutionals considerations and causality. London, University of East London, Department of Economics, 1996. (Working Paper, n. 5).

BALTAGI, B.H.; PESARAN, M.H. Heterogeneity and cross section dependence in panel data models: theory and applications introduction. Journal of Applied Econometrics, v. 22, n. 2, p. 229-232, 2007.

CORDER, S.; SALLES-FILHO, S. Aspectos conceituais do financiamento à inovação. Revista Brasileira de Inovação, v. 5, n. 1, p. 33-76, jan./jun. 2006.

DICKEY, D.A.; FULLER, W.A. Distribution of the estimators for autoregressive time series with a unit root. Journal of the American Statistical Association, v. 74, n. 366, p. 427-431, 1979.

DOSI, G. Finance, Innovation and Industrial Change. Journal of Economic Behavior and Organization, v. 13, issue 3, p. 299-319, 1990.

FINK, G.; HAISS, P.; HRISTOFOROVA, S. Bond Markets and Economic Growth. Research Institute for European Affairs. Vienna, University of Economics and Business Administration Vienna. 2003. (IEF Working Paper, n. 49). Disponível em: http://fgr.wuwien.ac.at/institut/ef/wp/WP49.pdf.

IEF Working Paper Nr.49, Research Institute for European Affairs, University of Economics and Business Administration, Vienna, April, 2003

FREEMAN, C. The Kondratiev Long Waves, Technical Change and Unemployment. Structural Determinants of Employment, Paris, OECD, v. 2, p. 181-196, 1977.

HENRIQUES, T.R. O papel do sistema financeiro brasileiro no sistema nacional de inovação: introdução à discussão a partir dos dados da Pintec 2003. Prêmio Ipea-Caixa. 2007. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/ipea_caixa/2007/estudante_tema03_1lugar.pdf

IBGE. Pesquisa Industrial Anual – Empresa. Série Relatórios Metodológicos. Rio de Janeiro, v. 26. 2004a.

IBGE. Pesquisa Industrial – Produto. Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, 2004b.

IM, K.; PESARAN, H.; SHIN, Y. Testing for Unit Roots in Heterogeneous Panels. Journal of Econometrics, v. 115, n. 1, p. 53-74, 2003.

KEYNES, J.M. Teoria geral do emprego, do juro e da moeda. Rio de Janeiro: Atlas, 1982.

KLETTE, T.J.; KORTUM, S. Innovating firms and aggregate innovation. Journal of Political Economy, v. 112, n. 5. p. 986-1018, 2004.

LEVIN, A.; LIN, C. Unit Root Tests in Panel Data: Asymptotic and Finite-Sample Properties. University of California, December, 1993. San Diego Discussion Paper.

MADDALA, G.S.; WU, S. A comparative study of unit root tests with panel data and a new simple test. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, v. 61, p. 631-652, 1999.

MALERBA, F. Sectoral Systems and Innovation and Technology Policy. Revista Brasileira de Inovação, v. 2, n. 2, p. 329-375, 2003.

MARSILI, O.; VERSPAGEN, B. Technological Regimes and Innovation: Looking for Regularities in Dutch Manufacturing. Artigo apresentado em Nelson and Winter Conference in Aalborg, June 12-15, 2001. Disponível em: http://www.druid.dk/.

NELSON, R. Why do firms differ, and how does it matter?. Strategic Management Journal, n. 12, p. 61-74, Winter 1991.

NELSON, R.; SAMPAT, B. Making sense of institutions as a factor shaping economic performance. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 44, p. 31-54, 2001.

NELSON, R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Belknap Press, 1982.

O’SULLIVAN, M. Finance and innovation. In: FAGERBERG, J; MOWERY, D.C.; NELSON, R.R. (Ed.). The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press. 2005. p. 240-265.

PAVITT, K. Sectoral Patterns of Technical Change: Towards a Taxonomy and a Theory. Research Policy, n. 13, p. 343-373, 1984.

PEDRONI, P. Critical Values for Cointegration Tests in Heterogeneous Panels with Multiple Regressors. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, n. 61, p. 653-678, 1999. (Special Issue).

PEREZ, C. Technological Revolutions and Financial Capital. The Dynamics of Bubbles and Golden-Ages. Cheltenham, Elgar, 2002.

PESARAN, H.; SHIN, Y.; SMITH, R. Pooled Mean Group Estimation and Dynamic Heterogeneous Panels. Journal of the American Statistical Association, v. 94, n. 446, p. 621-634, 1999.

SCHUMPETER, J. The Theory of Economic Development. Cambridge Harvard: University Press, 1911.

ZYSMAN, J. Governments, Markets, and Growth: Financial Systems and the Politics of Industrial Growth. Oxford: Martin Robertson, 1983.

Downloads

Publicado

2010-07-05

Como Citar

YONAMINI, F. M.; GONÇALVES, F. de O. Financiamento do crescimento da indústria brasileira: seriam as fontes adequadas aos regimes tecnológicos setoriais?. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 69–92, 2010. DOI: 10.20396/rbi.v9i1.8648994. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648994. Acesso em: 1 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos