Banner Portal
Inovações tecnológicas na indústria de móveis: uma avaliação a partir da concentração produtiva de Bento Gonçalves (RS)
PDF

Palavras-chave

Inovação tecnológica. Indústria de móveis. Móveis.

Como Citar

MARION FILHO, P. J.; SONAGLIO, C. M. Inovações tecnológicas na indústria de móveis: uma avaliação a partir da concentração produtiva de Bento Gonçalves (RS). Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 93–118, 2010. DOI: 10.20396/rbi.v9i1.8648995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648995. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

O artigo avalia a adoção de inovações tecnológicas na indústria de móveis retilíneos residenciais de Bento Gonçalves, a principal aglomeração produtiva do Rio Grande do Sul e uma das mais importantes do Brasil. Faz-se uma análise descritiva dos dados obtidos por meio de questionários enviados às empresas, e conclui-se que as inovações mais importantes para a indústria são: de produto, a inclusão de produtos novos para a empresa, mas já existentes no mercado, e alterações no desenho/estilo dos móveis; de processo, mudanças tecnológicas parciais em processos já adotados e a adoção de processos já existentes no setor; e organizacionais, a implementação de novas técnicas de gestão e mudanças na estrutura organizacional.
https://doi.org/10.20396/rbi.v9i1.8648995
PDF

Referências

ABIMÓVEL – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário. Panorama do setor moveleiro no Brasil. São Paulo, jun. 2005. Disponível em: http://www.abimovel.org.br. Acesso em: 12 maio 2006.

AGHION, P.; HOWITT, P.; MAYER-FOULKES, D. The Effect of Financial Development on Convergence: Theory and Evidence. The Quarterly Journal of Economics, v. 120, n. 1, p. 173-222, February 2005.

BARQUEIRO, A.V. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística, 2001.

BEGNIS, H.S.M.; PEDROZO, E.A.; ESTIVALETE, V.F.B. Cooperação enquanto estratégia segundo diferentes perspectivas teóricas. In: ENCONTRO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 29, Brasília. Anais... Brasília, Enanpad, 2005.

BRITO, J. Cooperação e aprendizado em arranjos produtivos locais: em busca de um referencial analítico. Rio de Janeiro, ago. 2004. Disponível em: http:// www.ie.ufrj.br/redesist. Acesso em: 18 jul. 2005.

CAMPOS, R.R. et al. Aprendizagem por interação: pequenas empresas em sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro, ago. 2004. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/redesist. Acesso em: 17 jul. 2005.

CÂNDIDO, G.A.; ABREU, A.F. Os conceitos de redes e as relações interorganizacionais: um estudo exploratório. In: ENCONTRO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 24., Florianópolis. Anais... Florianópolis, Anpad, 2000. 1 CD.

CASSIOLATO, J.E. A economia do conhecimento e as novas políticas industriais e tecnológicas. In: LASTRES, H.M.M.; ALBAGLI, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

CASSIOLATO, J.E.; VARGAS, M.A.; BRITTO, J. N. de P. Arranjos cooperativos e inovação na indústria brasileira. In: DE NEGRI, J.A.; SALERMO, M.S. (Org.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: Ipea, 2005.

CORIAT, B.; DOSI, G. The nature and accumulation of organizational competences/capabilities. Revista Brasileira de Inovação, v. 1, n. 2, jul./dez. 2002.

DOSI, G. The nature of the innovative process. In: DOSI, G. et al. (Org.). Technical change and economic theory. London: Pinter Publishers, 1988.

KUPFER, D. Uma abordagem neo-schumpeteriana da competitividade industrial. Ensaios FEE, ano 17, n. 1, p. 335-72, 1996.

LEMOS, C. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, H.M.M.; ALBAGLI, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MARION FILHO, P. J. A evolução e a organização recente da indústria de móveis nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Ciências – Economia Aplicada) – Escola Superior de Agricultura “Luiz Queiroz” – ESALQ, USP, Piracicaba, 1997.

MARSHALL, A. Princípios de economia. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MYTELKA, L.; FARINELLI, F. De aglomerados locais a sistemas de inovação. In: LASTRES,

H.M.M.; CASSIOLATO, J.E.; ARROIO, A. (Org.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Contraponto, 2005.

PORTER, M.E. Competição=on competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

RÉVILLION, J.P.P. Análise dos sistemas setoriais de inovação das cadeias produtivas de leite fluido na França e no Brasil.Tese (Doutorado em Agronegócios). Programa de Pós-Graduação em Agronegócios do Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2004.

ROESE, M. Política industrial e de C&T regional: sistemas de inovação regionais? O caso da aglomeração moveleira de Bento Gonçalves/RS. Revista Eletrônica de Administração. v. 6, n. 4, jul./ago. 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2005.

ROESE, M. Problemas globais, respostas locais: a indústria de móveis de madeira no Brasil à luz dos enfoques de cadeias produtivas e sistemas regionais de inovação. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Instituto de Geociências - Universidade Estadual de Campinas , Campinas, SP, 2003.

SCHMITZ, H. Eficiência coletiva: caminho de crescimento para a indústria de pequeno porte. Ensaios FEE, Porto Alegre, Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser, v. 18, n. 2, p. 164-200. 1997.

SCHUMPETER, J.A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juros e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas).

SIEGEL, S. Estatística não-paramétrica para as ciências do comportamento. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1975.

SINDMÓVEIS – Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves. Disponível em: http://www.sindmoveis.com.br/port/default.asp?page=dados.asp. Acesso em: 15 maio 2006.

SOUZA, M.C.A.F; MAZZALI, L.; BACIC, M.J. Relações de cooperação com grandes empresas: oportunidades e limites para o desenvolvimento de pequenas e médias empresas: reflexões para o caso do Brasil. Ensaios FEE, Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser, v. 18, n. 2, p. 201-234, 1997.

TEECE, D.J. As aptidões das empresas e o desenvolvimento econômico: implicações para as economias de industrialização recente. In: KIM, L.; NELSON, R. (Org.). Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas, SP: Unicamp, 2005.

TETHER, B.S. What is innovation? Approaches to distinguishing new product and processes from existing products and processes. CRIC Working paper, n. 12, ago. 2003.

TIGRE, P. Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Modulo 1 – Sociedade do conhecimento – Mestrado Executivo em Inteligência Empresarial. Disponível em: www.ie.ufrj.br/redesist. Acesso em: 23 abr. 2005.

VIOTTI, E.B. Fundamentos e evolução dos indicadores de CT&I. In: VIOTTI, E. B.; MACEDO, M. de M. (Org.). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Campinas: Unicamp, 2003.

VIOTTI, E.B. Passive and Active Learning Systems: a Framework to Understand Technical Change in Late Industrializing Economies and Some Evidences from a Comparative Study of Brazil and South Korea. Tese (Doutorado) – The New School for Social Research, Nova York, 1997.

O conteúdo dos artigos e resenhas publicados na RBI são de absoluta e exclusiva responsabilidade de seus autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.