Uma conspiração multidimensional em torno da indústria de software: argumentos para a intervenção em setores de alta intensidade tecnológica

  • Silvio Vanderlei Araújo Universidade Federal da Bahia
  • Alisson Santos de Sousa Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia
  • Emerson Wilian Araújo Fundação Visconde de Cairu
Palavras-chave: Vantagens comparativas. Indústria de software. Intervenção estatal. Paul Krugman.

Resumo

Este artigo analisa o debate atual relacionado à intervenção estatal nas indústrias de alta intensidade tecnológica. Por um lado, existem argumentos contra tais intervenções que consideram essas indústrias setores também intensivos em capital. Ao contrário do que se pensa, para esta corrente, a intensidade de capital – e não a tecnológica – seria o fator determinante da adição de valor. Por ouro lado, foi possível provar, neste trabalho, que existe ao menos uma indústria de alta intensidade tecnológica, intensiva em trabalho e não em capital, com alto valor adicionado, que gera diversas externalidades positivas em âmbitos social e econômico: a indústria de software. Tais externalidades servem como importantes argumentos para justificar a intervenção estatal em setores de alta intensidade tecnológica e lança dúvidas sobre o argumento da exclusividade do capital como determinante de adição de valor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio Vanderlei Araújo, Universidade Federal da Bahia
Possui Bacharelado em Ciência da Computação pela Universidade Federal da Bahia (2000), Bacharelado em Administração pela Universidade do Estado da Bahia (2002), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Bahia (2003) e doutorado em Administração pela Universidade Federal da Bahia (2011). 
Alisson Santos de Sousa, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia
Possui graduação em Administração pela Universidade do Estado da Bahia (2002) e Especialização em Gestão Pública e Gestão Social para o Desenvolvimento. Atualmente é Gerente de Gestão Participativa - Fundação Estatal Saúde da Família. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Setores Específicos.
Emerson Wilian Araújo, Fundação Visconde de Cairu
Possui graduação em Administração com habilitção em análise de sistema pela Fundação Visconde de Cairu (2008). Atualmente é Sócio-Gerente da Blue Tulip Tecnologia da Informação Ltda- ME. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciência da Computação. Foi Analista de Sistemas da MDS Tecnologia da Informação.

Referências

AMSDEN, A. H. Asias’s next giant: South Korea and late industrialization. New York: Oxford University Press, 1989.

BEA Bureau of Economic Analysis. Gross domestic product by industry accounts. Disponível em: http://www.bea.gov/. Acesso em: 01 ago. 2007.

BESSEN, J.; HUNT, R. M. An empirical look at software patents. 2004. (Working Paper n. 03-17/R). Disponível em: http://www.researchoninnovation.org/swpat.pdf. Acesso em: 12 abr. 2008.

BLS Bureau of Labor Statistics. National industry-specific occupational employment and wage estimates. May 2008. Disponivel em: http://www.bls.gov. Acesso em: 28 maio 2009.

BRANCO, C. E. C.; MELO P. R. de S. Proposta de atuação para o BNDES no setor de sof-

tware. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/conhecimento/bnset/ sofset02.pdfAcesso em: 10 fev 2003.

CARNEIRO, A. M. Proteção de ativos na indústria de software: estratégias e tendências de Propriedade Intelectual. Campinas: Instituto de Geociências – Departamento de Política Científica e Tecnológica, Universidade Estadual de Campinas, 2007.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CHANDLER, A. D. Scale and scope. Massachusetts: Harvard/Belknap, 1990.

CHANG, H. J. Chutando a escada a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Unesp, 2004.

CIMOLI, M.; DOSI, G.; NELSON, R. R.; STIGLITZ, J. Instituições e políticas moldando o desenvolvimento industrial. RBI, Rio de Janeiro, Finep, v.6, n.1, p.55-85, 2007.

EVANS, P. Autonomia e parceria. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

FREEMAN, C. Inovação e ciclos longos de desenvolvimento econômico. Porto Alegre, 1984.

FREEMAN, C.; SOETE, L. The economics of industrial innovation. Massachusetts: MIT Press, 1997.

GAIO, F. The development of computer software technological capabilities in developing countries: a case study of Brazil. 1990. Thesis (Doctor of Philosophy) Sussex, April 1990.

GILPIN, R. The politic economy of international relations. Princeton, NJ: PRU, 1987.

GOLDENSTEIN, L. Repensando a dependência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

HATZICHRONOGLOU, T. Revision of the high-technology sector and product classification. Paris: OCDE, 1997.

HEEKS, R.; NICHOLSON, B. Software export success factors and strategies in developing and transitional economies. Paper n. 12/2002. Disponível em: http://www.man.ac.uk/idpm/idpm_dp.htm#devinf_wp. Acesso em: 10 jan. 2003.

HIRSCHMAN, A. A generalized linkage approach to development, with special reference to staples. Economic Development and Cultural Change, n.25, p. 67-97, 1977.

IBGE. Pesquisa de Inovação Tecnológica – Pintec 2005. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 30 jul. 2007.

IBGE. Pesquisa Anual de Serviços 2006. Rio de Janeiro, 2006a. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 22 maio 2009.

IBGE. Pesquisa Industrial Anual 2006. Rio de Janeiro, 2006b. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 22 maio 2009.

KIM, L. Da imitação à inovação. Campinas: Unicamp, 2005.

KONCZ, J.; MANN, M.; NEPHEW, E. U.S. international services. Disponível em: http://www.bea.gov. Acesso: 05 set. 2007.

KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia internacional: teoria e política. 4a Ed. São Paulo: Makron Books, 1999.

KRUGMAN, P. R. Economia internacional: teoria e política. São Paulo: Makron Books, 2007.

KUMAR, K. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LIST, F. Sistema nacional de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

McFARLAN, F. W. A tecnologia da informação muda a sua maneira de competir. In: MONTGOMERY, C. A.; PORTER, M. E. Estratégia. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998.

MODY, A. Strategies for developing information industries. In: COOPER, C.; KAPLINSKY, R. Technology and development in the third industrial revolution. London: Frank Kass, 1989.

NSF – National Science Foundation. Science and engineering indicators 2006. Disponível em: http://www.nsf.gov. Acesso em: 07 set. 2007.

OECD. ICT Outlook 2006. Disponível em: http://www.oecd.org. Acesso em: 25 jul. 2007.

OZAKI, R. S. How japanese industrial policy works. In: JOHNSON, C. (Ed.). The industrial policy debate. San Francisco, CA: ICS Press, 1984.

PAVITT, K. Patent statistics as indicators of innovative activities: possibilities and problems. Scientometrics Vol. 7. Nos 1-2. p. 77-99. 1985.

PEREZ, C. A onda atual de mudança tecnológica. Washington: Banco mundial, 1989.

PEREZ, C. Changement technologique et opportunités de développement: une cible mouvante. Revista de la CEPAL. Número especial. 2005.

PREBISCH. R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus principais problemas. 1949. p. 69 – 136. In: BIELSCHOWSKY, R. Cinqüenta anos de pensamento na Cepal. v1. Rio de Janeiro: Record, 2000.

PREBISCH. R. Dinâmica do desenvolvimento latino-americano. São Paulo: Fundo de Cultura, 1964.

MTE – Ministério do Trabalho e Emprego. Relação Anual de Informações Sociais – Rais. 2007. Disponível em: www.mte.goc.br/pdet. Acesso em: 28 maio 2009.

RICARDO, D. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

ROSELINO, J.E. A indústria de software. Tese (Doutorado). Campinas: Unicamp, 2006.

ROSENBERG, N.; BIRDZELL. L.E. A história da riqueza do ocidente: a transformação econômica do mundo industrial. Rio de Janeiro: Record, 1986.

ROUSSEVA, R. Technological capabilities with different degree of coherence: a comparative study of domestic-oriented vs. export-driven bulgarian software companies. 2006. Disponível em: http://www.merit.unu.edu. Acesso em: 10 fev. 2007.

SCHUMPETER, J. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SHAPIRO, C.; VARIAN, H. R. Information rules. Massachusetts: HBS Press, 1999.

USPTO (U.S. Patent). Ranked listing of organizations with patent grants. Disponível em: http://www.uspto.gov/web/offices/ac/ido/oeip/taf /apat.pdf. Acesso em: 07 set. 2007.

VEIGA, R. Atividades de desenvolvimento de software: uma análise das possibilidades de inclusão social Dissertação (Mestrado). Campinas: Departamento de Política Científica e Tecnológica – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

Publicado
2010-12-22
Como Citar
Araújo, S. V., Sousa, A. S. de, & Araújo, E. W. (2010). Uma conspiração multidimensional em torno da indústria de software: argumentos para a intervenção em setores de alta intensidade tecnológica. Revista Brasileira De Inovação, 9(2), 291-322. https://doi.org/10.20396/rbi.v9i2.8649003
Seção
Artigos