Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico

Autores

  • Adriano José Pereira Universidade Federal de Santa Maria
  • Ricardo Dathein Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v11i1.8649029

Palavras-chave:

Processo de aprendizado. Tecnologia social. Sistemas de inovação. Desenvolvimento econômico.

Resumo

Ao conceber a empresa como uma instituição de produção e aprendizado, a abordagem “institucionalista-evolucionária” tem avançado na compreensão das causas e efeitos de seu desempenho como agente da inovação. A partir dessa perspectiva, este artigo faz uma revisão da discussão teórica sobre o papel das empresas na consolidação dos sistemas de inovação, enfatizando a importância do processo de aprendizado como base da acumulação de conhecimentos necessários à promoção de inovações tecnológicas, organizacionais e também institucionais. Nesse sentido, entende-se que a empresa contribui e, ao mesmo tempo, se favorece dos sistemas de inovação, na medida em que o processo de aprendizado é parte inerente da “coevolução das tecnologias físicas e sociais”, propiciando avanços nos níveis micro e mesoeconômicos, o que promove o desenvolvimento econômico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano José Pereira, Universidade Federal de Santa Maria

Professor adjunto do Departamento de Ciências Econômicas da UFSM.

Ricardo Dathein, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor associado do Departamento de Ciências Econômicas e do Programa de Pós-Graduação em Economia (PPGE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ARTHUR, W. B. Competing technologies increasing returns and lock-in by historical events. Economic Journal, v. 99, n. 394, p. 116-31, mar. 1989.

AUDRETSCH, D. B. Knowledge, globalization, and regions: an economist’s perspective. In: DUNNING, J. H. (Ed.). Regions, globalization, and knowledge-based economy. New York: Oxford University Press, 2000, p. 63-81.

BECKER, M. C. The concept of routines twenty years after Nelson and Winter (1982): a review of the literature. DRUID, 2006 (Working papers, n. 03-06).

BELL, M. “Learning” and the accumulation of industrial technology capacity in developing countries. In: FRANSMAN, M.; KING, K. Technological capability in the third world. London: Macmillan Press, 1984, p. 187-209.

BOYER, R. Labour institutions and economic growth: a survey and a “regulationist” approach. Labour, v. 7, n. 1, p. 25-72, 1993.

CHANG, H-J. Understanding the relationship between institutions and economic development – some key theoretical issues. In: CHANG, H-J. (Ed.). Institutional change and economic development. New York: United Nations University Press, 2007, p. 17-33.

CIMOLI, M.; DELLA GIUSTA, M. The nature of technological change and its main implications on National and Local Systems of Innovation. Interim Report, International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA), n. 29, June 1998. Disponível em: http://www.iiasa.ac.at/Admin/PUB/Documents/IR-98-029.pdf Acesso em: 13 maio 2011.

CIMOLI, M.; KATZ, J. Structural reforms, technological gaps and economic development: a Latin American perspective. Serie Desarrollo Productivo, Cepal, n. 129, 2002.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R&D. The Economic Journal, n. 99, p. 569-596, Sep. 1989.

COHEN, W. M. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, n. 35, p. 128-152, 1990.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Crescimento econômico sob as óticas evolucionária e institucionalista: elementos para uma teorização apreciativa. In: DATHEIN, R. (Org.). Desenvolvimento econômico brasileiro: contribuições sobre o período pós-1990. Porto Alegre: UFRGS, 2008, p. 183-213.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Instituições, crescimento e mudança na ótica institucionalista. Porto Alegre: FEE, 2001 (Teses FEE, n.1).

CONTI, S. Espaço global versus espaço local. In: DINIZ, C.; LEMOS, M. (Orgs.). Economia e território. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

CORIAT, B.; DOSI, G. The nature and accumulation of organizational competences/capabilities. Revista Brasileira de Inovação, v. 1, n. 2, p. 275-326, jul./dez. 2002.

DOSI, G. Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria de semicondutores. Campinas: Unicamp, 2006.

DOSI, G.; MALERBA, F. Organizational learning and institutions embeddedness: an introduction to the diverse evolutionary paths of modern corporation. In: DOSI, G.; MALERBA, F. (Eds.). Organization and strategy in the evolution of enterprise. Macmillan Press, 1996. p. 1-24.

DUNNING, J. H. Alliance capitalism and global business. Routledge: London and New York, 1997.

DUNNING, J. H. Regions, globalization, and the knowledge economy: the issues stated. In: DUNNING, J. H. (Ed.). Regions, globalization, and knowledge-based economy. New York: Oxford University Press, 2000, p. 7-41.

EDQUIST, C. The systems of innovation approach and innovation policy: an account of the state of the art. DRUID Conference, Aalborg University, June 12-15, 2001.

ERNST, H. About learning and unlearning regions. In: RUTTEN, R.; BOEKEMA, F.; KUIJPERS, E. (Eds.). Economic geography of higher education: knowledge infrastructure and learning regions. Routledge: London and New York, 2003, p. 110-126.

FIGUEIREDO, P. N. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, p. 323-361, jul./dez. 2004.

FREEMAN, C. The “National System of Innovation” in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1995.

HODGSON, G. M. Evolution and institutions: on evolutionary economics and the evolution of economics. Cheltenham, UK; Northampton, MA, USA: Edward Elgar, 1999.

JOHNSON, B.; LUNDVALL, B-Â. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIO LATO, J. E.; ARROIO, A. (Orgs.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ; Contraponto, 2005, p. 83-130.

LALL, S. Technology and industrial development in an era of globalization. In: CHANG, H-J. (Ed.). Rethinking Development Economics. London: Anthem Press, 2003.

LASTRES, H. M. M.; FERRAZ, J. C. Economia da informação, do conhecimento e do aprendizado. In: LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S. (Orgs.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999, p. 27-57.

LUNDVALL, B-Â. National Innovation System: analytical Focusing Device and Policy Learning Tool. Swedish Institute for Growth Policy Studies- ITPS, 2007 (Working paper, n. 4).

LUNDVALL, B-Â. The social dimension of the learning economy. DRUID, Apr. 1996 (Working paper, n. 96-1).

MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, v. 102, n. 413, p. 845-859, Jul. 1992.

MALERBA, F. Sectoral systems and innovation and technology policy. Revista Brasileira de Inovação, v. 2, n. 3, p. 329-375, jul./dez. 2003.

NELSON, R. R. The co-evolution of technology, industrial structure and supporting institutions. In: DOSI, G.; TEECE, D. J.; CHITRY, J. (Eds.). Technology, organization and competitiveness: perspective on industrial and corporate change. Oxford University Press, 1998, p. 319-35.

NELSON, R. R. Bringing institutions into evolutionary growth theory. Journal of Evolutionary Economics, v. 12, n. 1, p. 17-28, 2002.

NELSON, R. R. As fontes do crescimento econômico. Campinas: Unicamp, 2006a.

NELSON, R. R. Economic development from the perspective of evolutionary economic theory. 2006b (Working papers in technology, governance and economic dynamics, n. 2).

NELSON, R. R. What enables rapid economic progress: what are the needed institutions? Research Policy, n. 37, n. 1, p. 1-11, 2008.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Unicamp, 2005.

NORTH, D. C. Instituciones, cambio institucional e desempeño económico. México: Fondo de Cultura Económico, 1993.

PAVITT, K. The process of innovation. Science and Technology Policy Research (SPRU), August 2003 (Electronic working papers series, n. 89).

PENROSE, E. A teoria do crescimento da firma. Campinas: Unicamp, 2006.

PÉREZ, C. Cambio tecnológico y oportunidades de desarrollo como blanco móvil. Revista de La CEPAL, n. 75, p. 115-136, dic. 2001.

PONDÉ, J. L. Organização das grandes corporações. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (Orgs.). Economia industrial: fundamentos teóricos e prática no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002, p. 287-306.

POSSAS, M. Ciência, tecnologia e desenvolvimento: referências para debate. In: CASTRO, A. C. et al. (Orgs.). Brasil em desenvolvimento 1: economia, tecnologia e competitividade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 319-335.

REINERT, E. S. Catching-up from way behind. A third world perspective on first world history. In: FAGERBERG, J.; VERSPAGEN, B.; VON TUNZELMANN, N. (Eds.). The dynamics of technology, trade and growth. England: Edward Elgar Publishing, 1994, p. 168-197.

REINERT, E. S. Institutionalism ancient, old, and new: a historical perspective on institutions and uneven development. In: CHANG, H-J. (Ed.). Institutional change and economic development. New York: United Nations University Press, 2007, p.53-72.

ROBERTSON, P. L.; LANGLOIS, R. N. Innovation, networks, and vertical integration. Research Policy, n. 24, p. 543-562, 1995.

RUTTEN, R.; BOEKEMA, F.; KUIJPERS, E. Economic geography of higher education: setting the stage. In: RUTTEN, R.; BOEKEMA, F.; KUIJPERS, E. (Eds.) Economic geography of higher education: knowledge infrastructure and learning regions. Routledge: London and New York, 2003, p. 1-15.

SCHUMPETER, J. A. The creative response in economic history. The Journal of Economic History, v. 7, n. 2, p. 149-159, Nov. 1947.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

SCHUMPETER, J. A. A instabilidade do capitalismo. In: CARNEIRO, R. (Org.). Os clássicos da economia. São Paulo: Atlas, 1997a, p. 68-96.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997b.

TEECE, D. J. As aptidões das empresas e o desenvolvimento econômico: implicações para as economias de industrialização recente. In: KIM, L.; NELSON, R. R. (Orgs.). Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas: Unicamp, 2005. p. 147-178.

TIGRE, P. B. Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, v. 4, n. 1, p. 187-223, jan./jun. 2005.

VIOTTI, E. B. National learning systems: a new approach on technical change in late industrializing economies and evidences from the cases of Brazil and South Korea. Science, technology and innovation discussion. Cambridge, MA, USA: Center for International Development, Harvard University, 2001 (Paper n. 12).

VIOTTI, E. B. Fundamentos e evolução dos indicadores de CT&I. In: VIOTTI, E. B.; MACEDO, M. M. Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Campinas: Unicamp, 2003, p. 41-87.

Downloads

Publicado

2012-03-01

Como Citar

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 137–166, 2012. DOI: 10.20396/rbi.v11i1.8649029. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649029. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos