Eficiência dos Dispêndios em Inovação nas Indústrias de Transformação do Brasil

Autores

  • Chrystian Soares Mendes Universidade Federal de Viçosa
  • Luckas Sabione Lopes Universidade Federal de Viçosa
  • Adriano Provezano Gomes Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v11i1.8649031

Palavras-chave:

Inovação tecnológica. Análise de eficiência. Indústria de transformação.

Resumo

O presente estudo buscou identificar se 23 setores da indústria de transformação que investiram em atividades de inovação foram eficientes em 2003 e 2005, por meio da análise envoltória de dados, principalmente pelo modelo de retornos variáveis à escala. Verificou-se que o nível de eficiência reduziu-se consideravelmente ao longo dos anos, com o escore médio passando de 0,82 para 0,68 entre 2003 e 2005, além de, neste último ano, ter ocorrido uma mudança em relação às unidades eficientes. Os únicos setores eficientes nos dois anos foram os ligados à produção de derivados do petróleo, de metais não ferrosos e de automóveis em geral. Conclui-se, afinal, que a manutenção dos níveis de lucratividade em função dos gastos com inovação dos setores da indústria de transformação nacional depende de uma maior eficiência no uso destes recursos, com o intuito de alcançar ou, se possível, ultrapassar os padrões tecnológicos internacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Chrystian Soares Mendes, Universidade Federal de Viçosa

Doutorando em Economia Aplicada pelo Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa.

Luckas Sabione Lopes, Universidade Federal de Viçosa

Doutorando em Economia Aplicada pelo Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa.

Adriano Provezano Gomes, Universidade Federal de Viçosa

Prof. Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

ALBUQUERQUE, E. M. Patentes de invenção de residentes no Brasil (1980-1995): uma investigação sobre o papel dos direitos de propriedade intelectual na construção de um sistema nacional de inovação. Tese (Doutorado) − Instituto de Economia da UFRJ, 1998.

ALBUQUERQUE, E. M. Sistema estadual de inovação de Minas Gerais: um balanço introdutório e uma discussão do papel (real e potencial) da FAPEMIG para sua construção. Belo Horizonte: Face-UMFG/Cedeplar, setembro 2001 (Relatório de pesquisa − Fapemig.

AUDRETSCH, D. B. Agglomeration and the location of innovation activity. Oxford Review of Economic Policy, v. 14, n. 2, p. 18-29, 1998.

BANKER, R. D.; CHARNES, H.; COOPER, W. W. Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, v. 30, n. 9, p. 1078-1092, 1984.

BERGERMAN, M. Inovação como instrumento de geração de riqueza no Brasil: o exemplo dos institutos privados de inovação tecnológica. In: SEMINÁRIOS TEMÁTICOS PARA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Revista Parcerias Estratégicas, n. 20, parte 5, p. 1419-1462, 2005.

CHARNES, A.; COOPER, W. W.; LEWIN, A. Y.; SEIFORD, L. M. Data envelopment analysis: theory, methodology, and aplication. Dordrecht: Kluwer Academic, 1994.

CHARNES, A.; COOPER, W. W.; RHODES, E. Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, v. 2, n. 6, p. 429-444, 1978.

COELLI, T. J. A guide to DEAP version 2.1: a Data Envelopment Analysis (computer) program. Cepa 1996 (Working papers , n. 8/96).

COELLI, T.; RAO, P.; BATTESE, G. An introduction to efficiency and productivity analysis. Massachusetts: Kluwer Academic Publishers, 1997.

COHEN, W.; NELSON, R.; WALSH, J. Protecting their intelectual assets: appropriability conditions and why U. S. manufacturing firms patent (or not). National Bureau of Economic Research − NBER, 2000 (Working paper, n. 7552).

DE NEGRI, F. Padrões tecnológicos e de comércio exterior das firmas brasileiras. In: DE NEGRI, J. A.; SALERNO, M. S. (Eds.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: Ipea, 2005.

FARREL, M. J. The measurement of productive efficiency. Journal of the Royal Statistical Society, Series A, part III, p. 253-290, 1957.

FELDMAN, M. P., AUDRETSCH, D. B. Innovation in cities: science-based diversity, specialization and localized competition. Europe Economic Review, v. 43. n. 2, p. 409-429, 1999.

FREEMAN, C.; SOETE. L. The economics of industrial innovation. London: MIT press, 1997.

GOMES, A. P. Cuidados ao calcular a eficiência do leite. In: XLV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL – SOBER. Londrina, julho 2007.

GOMES, A. P.; BAPTISTA, A. J. M. S. Análise envoltória de dados: conceitos e modelos básicos. Métodos quantitativos em economia. UFV, capítulo 5, 2004, p. 93-128.

GRYNSZPAN, F. O investimento privado em P&D pela indústria de transformação brasileira. Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogos entre experiências estrangeiras e brasileira. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégico −CGEE, 2008.

IBGE − Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro, 2003.

IBGE − Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial de Inovação Tec-

nológica. Rio de Janeiro, 2005.

LINS, M. P. E.; MEZA, L. A. Análise envoltória de dados e perspectivas de integração no ambiente do apoio à decisão. Rio de Janeiro: Editora da Coppe/UFRJ, 2000.

LOUKOIANOVA, E. Analysis of de efficiency and profitability of de Japanese banking system. International Monetary Fund, v. 8, n. 63, 2008.

MENDONÇA, E.; OLIVEIRA, A. O efeito dos contratos de licenciamento sobre a manutenção do segredo da inovação. In: XXXI ENCONTRO NACIONAL DA ANPEC. Anais... Porto Seguro, 2003.

MENDONÇA, E. C.; OLIVEIRA, A. L. R.; PROITE, A.; MENDONÇA, R. P. A. Os contratos de licenciamento e a eficiência técnica dos setores industriais brasileiros: uma análise do método de fronteira estocástica e da análise envoltória de dados (DEA). Revista Economia v. 7, n. 3, p. 531-560, 2006.

MOREIRA, M. M.; CORREA, P. G. Abertura comercial e indústria: o que se pode esperar e o que se vem obtendo. Revista de Economia Política, v. 17, n. 2 (66), 1997.

ROCHA, R. B.; NETTO, M. A. C. A. Data envelopment analysis model for rank ordering suppliers in the oil industry. Pesquisa Operacional, v. 22 n. 2, p. 123-132, 2002.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Ed. Abril Cultural, 1982 (Coleção Os Economistas).

SOARES DE MELLO, J. C. C. B.; MEZA, L. A.; GOMES, E. G.; SERAPIÃO, B. P.; LINS, M. P. E. Análise de envoltória de dados no estudo da eficiência e dos benchmarks para companhias aéreas brasileiras. Pesquisa Operacional, v. 23, n. 2, p. 325-345, 2003.

VERMULM, R. Estrutura industrial brasileira. In: COSTA, C.; ARRUDA, C. (Eds.). Em busca do futuro: a competitividade no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Downloads

Publicado

2012-03-02

Como Citar

MENDES, C. S.; LOPES, L. S.; GOMES, A. P. Eficiência dos Dispêndios em Inovação nas Indústrias de Transformação do Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 193–218, 2012. DOI: 10.20396/rbi.v11i1.8649031. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649031. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos