Banner Portal
Eficiência dos Dispêndios em Inovação nas Indústrias de Transformação do Brasil
PDF (English)

Palavras-chave

Inovação tecnológica. Análise de eficiência. Indústria de transformação.

Como Citar

MENDES, Chrystian Soares; LOPES, Luckas Sabione; GOMES, Adriano Provezano. Eficiência dos Dispêndios em Inovação nas Indústrias de Transformação do Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 193–218, 2012. DOI: 10.20396/rbi.v11i1.8649031. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649031. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

O presente estudo buscou identificar se 23 setores da indústria de transformação que investiram em atividades de inovação foram eficientes em 2003 e 2005, por meio da análise envoltória de dados, principalmente pelo modelo de retornos variáveis à escala. Verificou-se que o nível de eficiência reduziu-se consideravelmente ao longo dos anos, com o escore médio passando de 0,82 para 0,68 entre 2003 e 2005, além de, neste último ano, ter ocorrido uma mudança em relação às unidades eficientes. Os únicos setores eficientes nos dois anos foram os ligados à produção de derivados do petróleo, de metais não ferrosos e de automóveis em geral. Conclui-se, afinal, que a manutenção dos níveis de lucratividade em função dos gastos com inovação dos setores da indústria de transformação nacional depende de uma maior eficiência no uso destes recursos, com o intuito de alcançar ou, se possível, ultrapassar os padrões tecnológicos internacionais.
https://doi.org/10.20396/rbi.v11i1.8649031
PDF (English)

Referências

ALBUQUERQUE, E. M. Patentes de invenção de residentes no Brasil (1980-1995): uma investigação sobre o papel dos direitos de propriedade intelectual na construção de um sistema nacional de inovação. Tese (Doutorado) − Instituto de Economia da UFRJ, 1998.

ALBUQUERQUE, E. M. Sistema estadual de inovação de Minas Gerais: um balanço introdutório e uma discussão do papel (real e potencial) da FAPEMIG para sua construção. Belo Horizonte: Face-UMFG/Cedeplar, setembro 2001 (Relatório de pesquisa − Fapemig.

AUDRETSCH, D. B. Agglomeration and the location of innovation activity. Oxford Review of Economic Policy, v. 14, n. 2, p. 18-29, 1998.

BANKER, R. D.; CHARNES, H.; COOPER, W. W. Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, v. 30, n. 9, p. 1078-1092, 1984.

BERGERMAN, M. Inovação como instrumento de geração de riqueza no Brasil: o exemplo dos institutos privados de inovação tecnológica. In: SEMINÁRIOS TEMÁTICOS PARA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Revista Parcerias Estratégicas, n. 20, parte 5, p. 1419-1462, 2005.

CHARNES, A.; COOPER, W. W.; LEWIN, A. Y.; SEIFORD, L. M. Data envelopment analysis: theory, methodology, and aplication. Dordrecht: Kluwer Academic, 1994.

CHARNES, A.; COOPER, W. W.; RHODES, E. Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, v. 2, n. 6, p. 429-444, 1978.

COELLI, T. J. A guide to DEAP version 2.1: a Data Envelopment Analysis (computer) program. Cepa 1996 (Working papers , n. 8/96).

COELLI, T.; RAO, P.; BATTESE, G. An introduction to efficiency and productivity analysis. Massachusetts: Kluwer Academic Publishers, 1997.

COHEN, W.; NELSON, R.; WALSH, J. Protecting their intelectual assets: appropriability conditions and why U. S. manufacturing firms patent (or not). National Bureau of Economic Research − NBER, 2000 (Working paper, n. 7552).

DE NEGRI, F. Padrões tecnológicos e de comércio exterior das firmas brasileiras. In: DE NEGRI, J. A.; SALERNO, M. S. (Eds.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: Ipea, 2005.

FARREL, M. J. The measurement of productive efficiency. Journal of the Royal Statistical Society, Series A, part III, p. 253-290, 1957.

FELDMAN, M. P., AUDRETSCH, D. B. Innovation in cities: science-based diversity, specialization and localized competition. Europe Economic Review, v. 43. n. 2, p. 409-429, 1999.

FREEMAN, C.; SOETE. L. The economics of industrial innovation. London: MIT press, 1997.

GOMES, A. P. Cuidados ao calcular a eficiência do leite. In: XLV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL – SOBER. Londrina, julho 2007.

GOMES, A. P.; BAPTISTA, A. J. M. S. Análise envoltória de dados: conceitos e modelos básicos. Métodos quantitativos em economia. UFV, capítulo 5, 2004, p. 93-128.

GRYNSZPAN, F. O investimento privado em P&D pela indústria de transformação brasileira. Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogos entre experiências estrangeiras e brasileira. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégico −CGEE, 2008.

IBGE − Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro, 2003.

IBGE − Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial de Inovação Tec-

nológica. Rio de Janeiro, 2005.

LINS, M. P. E.; MEZA, L. A. Análise envoltória de dados e perspectivas de integração no ambiente do apoio à decisão. Rio de Janeiro: Editora da Coppe/UFRJ, 2000.

LOUKOIANOVA, E. Analysis of de efficiency and profitability of de Japanese banking system. International Monetary Fund, v. 8, n. 63, 2008.

MENDONÇA, E.; OLIVEIRA, A. O efeito dos contratos de licenciamento sobre a manutenção do segredo da inovação. In: XXXI ENCONTRO NACIONAL DA ANPEC. Anais... Porto Seguro, 2003.

MENDONÇA, E. C.; OLIVEIRA, A. L. R.; PROITE, A.; MENDONÇA, R. P. A. Os contratos de licenciamento e a eficiência técnica dos setores industriais brasileiros: uma análise do método de fronteira estocástica e da análise envoltória de dados (DEA). Revista Economia v. 7, n. 3, p. 531-560, 2006.

MOREIRA, M. M.; CORREA, P. G. Abertura comercial e indústria: o que se pode esperar e o que se vem obtendo. Revista de Economia Política, v. 17, n. 2 (66), 1997.

ROCHA, R. B.; NETTO, M. A. C. A. Data envelopment analysis model for rank ordering suppliers in the oil industry. Pesquisa Operacional, v. 22 n. 2, p. 123-132, 2002.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Ed. Abril Cultural, 1982 (Coleção Os Economistas).

SOARES DE MELLO, J. C. C. B.; MEZA, L. A.; GOMES, E. G.; SERAPIÃO, B. P.; LINS, M. P. E. Análise de envoltória de dados no estudo da eficiência e dos benchmarks para companhias aéreas brasileiras. Pesquisa Operacional, v. 23, n. 2, p. 325-345, 2003.

VERMULM, R. Estrutura industrial brasileira. In: COSTA, C.; ARRUDA, C. (Eds.). Em busca do futuro: a competitividade no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

O conteúdo dos artigos e resenhas publicados na RBI são de absoluta e exclusiva responsabilidade de seus autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.