O Ensino da Propriedade Intelectual: mapeando as academias da rede global

Autores

  • Liliana Machado Mendes Instituto Nacional da Propriedade Industrial
  • Beatriz Amorim-Borher Organização Mundial da Propriedade Intelectual

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v11i2.8649049

Palavras-chave:

Propriedade intelectual. Ensino e pesquisa em propriedade intelectual. Rede. TRIPS. Academia de propriedade intelectual.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo geral apresentar um mapeamento das Academias de Propriedade Intelectual vinculadas à Rede Global de Academias de PI (Global Network on Intellectual Property Academies/GNIPA), identificando suas estruturas de gestão, missões, atividades e resultados e, ao mesmo tempo, contextualizando o estabelecimento das mesmas no reconhecimento de que inovação e propriedade intelectual passam a ser elementos centrais para competitividade econômica. Tal diagnóstico deverá oferecer informações relevantes para apoiar, entre outras coisas: o fortalecimento da cooperação técnica entre as mencionadas Academias, o acesso a recursos didáticos existentes e o estabelecimento de futuros programas de ensino e pesquisa no campo da propriedade intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliana Machado Mendes, Instituto Nacional da Propriedade Industrial

Mestre em Propriedade Intelectual e Inovação pelo Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI), Doutoranda do Programa de Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e servidora do INPI.

Beatriz Amorim-Borher, Organização Mundial da Propriedade Intelectual

Doutora em Educação para Ciência pela Universidade da Califórnia, Los Angles (UCLA) e Vice Diretora do Escritório para América Latina e Caribe da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)

Referências

AMORIM-BORHER, M. B. O management do intangível. Revista Propriedade e Ética, ano 1, n. 2, mar./abr. 2008. Disponível em: http://www.revistapropriedade.com.br/conteudo.asp. Acesso em: 14 jul. 2008.

AMORIM-BORHER, M. B., ÁVILA, J.; CASTRO, A. C.; CHAMAS, C. I.; PAULINO, S. Ensino e pesquisa em propriedade intelectual no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 6,n. 2, p.281-310, jul./dez. 2007. Disponível em: http://www.finep.gov.br/revista_brasileira_ino-

vacao/decima_segunda_edicao/Ensino_e_Pesquisa_em_Propriedade_Intelectual_no_Brasil.pdf. Acesso em: 21 maio 2008.

BRASIL. Presidência da República. Lei 9.279. Lei da Propriedade Industrial. Brasília, 14 de maio de 1976.

BRASIL. Lei 10.973. Lei de Inovação. Brasília, 02 de dezembro de 2004.

CARVALHO, N. Do Acordo TRIPS à agenda para o desenvolvimento – perspectivas. Palestra apresentada no Programa OMPI-INPI, Temas atuais de propriedade intelectual. Rio de Janeiro, 2006.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, M. La sociedad red: una visión global. Madrid: Alianza Editorial, 2006.

CASTELLS, M. A galáxia Internet: reflexões sobre Internet, negócios e sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

DRAHOS, P. Global property rights in information: the story of TRIPS at the GATT. Prometheus, v. 13, n. 1, 1995. Disponível em: http://www.anu.edu.au/fellows/pdrahos/articles/pdfs/1995globalproprightsinfo_drahos.pdf. Acesso em: 12 ago. 2008.

FREEMAN, C. A economia da inovação industrial. São Paulo: Unicamp, 2008.

GONTIJO, C. As transformações do sistema de patentes – da Convenção de Paris ao Acordo Trips. A posição brasileira. Brasília: Fundação Heinrich Boll, 2007.

KAMIL, I. A power tool for economic growth. Intellectual Property Knowledge and Wealth Creation. WIPO Publication, no 888, 2005. Disponível em http://www.wipo.int/aboutwipo/en/dgo/wipo_pub_888/index_wipo_pub_888.html. Acesso em: 19 jan.11.

LASTRES, H M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. Sistemas de inovação e desenvolvimento: mitos e realidade da economia do conhecimento global. Conhecimento, inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Contraponto, 2005. p.17-50.

LUNDVALL, B.-Å. National innovation systems – analytical concept and development tool. In: TENTH ANNIVERSARY SUMMER CONFERENCE ON DYNAMICS OF INDUSTRY AND INNOVATION: ORGANIZATIONS, NETWORKS AND SYSTEMS. Copenhagen, 2005. Disponível em: http://www.druid.dk/wp/pdf_files/96-1.pdf. Acesso em: 06 out. 2008.

NELSON, R. R. As fontes do crescimento econômico. São Paulo: Ed. Unicamp, 2006.

SOETENDORF, R. Teaching intellectual property to non-law students. Teaching of intellectual property: principles and methods. New York: Cambridge University Press, 2008.

STIGLITZ, J. Knowledge as a global public good. Disponível em: http://cgt.columbia.edu/files/papers/1999_Knowledge_as_Global_Public_Good_stiglitz.pdf. Acesso em: 16 jan.2010.

STIGLITZ, J. Toward a pro-development and balanced intellectual property regime. In: CONFERENCE ON NEW APPOACHES TO INTELLECTUAL PROPERTY RIGHTS. Columbia, 2005. Disponível em: http://www.gsb.columbia.edu/ipd/pub/StiglitzPresentation.pdf. Acesso em: 16 jan. 2010.

STRAUSS, J. Teaching patents. Teaching of intellectual property: principles and methods. New York: Cambridge University Press, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TAKAGI, Y.; ALLMAN, L.; SINGELA, M. Recent trends and challenges in teaching intellectual property. Teaching of intellectual property: principles and methods. New York: Cambridge University Press, 2008.

WIPO − World Intellectual Property Organization. Integrating intellectualproperty rights and development policy. Report of the Comission on IP Rights. London, September 2002.

WIPO Worldwide Academy – 1998-2008. A decade of excellence, a decade of achievement.

Downloads

Publicado

2012-08-07

Como Citar

MENDES, L. M.; AMORIM-BORHER, B. O Ensino da Propriedade Intelectual: mapeando as academias da rede global. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 399–432, 2012. DOI: 10.20396/rbi.v11i2.8649049. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649049. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos