A natureza do financiamento influencia na interação universidade-empresa no Brasil?

Autores

  • Márcia Siqueira Rapini Universidade Federal de Minas Gerais
  • Vanessa Parreiras de Oliveira Universidade Estadual de Campinas
  • Fábio Chaves do Couto e Silva Neto Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v13i1.8649072

Palavras-chave:

Interação Universidade-Empresa. Financiamento. BR Survey. Pintec.

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar se a natureza da fonte de financiamento influencia na interação universidade-empresa no Brasil em termos dos modos de interação e da motivação para a colaboração. Para tanto, utilizou-se uma base de dados que envolve 319 questionários respondidos pelos responsáveis pelas atividades de pesquisa e desenvolvimento e/ou pelas interações com universidades e institutos públicos de pesquisa (IPPs) em empresas localizadas no Brasil, que apresentaram interação com grupos de pesquisa de universidades/IPPs. São analisadas as empresas que financiaram com recursos próprios os projetos em colaboração com universidades/IPPs, num total de 135, e aquelas que financiaram a interação com uma composição de fontes privadas e públicas, totalizando 94. As análises apontam que a natureza do financiamento parece não influenciar nos modos de interação, mas sim nos objetivos (ou motivação) da cooperação entre empresas e universidades/IPPs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Siqueira Rapini, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora do CEDEPLAR/UFMG.

Vanessa Parreiras de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisadora do Cedeplar/UFMG e Doutoranda no IE/Unicamp.

Fábio Chaves do Couto e Silva Neto, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisador do Cedeplar/UFMG e Mestrando no IGE/Unicamp

Referências

ARAUJO, A. L. How institutions shape the formation of R&D partnerships – evidence from Brazil. Master’s Dissertation. Alborg: Aalborg University, 2007.

AROCENA, R.; SUTZ, J. Knowledge, innovation and learning: systems and policies in the north and in the south. In: CASSIOLATO, J. E. et al. (eds.) Systems of Innovation and development – evidence from Brazil. Edward Elgar, 2003.

ARROW, K. J. Economic welfare and the allocation of resources for invention. In: NELSON, R. The rate and direction of inventive activity. NBER: Princeton University Press, 1962, p. 609-629.

BALÁZS, K.; PLONSKI, A. Academic-industry relations in middle-income countries: East Europe and Ibero-America. Science and Public Policy, v. 21, n. 2, p. 109-116, 1994.

BRISOLLA, S; CORDER, S.; GOMES, E.; MELLO, D. As relações universidade-empresa-governo: um estudo sobre a Universidade Estadual de Campinas. Educação & Sociedade, ano XVIII, n. 61, dezembro 1997.

CALZOLAIO, A; DATHEIN, R. Políticas fiscais de incentivo à inovação: uma avaliação da Lei do Bem. In: XV ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL – ANPEC. Porto Alegre, 2012.

CHRISTENSEN, J. L. The role of finance in national system of innovation. In: LUNDVALL, B. National systems of innovation. London: Pinter Publishers, 1992.

COHEN, W.; NELSON, R; WALSH, J. Links and impacts: the influence of public R&D on industrial research. Management Science, v. 48, n. 1, p. 1-23, 2002.

DE NEGRI, F.; ALVES, P.; KUBOTA, L. C.; CAVALCANTE, L. R.; DAMASCENO, E. Perfil das empresas integradas ao Sistema Federal de C&T&I no Brasil e aos Fundos Setoriais: uma análise exploratória. Relatório de Pesquisa do Projeto Metodologia de Avaliação de Resultados de Conjuntos de Projetos Apoiados por Fundos Públicos de Ciência, Tecnologia e Inovação (C&T&I). Brasília: Ipea, 2010.

FERNANDES, A. C; SOUZA, B.; SILVA, A.; SUZIGAN, W.; CHAVES, C.; ALBUQUERQUE, E. Academy–industry links in Brazil: evidence about channels and benefits for firms and researchers. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, August 2010.

FRENKEL, J. Sistemas de apoio fiscal-crediticio ao risco tecnológico e à competitividade. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Unicamp, 1993.

FREEMAN, C.; SOETE, L. The economics of industrial innovation. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1997.

GUINET, J. National systems for financing innovation. Paris: Head of Publications Service, OCDE, 1995.

GUSSONI, M.; MANGANI, A. R&D cooperation, appropriability and public funding: an empirical investigation. In: 37 EARIE ANNUAL CONFERENCE. Istanbul, Turkey, September 2010. Disponível em: http://www.earie2010.org/.

IBGE. Pesquisa de Inovação Tecnológica 2008. Rio de Janeiro, 2010.

KLEVORICK, A. K; LEVIN, R.; NELSON, R.; WINTER, S. On the sources and significance of inter-industry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, n. 2, p. 185-205, March 1995.

MORAIS, J. M. Os fundos setoriais e as tendências recentes de programas de subvenção econômica às empresas na FINEP. Relatório de Pesquisa do Projeto Metodologia de Avaliação de Resultados de Conjuntos de Projetos Apoiados por Fundos Públicos de Ciência, Tecnologia e Inovação (C&T&I). Brasília: Ipea, 2010

MOWERY, D. C.; SAMPAT, B. N. Universities in national innovation systems. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C.; NELSON, R. R. (Orgs.) The Oxford handbook of innovation. Oxford: Oxford University Press, 2005.

NELSON, R. Capitalism as an engine of progress. Research Policy, v. 19, n. 3, p. 193-214, June 1990.

PARANHOS, J. Interação entre empresas e instituições de ciência e tecnologia no sistema farmacêutico de inovação brasileira: estrutura, conteúdo e dinâmica. Tese (Doutorado). Rio de Janeiro: IE/UFRJ, 2010.

RAPINI, M.; ALBUQUERQUE, E; CHAVES, C.; SILVA, L.; SOUZA, S.; RIGHI, H.; CRUZ, W. University–industry interactions in an immature system of innovation: evidence from Minas Gerais, Brazil Science and Public Policy, v. 36, n. 5, p. 373-386, June 2009.

RAPINI, M.; OLIVEIRA, V. Remuneração dos relacionamentos dos grupos de pesquisa do CNPq com o setor produtivo. Relatório de Pesquisa do Projeto Metodologia de Avaliação de Resultados de Conjuntos de Projetos Apoiados por Fundos Públicos de Ciência, Tecnologia e Inovação (C&T&I). Belo Horizonte: Cedeplar, 2012.

ROSENBERG, N. Scientific instrumentation and univeristy research. Research Policy, v. 21, n. 4, p. 381-390, August 1992.

ROSENBERG, N; NELSON, R. American university and technical advance in industry. Research Policy, v. 23, n. 3, p. 323-348, May1994.

SALLES FILHO, S. Quanto vale o investimento em ciência, tecnologia e inovação? ComCiência, n. 129, 10/06/2011. Disponível em: http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=67&id=848. Acesso em: 01 dez. 2011.

SCHIMANK, U. The contribution of university research to the technological innovation of the German economy: societal auto-dynamic and political guidance. Research Policy, v. 17, p. 329-340, 1988.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M. The underestimated role of universities for development. Brazilian Journal of Political Economy, v. 31, n. 1, p. 3-30, Jan./Mar. 2011.

SUZIGAN, W.; ALBUQUEQUE, E.; GARCIA, R.; RAPINI, M. University and industry linkages in Brazil: some preliminary and descriptive results. Seoul Journal of Economics, v. 22, n. 4, Winter 2009.

VARGA, A. Regional economic effects of university research: a survey. Department for Economics Geography and Geoinformatics, University of Economics and Business Administration, Vienna, 1997 (Working paper).

WEBSTER, A. Bridging institutions: the role of contract research organizations in technology transfer. Science and Public Policy, v. 21, n. 2, p. 89-97, April 1994.

Downloads

Publicado

2013-12-03

Como Citar

RAPINI, M. S.; OLIVEIRA, V. P. de; SILVA NETO, F. C. do C. e. A natureza do financiamento influencia na interação universidade-empresa no Brasil?. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 77–108, 2013. DOI: 10.20396/rbi.v13i1.8649072. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649072. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos