A ascensão da China e seus reflexos no Brasil: fundamentos e evidências para uma estratégia de desenvolvimento

  • Diego Bonaldo Coelho Escola Superior de Propaganda e Marketing
  • Gilmar Masiero Universidade de São Paulo
  • Luiz Caseiro Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Estratégia nacional de desenvolvimento. China. Brasil. Políticas industriais.

Resumo

O artigo analisa os fundamentos da estratégia nacional de desenvolvimento da China, que permitiram ao país se tornar um dos principais centros de gravidade da economia internacional, em trajetória que promoveu diversos impactos nas demais economias e tem pressionado a reestruturação da agenda de desenvolvimento dos países a partir de uma nova realidade global. Com fundamentação teórica e estatística, o trabalho apresenta evidências da ascensão da economia chinesa, de seus fundamentos e de seus impactos na economia brasileira. Diante da análise dos dados e da experiência chinesa, sugere-se a necessidade de o Brasil elaborar uma estratégia nacional que seja fundamentada na articulação institucional de políticas, na internacionalização e na inovação de sua economia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Bonaldo Coelho, Escola Superior de Propaganda e Marketing
Professor de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Pesquisador do Centro de Estudos e Pesquisas em Diplomacia Corporativa da Escola Superior de Propaganda e Marketing (CEDiC/ESPM) e do Programa de Estudos Asiáticos da Universidade de São Paulo (ProÁsia/USP).
Gilmar Masiero, Universidade de São Paulo

Professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Coordenador do Programa de Estudos Asiáticos da Universidade de São Paulo (ProÁsia/USP).

 

Luiz Caseiro, Universidade de São Paulo
Pesquisador do Programa de Estudos Asiáticos da Universidade de São Paulo (ProÁsia/USP).

Referências

ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. Política industrial de países selecionados: Brasil, Rússia, Índia e China. Política Industrial Comparada, v. 10, 2011. Disponível em: www.abdi.com.br. Acesso em: 21 dez. 2014.

AMSDEN, A. H. A ascensão do resto. São Paulo: Unesp, 2009.

ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos. Desindustrialização + desnacionalização: um risco à soberania. 2012. Disponível em: http://www.fieb.org.br/Adm/FCKimagens/file/Conselhos/2012/Agosto/ABIMAQ%204%20-%20Desnacionalizac%CC%A7a%CC%83o.pdf. Acesso em: 01 mar. 2013.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Perspectivas do investimento e da política industrial nos BRICS. Projeto PIB – Perspectivas do Investimento no

Brasil. Belo Horizonte, 2009. Disponível em: www.bndes.gov.br. Acesso em: 22 dez. 2014.

BHATTACHARYA, A.; MICHEL, D. How local companies keep multinationals at bay. Harvard Business Review, v. 86, n. 3, p. 84-94, 2008.

BOLT, J.; ZANDEN, J.L. The first update of the Maddison Project; Re-estimating growth before 1820. Jan. 2013. (Maddison Project working paper, 4).

BRASIL. Brasil Maior – Plano 2011/2014. Texto de referência. Brasília, 2011. Disponível em: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/wp-content/uploads/2011/11/plano_brasil_maior_tex-

to_de_referencia_rev_out11.pdf. Acesso em: 02 jan. 2014.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC. Sistema Aliceweb. 2014. Disponível em: aliceweb2.mdic.gov.br.

BUIRA, A. The dogmatism of Washington Consensus. In: TEUNISSEN, J. J.; AKKERMAN, A. (Eds.). Diversity in development: reconsidering the Washington Consensus. The Hague:

FONDAD, 2004. Disponível em: http://www.fondad.org/uploaded/Diversity%20in%20Development/Fondad-Diversity-Contents-Contributors.pdf. Acesso em: 20 maio 2012.

CANO, W. A desindustrialização do Brasil. Economia e Sociedade, v. 21, número especial, p. 831-851, 2012.

CASEIRO, L. C. Z.; MASIERO, G. OFDI promotion policies in emerging economies: the Brazilian and Chinese strategies. Critical Perspectives on International Business, v. 10, n. 4, p. 237-255, 2014.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, A. B. No espelho da China. Campinas: Unicamp, 2011 (Texto para discussão). Disponível em: http://www.gr.unicamp.br/ceav/content/pdf/pdf_textobrasilnoespelhoda-

china.pdf. Acesso em: 02 maio 2012.

CSY – China Statistical Yearbook. National statistical database 2009. 2010.

CUNHA, A. M. et al. O Brasil no espelho da China: tendências para o período pós-crise financeira global. Revista de Economia Contemporânea, v. 16, n. 2, p. 208-236. 2012.

DICKEN, P. Mudança global: mapeando as novas fronteiras da economia mundial. 5. ed.Porto Alegre: Bookman, 2010.EVANS, P. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Manifesto – Grito de Alerta. Disponível em: http://www.fiesp.org.br/gritodealerta. Acesso em: 20 nov. 2012.

FIESP – Departamento de Competitividade e Tecnologia – Decomtec. Análise da penetração das importações chinesas no mercado brasileiro. Abril 2010. Disponível em: http://www.fiesp.com.br/competitividade/downloads/fiesp%20penetração%20dos%20produtos%20chineses%20no%20mercado%20brasileiro%20110414.pdf. Acesso em: 15 abr. 2012.

FRAGA, E. China lidera aquisições de empresas brasileiras. Folha de S. Paulo, 01 de março de 2013. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/96235-china-lidera-as-aquisicoes-de-empresas-brasileiras.shtml. Acesso em: 22 maio 2014.

GAO, Y. China as the workshop of the world. Cambridge: Routledge, 2011.

GHEMAWAT, P.; HOUT, T. Tomorrow’s global giants? Not the usual suspects. Harvard Business Review, v. 86, n. 11, p. 80-96, 2008.

HALL P. A., SOSKICE D. Varieties of capitalism: the institutional foundations of comparative advantage. Oxford: Oxford University Press, 2001.

JENKINS, R.; BARBOSA, A. F. Fear for manufacturing? China and the future of industry in Brazil and Latin America. The China Quarterly, v. 209, p. 59-81, 2006.

KRÜGER, J. J. Productivity and structural change: a review of the literature. Journal of Economic Surveys, v. 22, n. 2, p. 330-363, 2008.

MAcDONALD, S.; LEMCO, J. Asia’s rise in the 21st century. 1. ed. Westport: Praeger Publishers, 2011.

MARRONE, P. China e seus efeitos sobre a indústria de máquinas e equipamentos do Brasil. São Paulo: Magma Cultural, 2006.

MASIERO, G.; COELHO, D. B. A política industrial chinesa como determinante da estratégia going global. Revista de Economia Política, v. 34, n. 1, 2014.

MASIERO, G. et al. Competitividade industrial chinesa: impacto econômico e realidade socioambiental. 1. ed. Curitiba: Juruá Editora, 2012.

MIAO, C.; WEI, Y. D.; MA, H. Technological learning and innovation in China in the context of globalization. Eurasian Geography and Economics, v. 48, n. 6, p.713-732, 2007.

NOLAN, P. China and the global economy: national champions, industrial policy, and the big business revolution. Great Britain: Palgrave, 2001.

NOLAN, P. Globalisation and industrial policy: the case of China. The World Economy, v. 37, n. 6, p. 747-764, 2014.

PACK, H.; SAGGI, K. The case for industrial policy: a critical survey. 2006 (World Bank Policy Research Working Paper, n. 3839). Disponível em: http://www-wds.worldbank.org/servlet/WDSContentServer/WDSP/IB/2006/01/31/000016406_20060131160754/Rendered/PDF/wps3839.pdf. Acesso em: 29 set. 2013.

PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. 14. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989.

REUTERS. Fiesp mira China antes de visita de Dilma Rousseff ao país. Folha de S. Paulo, 22/02/2011. Disponível em: http://www.folha.com.br/me879590. Acesso em: 5 maio 2012.

RODRIGUEZ, F. Openness and growth: what have we learned? New York: United Nations, August 2007 (DESA working paper, n. 51). Disponível em: http://www.un.org/esa/desa/papers/2007/wp51_2007.pdf. Acesso em: 10 mar. 2012.

RODRIK, D. Industrial policy for the twenty-first century. Cambridge, MA, 2004 (Research paper – UNIDO). Disponível em: http://www.hks.harvard.edu/fs/drodrik/Research%20papers/UNIDOSep.pdf. Acesso em: 04 jun. 2012.

SENNES, R.; MENDES, R. C. Políticas públicas e as multinacionais brasileiras. In: RAMSEY, J.; ALMEIDA, A. (Orgs.). A ascensão das multinacionais brasileiras: o grande salto de peso-pesados regionais a verdadeiras multinacionais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

SOETE, L. From industrial to innovation policy. Journal of Industrial, Competition and Trade, v. 7, n. 3, p. 273-284, 2007.

UNCTAD – United Conference on Trade and Development. Statistic database. 2010. Disponível em: http://unctadstat.unctad.org. Acesso em: 16 mar. 2012.

UNCTAD. World investment report 2006. 2006. Disponível em: http://www.unctad.org/en/docs/wir2006_en.pdf. Acesso em: 16 mar. 2012.

VIETOR, R. H. K. How countries compete: strategy, structure, and government in the global economy. Boston: HBS Press, 2007.

WADE, R. H. After crisis: industrial policy and development state in low-income countries. Global Policy, v. 1, n. 2, p.150-161, 2010.

WORLD BANK. China 2030. 2012. Disponível em: http://www.worldbank.org/content/dam/Worldbank/document/China-2030-complete.pdf. Acesso em: 10 mar. 2012.

WORLD BANK. Statistic data base. 2013. Disponível em: http://data.worldbank.org/.

WTO – World Trade Organization. Statistic database. 2011. Disponível em: http://stat.wto.org. Acesso em: 8 dez. 2011.

ZENG, M.; WILLIAMSON, P. Dragons at your door: how Chinese cost innovation is disrupting global competition. Cambridge: Harvard Business School Press, 2007.

Publicado
2015-03-18
Como Citar
Coelho, D. B., Masiero, G., & Caseiro, L. (2015). A ascensão da China e seus reflexos no Brasil: fundamentos e evidências para uma estratégia de desenvolvimento. Revista Brasileira De Inovação, 14, 85-108. https://doi.org/10.20396/rbi.v14i0.8649101